#44 — Novo Continente: Parte III

Ele falou algumas coisas sujas no meu ouvido. Mordi meu lábio e fiz, ali, o que eu tinha vontade de fazer. Mania de controle, queria que alguém obedecesse suas ordens. “Garoto, tem certeza que vamos fazer esse jogo agora?”, pensei me ajoelhando e colocando o cabelo para trás.

- Abra a boca, sussurrou a ordem no escuro.

Foi glitter dourado que caiu sobre mim. Em alguns segundos minha barba estava brilhando, escorria com a saliva. Escorria pelo peito e corria ao longo do corpo. Fingi que nunca tinha feito aquilo antes. Ou não fingi. Não lembro bem.

Aquele olhar. Aquele novo continente que estava ali, entre palpebras e cílios, estava vazio. Não dizia mais nada. Era uma tentiva pouco convincente de que eu dormisse lá. E eu não dormiria. Nem exploraria aquele lugar que eu achei que valeria a pena explorar.

Lavei o rosto no banheiro. Algo ali tinha cheiro de baunilha. Toalhas brancas. Uma parede de espelho. Resolvi tomar um banho rápido. Jatos de água quente. Exaustão.

Vesti minha roupa. Recusei uma refeição congelada. Amarrei o cabelo. Último olhar vago. Fui embora como cheguei, vazio.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.