Artista da Vez #09 — Not Ordinary

Começamos 2017 com o pé direito em uma das entrevistas mais irreverentes até hoje. Dessa vez trazemos para os holofotes a galera menos ordinária do site. Conversamos com o Lucas Lima, a mente criativa por trás de algumas mais divertidas e inusitadas da Touts.

Senhoras e senhores, com vocês: Nøt Ordinary.

Quem são as pessoas por trás da Not Ordinary?

No começo éramos em três. Depois dois, e hoje somos um — eu, I’m Nøt Ordinary.

E qual foi a coisa mais não ordinária que vocês já fizeram?

Não ordinária?! Tudo! Hahaha! Essa é a nossa proposta! A ideia é sair do mainstream ou brincar com ele. Não queria criar arte pura, como um grafismo ou abstrato, sem passar uma mensagem direta ou trazer para ela um tom bem humorado (nada contra com quem faz diferente). Acho que todo artista tem algo a dizer, então quero que as pessoas entendam fácil a minha mensagem e se identifiquem com ela. Seria algo mais ou menos assim: ao comprar algo da NØ inspiraria essa pessoa, a faria sorrir ou as duas coisas juntas.

Dá pra perceber muita influência da cultura pop no trabalho de vocês. Como vocês buscam essas referências?

Sim, de tudo que vem da cultura pop! Busco em filmes, músicas, livros e até situações ao redor. Se algo ainda não é pop, faz parte do meu trabalho tentar fazer com que aquilo se torne.

Pode contar pra gente um pouco do processo criativo de vocês mais sobre o dia a dia?

Procuro deixar fluir ao máximo. Vou coletando referencias o tempo todo. Tenho uma pasta no computador e no celular onde guardo coisas que podem se tornar novos produtos. No dia a dia, divido o meu tempo entre a Nøt Ordinary e trabalhos de design e publicidade, mas se pintar uma ideia boa para a NØ, paro o que estou fazendo e monto pelo menos a base para não perder o momento.

Vocês já criam as estampas pensando em produtos específicos ou primeiro vem a inspiração/ideia da arte e depois adaptam aos produtos?

Inspiração e ideia primeiro. A adaptação vem sempre depois.

Que papel plataformas como a Touts tiveram no crescimento da Not Ordinary?

A Touts foi fundamental. A maioria dos artistas, pensa como tal e não possuem a “veia” empreendedora (claro que há exceções). Acho que a plataforma funciona, por exemplo, como a relação de trabalho entre um cantor profissional e seu empresário; o cantor se concentra ao máximo em criar a sua arte e o seu empresário cuida da parte burocrática. Sendo assim, a chance dele gravar discos bons é sempre alta. Com a plataforma, também pude atingir um público muito maior do que esperava, já que ela é uma grande vitrine para os artistas mostrarem seus trabalhos ao público.

E quais as principais vantagens que você enxerga em disponibilizar sua arte em sites como o nosso?

Vejo como vantagens: não precisar se preocupar excessivamente com a parte burocrática e poder se concentrar apenas na parte criativa. E a oportunidade de atingir um público maior que possa se identificar com o meu trabalho.

Hoje, vejo algo que há uns 10 anos atrás parecia impossível: a desmassificação (não sei se existe essa palavra hahaha) e maior identificação com conceitos e ideias específicas. Por exemplo, se quisesse uma camiseta diferente, bem humorada, teria que ir atrás de alguma marca de surfwear. Pô, legal, admiro a cultura surf, mas eu não surfo! Aquilo não me representa. Quantas vezes vi aquele pai de família, trabalhador de escritório e apreciador de um bom churrasco e futebol, indo para o seu lazer com a camiseta “Cool waves, sun and much Surf”. Com plataformas como a Touts, esse mesmo cara pode achar uma camiseta “Steak & Picanha & Ancho & Puro Malte”. Perfeito. Aquilo o representa muito melhor!

Olhando pra trás, quais acha que foram seus maiores aprendizados nesse meio?

Que as plataformas colaborativas tornaram várias ideias possíveis e trouxeram para a luz, vários artistas e criativos. As pessoas buscam cada vez mais por produtos de qualidade onde encontram maior identificação, além de meios onde possam comprá-los com ótimo custo benefício. Na minha opinião, existe um movimento na contramão da massificação, e cada vez mais um número maior de pessoas buscarão esses tipos de produtos.

Agora pensando no futuro, quais são os próximos passos e o que vem pela frente?

Tornar a marca mais conhecida. Afinal, tudo que fazemos de forma independente e com baixo capital é mais difícil.

Pra fechar, um bate-bola jogo rápido:

Uma pessoa incrível — Vixe, são tantas…vocês, da Touts, são e também são movidos por pessoas incríveis!

Um sonho — Trabalhar só com a Nøt Ordinary.

Um filme — Vários, sou cinéfilo. Mas, escolho Clube da Luta — que é um caso raro em que o filme é melhor que o livro.

Um esporte da olimpíada de inverno — Bobsled. Quem não se lembra de “Jamaica Abaixo de Zero”. Um Clássicão da Sessão da Tarde!

Uma cor –Preto.

Uma frase — “Aspire to inspire before you expire” (Aspire inspirar antes de você expirar).

Se ganhesse na Mega da Virada — Viraria milionário e compraria a Touts, deixando vocês milionários também e prontos para melhorarem ainda mais a plataforma! Hahahaha!

Essa foi a entrevista com a galera incrível da Not Ordinary. Você pode conferir mais ainda sobre o trabalho deles na página deles na Touts.

E como não poderíamos quebrar a tradição, tem um cupom de desconto especial maroto pra você usar nas estampas deles, é só mandar ver com o cupom: #NAOORDINARIO ;)

Espero que tenham gostado tanto quanto a gente!

Abraço de urso,

Lucas

Não vamos mandar spam nem passar seu e-mail pra ninguém, também odiamos isso ❤
Show your support

Clapping shows how much you appreciated Lucas Bittencourt’s story.