O robô que caiu e nunca mais se levantou

Vi um robô cair e não se levantar. Foi um tanto triste, mas bem mais engraçado. Uma hora era só estabilidade, caminhando como tinha sido programado para fazer e no momento seguinte, tombou a coisa de metal e plástico. A coisa, mesmo caída, continuou balançando suas patas esquisitas porque a programação não dizia quando deveria parar de andar, apenas que tinha de continuar. Por isso eu vi o autômato cair e não se levantar enquanto chacoalhava suas quatro patas hidráulicas capazes de erguer vinte e duas toneladas como se estivessem recuperando um grampeador; caído no chão igual ao robô, que não conseguia se levantar.

SKL-02, o isquiloide que caiu e não conseguiu se levantar, era capaz de subir escadas, vencer obstáculos e enfrentar terremotos. Um pedaço tão avançado de tecnologia que poderia ser usado durante tsunamis, tempestades e até acidentes nucleares para o resgate de pessoas. Com uma programação que tinha a adaptabilidade como objetivo, o SKL-02 seria capaz de tornar segura a colonização de Marte e a conquista do Everest. Isso, claro, não havendo uma casca de banana no caminho, ou então ele cairia sem conseguir se levantar.

O pobrezinho parecia um cachorro que caiu e não conseguia se levantar. O isquiloide mexia suas pernas hidráulicas como um cão faz quando sonha. Estaria ele sonhando? Realmente seguia sua programação de continuar a caminhar mesmo sem os pés sobre o solo ou, na verdade, desmaiou com o susto de cair e não conseguir se levantar, pegou no sono e começou a sonhar, como um cachorro que balança as patas enquanto sonha seus sonhos de cão? O autômato então sonhava como um cachorro, uma pessoa ou uma máquina? Com o que sonha os isquiloides além de ovelhas elétricas?

Os bilhões gastos no desenvolvimento do SKL-02, que veio depois do SKL-01 — por sua vez uma versão definitiva do protótipo SKL-00 — , não previam gastos em um autômato capaz de virar meme. Foi engraçado assistir ele caindo ao vivo, porém nada perto das remixagens que o vídeo ganhou. É lamentável, mas viralizar na internet não se converteu de pronto em investimentos, por isso não era possível garantir se o robô que caiu ganharia uma atualização capaz de fazê-lo se levantar.

Fomos pegos de surpresa pela resposta que o vídeo teve na internet. As pessoas repetidamente falavam sobre como o robô caía e não conseguia se levantar, piadas recorrentes surgiam quase tão rápido quanto éramos capazes de acompanhar, duas ou três versões remixadas do autômato caindo e não se levantando viralizaram. As pessoas sentiram pena, riram, protestaram contra nossa crueldade. Disseram que no futuro os humanos serão torturados dentro do Ministério do Amor das máquinas, que nos mostrarão o vídeo do robô caindo sem conseguir se levantar e dirão: “foi aí que começou”. De fato, se você ficar muito tempo assistindo essas imagens não conseguirá evitar sentir pena do pobre SKL-02 caindo sem conseguir se levantar.

Durante semanas ele foi assunto porque viram-no caindo sem conseguir se levantar vezes demais. Nesse meio tempo crianças viraram escravas nas periferias do globo e civis foram bombardeados por drones não muito longe de lá. As pessoas sofreram com o vírus espalhado dentro de um dos gifs que fizeram, mas ninguém se importava com nada que não fosse o SKL-02 escorregando na casca de banana e não se levantando.

Enquanto viralizava, o cão que caiu sem conseguir se levantar fez a mídia nos chamar de torturadores, ganhou nomes e nos rendeu convites para programas de TV e curtas do YouTube. As coisas melhoraram quando dois investidores prometeram bilhões para nossas pesquisas se nunca mais fizéssemos o robô cair, ou se pelo menos isso garantisse que ele conseguiria se levantar. Comi não sabíamos até quando aguentaríamos sem esse dinheiro, o aceitamos. A primeira atualização após isso, chamada SKL-03, não mais balançava as patas depois de cair e não conseguir se levantar.

O mais curioso disso tudo é que ver o robô cair e não se levantar estava dentro do programado. Ele precisava escorregar na casca de banana e tombar porque queríamos saber o que aconteceria se aquele robô escorregasse. Descobrimos, portanto, que ele não conseguia se levantar.