Veja a lista dos filmes indicados ao Oscar 2019 que trazem a temática LGBTI+ em suas histórias

Cena de Bohemian Rhapsody. Reprodução: YouTube

Para amantes do cinema, o começo do ano é uma das melhores épocas. Com as premiações do Globo de Ouro (06/01) e do Oscar (24/02), chega uma enxurrada de grandes obras aqui no Brasil.

Em termos de representatividade, apesar de estarmos longe de um cenário ideal, alguns filmes indicados ao Oscar trazem personagens LGBTI+. Acompanhe a lista para conhecer mais sobre as obras:

Tem chocolate aqui dentro?

A Favorita

Indicado ao Oscar nas categorias: Direção; Melhor Filme; Melhor Atriz (Olivia Colman); Figurino; Melhor Atriz Coadjuvante (Emma Stone e Rachel Weisz); Roteiro Original; Direção de Arte/Design de Produção; Fotografia; Edição.

O filme se passa no início do século XVIII, quando a Inglaterra está em guerra com a França. A rainha inglesa Anne, interpretada por Olivia Colman, governa em meio a esse caos, auxiliada por Lady Sarah (Rachel Weisz), sua amante secreta que exerce sua influência na corte e nas decisões da rainha. O status de Sarah é ameaçado quando surge Abigail (Emma Stone), prima de Anne. Quando vê a oportunidade de ganhar status, Abigail se aproxima de Anne e começa a disputar pela atenção da rainha. Os conflitos entre as duas dá a tônica ao filme, além da ótima interpretação de Olivia Colman como uma rainha deslocada.

Poderia Me Perdoar

Indicado ao Oscar nas categorias: Melhor Atriz (Melissa McCarthy); Melhor Ator Coadjuvante (Richard E. Grant); Roteiro Adaptado.

A escritora Lee Israel (Melissa McCarthy) já teve enorme prestígio, com livros nas listas dos mais vendidos do New York Times. No entanto, a biógrafa, quando se acha afundada em dívidas e sem perspectiva, começa a forjar cartas históricas e de celebridades e vender para colecionadores. Apesar de não ser o foco do filme, a própria Israel, extremamente solitária, revela no meio da trama que tem uma ex-namorada. O filme é baseado em uma história real e tem uma atuação espetacular de McCarthy.

Green Book — O Guia

Indicado ao Oscar na categoria: Melhor Filme; Melhor Ator (Viggo Mortensen); Melhor Ator Coadjuvante (Mahershala Ali); Roteiro Original; Edição.

Um dos favoritos dessa temporada. Tony Lip (Viggo Mortensen), um homem bruto que trabalhava como segurança em uma discoteca, se vê sem emprego. É aí que conhece um pianista renomado, Dr. Don Shirley (Mahershala Ali), que busca um motorista para fazer uma turnê no sul dos Estados Unidos. Negro, Shirley terá que se apresentar em lugares extremamente racistas do país em 1962. O nome Green Book se refere a um livro que existiu de fato e que apontava os poucos estabelecimentos e locais comerciais que eram seguros para pessoas negras na época. Mesmo sendo tão diferentes, os dois constroem uma forte relação de amizade, enquanto enfrentam — de diferentes perspectivas — situações de preconceito e discriminação.

Em determinado momento do filme, Don é flagrado pela polícia com outro homem em uma sauna. A sexualidade do pianista não é mais abordada durante o longa, ficando em segundo plano.

Bohemian Rhapsody

Indicado ao Oscar na categoria: Melhor Filme; Melhor Ator (Rami Malek); Mixagem de Som, Edição de Som, Edição.

Também um dos favoritos da temporada e que conquistou importantes Globos de Ouro. A história da épica banda Queen foca em seu cantor principal, Freddie Mercury (Rami Malek), mostrando a trajetória musical do grupo, seu convívio e suas desavenças, além da vida pessoal de Freddie. O carismático cantor, casado com Mary Austin (Lucy Boynton), descobre que também sente atração por homens durante a trama.

Apesar do foco ser a música, vemos como o preconceito e o medo de não ser aceito afetaram Freddie — principalmente quando ele descobre que está com AIDS, na época, uma doença carregada por um estigma negativo. Sua relação com Jim Hutton, o homem com quem passou seus últimos dias, também aparece no longa.


Indicações extras: apesar de não estarem nas premiações mais tradicionais, os filmes abaixo também trazem histórias e personagens LGBTI+.

O mau exemplo de Cameron Post

Vencedor do festival Sundance 2018, o longa conta a história de Cameron (Chloë Grace Moretz). Flagrada beijando sua melhor amiga, é enviada por sua tia conservadora a um “centro de recuperação” para jovens LGBTI+ ligado a igreja. Baseado no livro de mesmo nome, escrito por Emily Danforth, mostra a rotina da adolescente dentro desse local opressor, suas amizades e sua visão sobre sua própria sexualidade.

Boy Erased: Uma Verdade Anulada

Com enredo similar ao filme anterior, a história é protagonizada por Garrard (Lucas Hedges), jovem de 19 anos e filho de um pastor. Confrontado pela família, ele assume que é gay e acaba sendo colocado em um programa de terapia de “cura”. Seus conflitos com os pais conservadores, interpretados por Nicole Kidman e Russell Crowe, e a violência com a qual se depara na terapia são os focos da história.


Lembrando que, no ano passado, um dos grandes momentos do Oscar foi a premiação do filme “Uma Mulher Fantástica”, protagonizado por uma mulher trans e que conta a história de uma mulher trans. Infelizmente, não vimos representatividade de pessoas trans ou não-binárias nos filmes dessa temporada.

Tem alguma indicação de filme dessa temporada? Deixe nos comentários.

Para ler mais sobre cinema LGBTI+: