Artista da Vez #27 — Ana Catarina

Começando o ano com o pé direito e pulando muito mais do que sete ondinhas, já temos o próximo convidado para estrelar o Artista da Vez de Janeiro da Touts. É uma conhecida de longa data, que já se meteu em várias aventuras com a gente aqui no Rio e quem frequenta as praias cariocas certamente já esbarrou com essa figura por aí. É uma fã das antigas, com uma vasta coleção de camisetas, e que faz propaganda da Touts pra todo mundo. É com muito carinho que trazemos essa entrevista exclusiva e podemos compartilhar um pouco da história de alguém com tanto talento e uma energia tão positiva para abrir o ano.

Senhoras e senhores, com vocês: Ana Catarina

Ana Catarina em seu habitat natural, dentro d’água. (part. especial Ian Vaz)

Como você se apresenta para os desconhecidos que quer fotografar na água?

Oi, Fulaninho, meu nome é Ana Catarina e eu sou fotógrafa aquática. Fotografo esportes, pessoas ou qualquer situação de diversão em qualquer meio líquido. =)

E como você se apresenta nos workshops que ministra por aí?

Não gosto muito de dizer que sou apenas fotógrafa de surf, porque a fotografia aquática pode ganhar um universo muito amplo. Seja natação, nado sincronizado ou qualquer outro esporte ou situação na água. Gosto de dizer que atuar na água é meu principal foco, seja no mar, numa piscina, na chuva ou numa poça! Definir muito limita.

“Fim de tarde” por Ana Catarina, disponível aqui na Touts.

Aproveitando o gancho, você ministra workshops de fotografia, né? Quais são e como funcionam? Qual tipo de pessoa que participa?

Eu e o Bezerra atualmente fazemos um Workshop de Fotografia Aquática (o próximo é em Março e você pode conferir aqui), com parte teórica e prática e além de uma adaptação ao mar, mesclamos conteúdos como ensaio, surf e esportes aquáticos, ou situações onde o meio líquido é o principal, sempre com nossos equipamentos. Como contamos com a previsão do tempo e do mar no dia da parte prática, gostamos de ter umas cartas na manga. Pelos grupo, passam iniciantes na fotografia, pessoas que nunca tiveram contato com uma caixa estanque, aspirantes à fotografia de surf e quem quer se divertir.

Sua formação é como jornalista, né? De onde surgiu essa vocação para fotografia? Como tudo começou?

Na verdade, eu fiz faculdade de Educação Física e comecei a fotografar logo depois. No início, só queria me entender com a câmera para quando viajasse, mas quando fui apresentada à fotografia de surf e me vi participando da adrenalina no mar, tive certeza do que queria!

“Nado Sincronizado”, você encontra aqui, na Touts

Me interessei por Jornalismo pois achava que seria bastante útil quando aliado à fotografia, principalmente para contar histórias e apresentar personagens. De fato, foi. Amei ter feito essa segunda graduação e muito do meu aprendizado na vida acadêmica tem sentido até hoje quando fotografo.

Quando decidiu dedicar sua vida a fotografia e seguir a carreira? Teve algum momento de “estalo” ou foi um apanhado de vários outros fatores?

Quando tinha uns 19 anos, fiz sem querer um concurso público e também sem querer, eu passei. Fiquei nessa vida burocrática durante 12 anos, até que comecei a fotografar. Antes era de brincadeira e só como hobby, mas com a fotografia de surf, comecei a me descobrir e entender meu verdadeiro propósito. Chegou um momento que não consegui mais me dedicar 100% a nenhuma das duas carreiras e a vida de escritório estava longe de me completar. Decidi arriscar e me dedicar exclusivamente à fotografia aquática. É assim que vivo hoje, em tempo integral à fotografia e ao que amo.

Imagem do documentário Adapt Your Mind, por Ana Catarina e Thiago Theo, que você pode conferir aqui.

Nossos caminhos se cruzaram lá em 2016 enquanto você produzia o Adapt Your Mind, que é um projeto lindo, — e não só pela fotografia maravilhosa — pode contar mais um pouco pra galera sobre o filme e como foi toda essa experiência?

Na minha vida, nada tem muita programação, né? Tive a oportunidade de ir pro Havaí em agosto de 2016, com o objetivo de fotografar o Davizinho, surfista adaptado lindo, na época com 11 anos de idade. Chegando lá, não tinha noção de que o mundo e a união do surf adaptado era uma linguagem universal entre os participantes. A mensagem e experiência foram tão fortes que eu e meu amigo Thiago Theo não tínhamos outro propósito a não ser espalhar essa lição e aprendizado tão positivos por aí. Daí surgiu o Adapt Your Mind, um curta que trata o oceano e o surf como elementos de igualdade e liberdade entre os seres humanos.

Você acabou de voltar de viagem da Islândia, né? Imagino que tenha sido uma super aventura! Essa foi sua primeira viagem exclusivamente para fotografar? Como é essa dinâmica?

Nossa, pisar na Islândia era um sonho que me acompanhava há anos. Decidi colocá-lo em prática esse ano e nada melhor do que chamar outro amigo fotógrafo pra me acompanhar nessa loucura: Bruno Bezerra! Viajar com outro fotógrafo facilita muito a dinâmica da trip, porque ambos tem paciência um com o outro e entende que foto não é miojo que fica pronta em 3 minutos. Sim, essa foi a minha primeira viagem exclusivamente pra foto, sem personagem ou outro interesse que caminhe em paralelo. Além disso, nos hospedamos numa Campervan, um carrinho adaptado com cama e que nos dava ainda mais liberdade para dormirmos e acordarmos onde quisermos, seja pra esperar o sol nascer ou para esperar um local turístico esvaziar, como foi o caso da foto mais legal que fizemos na trip nos destroços do avião.

A “foto mais legal” da viagem para a Islândia em 2018.

Tem algum outro projeto interessante que queria compartilhar com a galera?

Minha cabeça parece uma panela de pipoca. Tento sempre criar situações ou algum produto que tenha a fotografia como guia. Lembro de quais foram minhas necessidades e o que faltava durante meu aprendizado na fotografia aquática. Continuo produzindo em relação ao Surf Adaptado porque de fato conheci um lugar confortável com os atletas dessa comunidade. É sempre uma emoção muito grande estar entre eles e sempre que possível, viajo para algum dos campeonatos para compartilhar esse carinho.

Pode contar pra gente um pouco do seu processo criativo no seu dia a dia? Onde você busca suas principais influências e referências?

No Rio mesmo, tenho referências de fotógrafos que também são meus amigos: Luiz Blanco, Minduim, Bezerra, Henrique Pinguim. A galera tá sempre produzindo e elevando muito o nível dos cliques. Essa “competição” saudável é muito estimulante e acho que a fotografia só tem a agradecer!

Quanto ao meu processo criativo, canso constantemente das minhas fotos, entro numas crises e aí me dá uns estalos pra tentar algo novo, seja com a configuração da própria câmera, seja com novas situações ou abordagens, como é o caso do Piscinão de Ramos, projeto que toco há mais de 4 anos.

Foto do projeto Piscinão de Ramos, disponível aqui na Touts.

O que você mais gosta de fazer no seu tempo livre?

Eu amo tanto o que faço com a fotografia de surf, que é um misto de trabalho e lazer. No meu tempo livre, continuo gostando de estar na praia e aproveito pra aprender a surfar, já que sou eternamente iniciante. Tá, se tiver chovendo, uma boa série ou filme e até uma peladinha com as amigas.

Além das fotos aquáticas, posteriormente você também começou a tirar fotos aéreas. O que muda? Quais os maiores desafios?

Mudar a perspectiva e visão do mundo para a fotografia aérea era um sonho desde que eu acompanhava o trabalho do Custódio Coimbra. Achava o máximo poder enxergar tudo por outro panorama. De fato, foi um click pra mim. Ando pelas ruas olhando pro chão e pra formas e tentando imaginar como elas ficariam lá de cima. Não só um novo desafio mas uma oportunidade de levar esse universo a quem acompanha meu trabalho.

Uma das fotos aéreas da Ana, disponível aqui na Touts. (e aqui como conjunto de quadros: parte 1, parte 2 e parte 3)

Que papel plataformas como a Touts tiveram na sua carreira como artista?

Ter a oportunidade de estar ao lado de artistas tão criativos e tão incríveis já é uma honra! Quando criamos o projeto Adapt Your Mind, a Touts foi fundamental não só na parceria, mas como uma plataforma para termos ideias e transformarmos o projeto em produtos que pudessem ir para a casa das pessoas e desfilar com nossa mensagem por aí.

Quais as principais vantagens que você enxerga em disponibilizar sua arte em sites como o nosso?

Acho que termos a oportunidade de colocar nossa visão de mundo e alcançar lugares inimagináveis através das fotos é um sonho. Muitas vezes impactamos pessoas que nem sequer conhecemos pelas nossas mensagens. Na Touts, nossas artes ganham vidas e ganham o mundo, principalmente pelas roupas. Meu guarda-roupa é cheio de camisa da Touts, acho muito irado quando estou vestindo alguma e me perguntam de onde é! Principalmente quando tem alguma foto estampada nela! É lindo isso!

Quais dicas você daria pra si mesmo no passado, quando estava apenas começando?

Às vezes me pergunto porque demorei a descobrir o que amava, mas acho que se tivesse descoberto antes, não teria maturidade pra bancar minhas decisões. O melhor conselho que seguiria é: o que quer que faça, faça com amor, faça dar certo. Teria encurtado um pouco meus caminhos!

Quais são os próximos passos e o que vem pela frente?

Em março, fico dois meses fotografando na Nicarágua e dali pra frente não sei mais o que vai acontecer. Mas até lá, fico pelo Rio e pra quem quiser se refrescar e fazer umas fotos, só falar! =)

Selfie subaquática nas águas do México.

Pra fechar, um bate-bola jogo rápido:

Uma pessoa incrível — São tantas. Mas se pudesse escolher, Thiago Theo, meu parceiro de sonhos; Bruno Bezerra, meu parceiro de clicks.
Um artista da Touts — CerqueiraWorld
Um sonho — fazer meu melhor nessa vida!
Um livro — Lições de um Empresário Rebelde — Yvon Chouinard
Uma qualidade — disposição
Um esporte — Surf
Uma viagem — realizada, Islândia.
Sorte é — fazer o que ama.
Ana por Ana em uma frase — sorrir.

Essa foi nossa conversa com a incrível Ana Catarina, uma das mais de 3.000 criadores da comunidade da Touts. Para conhecer mais sobre suas artes e outros produtos com as estampas dela, não deixe de visitar a página do Ana na Touts.

Para ler entrevistas com outros artistas incríveis de nossa comunidade, dá uma conferida no nosso blog que tá recheado de histórias incríveis.

Abraço de urso,