Como é trabalhar como Evangelista CSS, por Afonso Pacifer

Esse post é parte de uma série de entrevistas para o Training Center sobre o que um profissional pode dizer sobre sua área de atuação visando mostrar para outras pessoas como é trabalhar no que fazem, esclarecendo para algumas pessoas se elas se dariam bem trabalhando na área ou mesmo só para mostrar para outras pessoas como é trabalhar com isso.

Essa entrevista foi enviada para um dos maiores evangelistas de CSS do Brasil, o Afonso Pacifer.

Introdução

Meu nome é Afonso Pacifer e sou Evangelista CSS / Open Source Developer, o que pode ser descrito como desenvolvedor Front-End early adapter dos paranaûes do mundo dos Styles, que tenta convencer as pessoas da existência de um mundo além de frameworks e bibliotecas. Sempre codando apenas em projetos de código aberto.

Sou Co-founder do projeto CSShortcut, um curso online com objetivo de ensinar alguns assuntos importantes que geralmente não são abordados em outros lugares de forma descontraída, onde atualmente venho dando aula nos curso de Organização de CSS e Front-End na vida real, também mantenho um canal no Youtube chamado CSS CastShow, sou membro do Team Alpha do CSS Brasil e professor voluntário de assuntos aleatórios (Threejs) na WebSchool.io

Comecei trabalhando como sobrinho alienado desde 2010, mas apenas em 2014 após meu primeiro evento (Front in BH) me apaixonei pelo mundo Front-End, tomei vergonha na cara e fui estudar alucinadamente todos os dias até hoje.

Como você conheceu a área de Evangelismo CSS?

Após o Front in BH 2014, passei cerca de um ano estudando freneticamente os paranaûes de Front-End, estava muito apaixonado por CSS, mas com os estudos voltados para Javascript por achar que apenas CSS não seria o suficiente para viver. Em maio de 2015, no dia do meu aniversário especificamente, larguei minha família para participar da Conferência CSS Brasil (e fui esquecido no rodoviária pelo Raphael Amorim, sim eu não esqueci isso rsrsr), onde vi que um mundo inteiro de CSS existia, foi nesse dia que decidi vestir a camisa e me auto intitular Evangelista CSS e criei o projeto Awesome Flexbox. Cerca de um semana depois tomei coragem para dar a primeira palestra da minha vida (flexbox), na semana seguinte apresentei segunda (Grid Layout), etc…

Um detalhe importante, não foi nada bonito quanto parece lendo. Na primeira Talk eu simplesmente não consegui ficar de pé — hahaha, simplesmente dei a talk sentado em uma cadeira de tanto nervoso e tremedeira. Sem dúvidas, vencer o medo de falar em público foi uma grande mudança na minha vida que vou levar para sempre, e devo isso ao Raphael Fabeni e Felipe Fialho (organizadores absurdamente corajosos da Conferência CSS Brasil)

Por que você escolheu ser Evangelista CSS?

Depois que vi todo o mundo incrível que o CSS escondia, busquei na internet e encontrei vários eventos grandes focados na linguagem e percebi que no Brasil quase ninguém levantava a bandeira, e como dizem: “Quando você quer algo que não existe, senta o bumbum na cadeira e cria”. Assim surgiu o canal no Youtube e outras iniciativas.

“Quando você quer algo que não existe, senta o bumbum na cadeira e cria”

Como foi o seu primeiro trampo?

Meu primeiro trampo efetivamente foi como Desenvolvedor faz tudo em uma agência, lá eu trabalhava com muito CSS, mas nem eu dava valor.

Falando em evangelismo, meio que não tem “trampo” nessa “profissão”, existem cargos em empresas como Developer Advocate e afins, porém, até então, eu faço por que amo e porque alguém tem que fazer — rs.

Correr atrás do que amo independente do que pode acontecer, foi uma lição que aprendi de um cara que só fui conhecer pessoalmente anos depois, quando ouvi as palavras empolgadas do Bernard de Luna falando sobre fazer o que ama, literalmente acreditei nele e fui para a guerra. Durante o início da jornada (que está rolando até hoje e provavelmente não vai acabar. Isso é lindo ❤) posso dizer que tive um mentor, um Lek de 18 anos que literalmente me ensinou os princípios para ser um verdadeiro desenvolvedor transante, que é o Raphael Amorim, apesar de esquecer os amigos em rodoviárias ao redor do Brasil, você sem dúvidas mudou minha vida com sua amizade e direção, muito obrigado.

Quais são as skills de quem trabalha nesta área?

Engraçado que, além de ser cara de pau e sair por aí falando as coisas novas do CSS como se estivesse anunciando o apocalipse, a Skill que eu mais desenvolvi até hoje foi Javascript, especificamente NodeJS.

Por que NodeJS? Sabe aquele CSS Lint maroto ou aquele pré-processador legal que vc usa todo dia? Então lek, o cara que fez isso provavelmente ama CSS, mas não fez com CSS. Aí entra NodeJS na minha vida, onde desenvolvi algumas ferramentas para ajudar no dia a dia com CSS, sendo o projeto que mais me orgulho o BananaCSS, um superset que usa as Features do CSS Nativo (como Custom Properties) junto com os poderes de um pré-processador comum, isso de forma configurável através de um arquivo bananafile.json e funcionando através de uma CLI. Ou seja, NodeJS na veia.

Quais são os principais desafios da área?

Dedicar tempo é sem dúvidas a maior dificuldade, como você basicamente não ganha nenhum dinheiro por falar bem de CSS ou criar ferramentas, é um desafio lidar com isso (principalmente porque eu me demiti do trampo para ficar 100% Full Time nessa vida).

Quando você tem um trabalho, uma vida social e diversas responsabilidades para lidar, fica muito complicado ter tempo de se dedicar e gerar conteúdo, viajar para eventos, etc…

PS: Por isso larguei o trampo, não saio mais de casa e sou irresponsável hahaha (Brincadeira, sempre responsável xD).

Quais são as principais recompensas da área?

Ver o problema de alguém ser resolvido com uma ferramenta sua é legal, admito. Mas, nada supera receber mensagens de pessoas que tiveram impacto real em suas vidas através do seu trabalho, isso é ainda mais recompensador quando alguém que você nunca viu na vida te para em um evento e agradece por um artigo ou palestra que o motivou a conquistar algo, são nessas horas que tudo faz sentido e as energias são restauradas para continuar.

Você pensa em mudar de área?

Depois de um tempo, percebi que não sou apaixonado por CSS, mas sim por CSS nativo (sem pré/pós-processadores). Quando me dei conta, não era o CSS que eu amava, era a plataforma.

Estou estudando muito as novas tecnologias e a evolução da plataforma como um todo. Estou viciado em coisas como Web Components, Service Workers, Web física, etc…

Já estou focando em evangelizar mais a plataforma, nessa linha me identifiquei muito com as propostas do Polymer, e estou realmente abraçando o projeto. Esse ano já cheguei a palestrar em alguns lugares sobre o assunto, e com certeza vou sair do escopo CSS e encher o saco de vocês com outras coisas também — rs.

Por que alguém deveria se tornar um(a) Evangelista CSS?

Não recomendo que larguem suas vidas para viver evangelizando ou coisas do tipo, mas com toda certeza independente da sua área, se você for realmente apaixonado pelo que faz, deveria com toda certeza compartilhar seu conhecimento, seja através de um blog, vídeos ou palestras.

Aproveito que você chegou até aqui na leitura, e te convido a compartilhar seu conhecimento, mesmo que você ache que não tem nada para falar, acreditem em mim quando digo que essa atitude pode literalmente mudar sua vida, pois mudou a minha.


Este foi um post sobre como é trabalhar como Evangelista, porém temos também sobre como é trabalhar como Consultor de TI, por André Baltieri, Coordenador de Sistemas, por Jhonathan Souza Soares, Quality Analyst Engineer, por Úrsula Junque, Full-Stack Developer, por Ana Eliza, Front-End Developer, por Matheus Lima e muitos outros. Confere lá!

Siga o Training Center no Twitter para se manter atualizado(a) sobre nossas novidades: trainingcentr

Entre no nosso Slack para participar das decisões desse projeto e também para ver gifs engraçados!

Conheça nossas iniciativas.