Como é trabalhar no Grupo Caelum, por Sérgio Lopes

Assim como estamos fazendo entrevistas para o Training Center sobre como é trabalhar na área de desenvolvimento em suas diversas áreas de atuação, também vamos publicar como que é trabalhar em algumas empresas visando mostrar bons lugares para se enviar seu curriculum. ;)

Essa entrevista foi enviada para o Sérgio Lopes, um cara muito conhecido por seus artigos, palestras e participação nas comunidades que trabalha no Grupo Caelum, uma empresa muito admirada pelo seu apoio as iniciativas das comunidades de desenvolvimento.

Logo da Caelum

Introdução

Meu nome é Sérgio Lopes, sou especialista front-end, trabalho com TI desde a virada do milênio. Comecei minha carreira aprendendo Web no final de 1999, com HTML básico e logo depois SSI, PHP e CSS. Fazia vários freelas e projetos pra família até entrar na faculdade em 2003 no curso de Ciência da Computação da USP.

Lá, aprendi computação de verdade e muito Java. No final do primeiro ano de faculdade, fazia uma matéria de introdução a algoritmos em Java e o monitor da matéria, que ajudava o professor com exercícios e atendimento a alunos, era um aluno de mestrado chamado Paulo Silveira. Ele estava fundando a Caelum, uma escola de Java, na virada pra 2004 com seu irmão Guilherme Silveira e precisava de alguém pra ajudar com um pouco de tudo.

Fui o primeiro estagiário da empresa. Fazia de banners em flash a correções de apostilas no open office. A Caelum era uma pequena sala comercial para aulas, então trabalhava de casa sob demanda. Foi assim por pelo menos 1 ano. Mas a empresa continuou a crescer e eu a me aprofundar no Java com muita mentoria do Paulo. Em 2005, dei minha primeira palestra num evento chamado Conexão Java. E no começo de 2006 fui o primeiro instrutor a dar aula na Caelum sem ser os dois irmãos fundadores. Aí o resto é história.

A empresa foi crescendo rapidamente e eu fui crescendo junto. Dei os cursos de Java até o mais avançado da empresa. Fui responsável pelo treinamento de novos instrutores. Ajudei na criação de novos cursos. A partir de 2008, passei a integrar a diretoria da empresa.

A Caelum foi crescendo ainda mais. Abrimos unidades no Rio e em Brasília além de São Paulo. Fundamos a editora Casa do Código e os cursos online Alura. Nesse meio tempo, voltei meu foco para o front-end, em especial mobile, responsivo e performance.

Hoje meu papel na empresa é de diretor e líder técnico. Metade do meu tempo em tarefas estratégicas e coordenando times de produtos da empresa. E outra metade em coisas técnicas, envolvendo os produtos da empresa e criação de cursos, posts, palestras, livros.

Como foi o processo seletivo para entrar no Grupo Caelum

Quando eu comecei, a empresa não era nem uma empresa ainda. Então meu processo foi muito orgânico e pouco estruturado. Mas nesses anos todos, claro as coisas mudaram.

Novas pessoas chegam aqui essencialmente por indicação. A maioria de nossos instrutores são ex-alunos da Caelum! Às vezes abrimos vagas e divulgamos no Facebook e no Hipsters.jobs. Contratamos tanto desenvolvedores pra cuidarem dos produtos quanto novos instrutores para aulas presenciais e online.

A entrevista é bem informal pra conhecermos a experiência e portfólio da pessoa. Contam muito a favor participação ativa na comunidade. Próximo passo é um teste técnico com a entrega de um pequeno projeto. E, o mais importante, o teste de aula: treinamos a pessoa na nossa didática de aula e fazemos aulas-teste.

Como é o dia a dia no Grupo Caelum

Temos uma estrutura de gestão bastante flat. O CEO da empresa está acessível para conversa direta por todos, até o estagiário que acabou de entrar. Temos uma diretoria com 8 pessoas que coordenam o grupo todo, com mais de 150 pessoas. Cada projeto ou produto tem um time bastante orgânico, sem mais hierarquias. Algumas pessoas exercem papéis de liderança em seus times / projetos de forma natural.

Tudo é agile e usamos o Trello a rodo. A esmagadora maioria das tarefas não tem prazo bem definido nem deadlines doidos. Temos uma visão de futuro e vamos caminhando em direção a ela na velocidade que for possível. Preferimos sprints semanais pois mudamos de ideia o tempo todo, reajustamos os planos e corrigimos os problemas.

Fazemos reuniões pontuais e rápidas — em geral, em menos de 15 min já se resolve muita coisa. Tudo informal, sem powerpoint. As equipes têm muita liberdade pra se autogerenciar. Também não controlamos horários dos desenvolvedores.

O que vocês usam no Grupo Caelum

90% do nosso dia é entre Trello, Slack e GitHub. Temos projetos em Java, PHP e Ruby. Também Apps Android e Swift. Muito código de front-end pra todo lado. A maioria dos devs usa Mac, mas cada um escolhe o que prefere. Editores e IDEs também são livres. Usamos muito AWS pra deploy mas também Heroku e Google App Engine.

Como uma empresa de educação e inovação, estudamos muitas tecnologias novas. Estamos sempre aprendendo e tentando usar na prática — muitas vezes sem sucesso. Então temos um ambiente bem diverso tecnologicamente e muita abertura pra experimentação.

O que você mais gosta no Grupo Caelum

Trabalhar na Caelum ou na Alura ou na Casa do Código é trabalhar com educação. A melhor parte do trabalho é ver os alunos crescendo. Carreiras surgindo e evoluindo e você influenciando pessoas positivamente. É muito recompensador ver um aluno seu de alguns anos estar em destaque no mercado e saber que você teve alguma parte nisso.

Mudar o mundo através da educação e do conhecimento é definitivamente a melhor parte de se trabalhar no Grupo Caelum.

Siga o Sérgio nas redes sociais:

Você pode mandar uma mensagem para o Sérgio direto em seu Twitter para falar um pouco mais sobre a Caelum.


Continue acompanhando nossos posts sobre como é trabalhar nas empresas mais legais que existem.

Siga o Training Center no Twitter para se manter atualizado(a) sobre nossas novidades: trainingcentr

Entre no nosso Slack para participar das decisões desse projeto e também para ver gifs engraçados!

Conheça nossas iniciativas.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.