Descubra o que é Hot Money e quando recorrer a esse tipo de empréstimo

Imagine a seguinte situação: sua empresa precisa realizar um pagamento de alto valor de um fornecedor e não tem Capital de Giro para isso. A área de planejamento e controladoria foi recém implantada e iniciou um trabalho de avaliar os prazos médios de pagamento e recebimento para conseguir calcular a Necessidade de Capital de Giro (NCG), um dos Indicadores de Caixa mais importantes para qualquer empresa.

Como a tesouraria precisa do dinheiro para ontem, o que mais quer é evitar burocracias que atrasem o processo. Hot Money foi uma das alternativas cogitadas. Não vem ao caso discutir aqui o que levou a empresa a passar por esse aperto, mas nós, como criadores desta história, dizemos que tudo começou pela falta de projeção do fluxo de caixa.

Mas o caso aqui é: o que fazer numa situação emergencial que uma empresa precise de empréstimo de curto prazo para cobrir a falta de giro de caixa? Para isso, vamos ver mais a fundo o que é Hot Money, suas vantagens e desvantagens.

O que é Hot Money?

Se você leu a introdução deste artigo já deve ter pescado a ideia. Apesar de ter um nome um tanto quanto diferente (para não dizer peculiar), Hot Money é um empréstimo de dinheiro. A diferença é que ele trata de empréstimos em curto prazo (ou curtíssimo), entre 1 a 29 dias.

Lembra daquela brincadeira chamada “batata quente” (se você for dos anos 80 é bem capaz de lembrar)? Pois bem, traduzindo, Hot Money significa dinheiro quente. Imagine que seja como na brincadeira: você pega o objeto e passa correndo para outra pessoa (no caso, a empresa recebe o empréstimo e vai correndo cumprir suas obrigações).

Observe que a definição de Hot Money deixa claro que ele é uma alternativa para empresas que precisam realizar um pagamento e não têm Capital de Giro. Serve como um ajuste do deslocamento de dinheiro do caixa de uma forma muito mais rápida, para cobrir despesas imediatas sem burocracia (logo falaremos sobre isso).

Resumindo: o objetivo do Hot Money é resolver problemas pontuais da tesouraria. Exatamente por isso ele é considerado como um crédito de curto prazo.

Claro que o ideal é não ter que recorrer ao Hot Money e, por isso, administrar o capital de giro da empresa significa avaliar se falta ou sobra recursos financeiros e analisar os reflexos gerados por decisões tomadas em relação a compras e vendas. Como já falamos neste artigo, isso é fundamental para a continuidade e saúde do negócio, principalmente em ramos que trabalham com margens mais baixas e não podem “financiar seus clientes”.

Todavia, o primeiro passo para a empresa evitar correr atrás de Hot Money é ela planejar e estimar os ganhos, despesas e investimentos que terá em um período futuro, geralmente de 1 a 3 anos. Isso é possível por meio do Orçamento Empresarial e, caso você precisa de uma mãozinha nesse sentido, o Guia prático do Orçamento Empresarial com certeza irá ajudar. Basta clicar na imagem para acessá-lo:

Ok, então quando usar o Hot Money?

A principal finalidade do Hot Money, e também sua principal importância, é ser uma ferramenta utilizada por pessoas jurídicas exclusivamente para cobrir necessidades imediatas de recursos de curtíssimo prazo. No artigo sobre o BNDES comentamos a respeito das modalidades de empréstimos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social. O Hot Money é um caso diferente, já que é uma tomada de decisão emergencial para apoiar a empresa a ter capital suficiente para cumprir com suas obrigações financeiras.

Importante ressaltar que essas obrigações entram no Balanço Patrimonial (BP) da empresa como passivos (contas onde são registrados os deveres e obrigações da organização, como por exemplo, fornecedores, empréstimos e financiamentos, obrigações fiscais e sociais etc.).

O Balanço Patrimonial é essencial para manter um controle de custos e também para acompanhamento do patrimônio da empresa. Além disso, com ele é possível ter a visão consolidada da evolução da empresa em um determinado intervalo de tempo. Preparamos um modelo de planilha, no qual você conseguirá ter essa visão melhor.

E já que o BP demonstra todos os ativos (bens e direitos) e passivos (dívidas e deveres) da empresa, bem como se o patrimônio acumulado está em ascensão ou declínio, é fundamental utilizá-lo para controlar o dinheiro que entra e sai da empresa (e, por consequência, avaliar tomadas de decisão que dizem respeito à necessidade de empréstimos).

Caso você necessite de um modelo de Balanço Patrimonial indicamos a planilha que pode ser acessada clicando na imagem abaixo:

Vantagens e desvantagens do empréstimo de curto prazo

O Hot Money é uma ferramenta emergencial e serve para apagar incêndios da área de tesouraria. Sua principal vantagem é permitir organizações resolverem, de maneira bem pontual, as necessidades da tesouraria com financiamentos de curtíssimo prazo.

Por ter menos burocracia (o que é outro ponto positivo) o Hot Money permite que os fundos necessários para apoiar o capital da empresa sejam disponibilizados rapidamente.

Se a utilização do Hot Money é uma vantagem quando a empresa precisa resolver casos emergenciais ou pontuais, dependendo do ponto de vista, esse crédito de curto prazo pode sinalizar uma desvantagem. Isso porque se a empresa recorrer a essa ferramenta com muita frequência pode estar com um problema sério que poderá acarretar em consequências negativas no futuro.

Como as taxas de juros do Hot Money são altas e os prazos para pagamento da dívida são mais estreitos, dependendo do caso, a solução é procurar por uma linha de crédito com taxas de juro menores e prazos alargados. Recorrer a Capital de Terceiros pode ser uma alternativa nesse caso.

Dica Extra: Capital Próprio ou Capital de Terceiros?

Entendemos que Hot Money é utilizado em casos de emergência. Todavia, se a utilização do crédito de curto prazo é algo frequente, sugerimos que o controller avalie se não está na hora de buscar por Capital de Terceiros ou investir em Capital Próprio:

  • Capital Próprio tem a ver com o patrimônio líquido (PL), ou seja, sua origem está na própria atividade econômica e pode ser avaliado pelos lucros, por exemplo. Em outras palavras: são os recursos que provém dos proprietários (ou de sócios e acionistas).
  • Capital de Terceiros está relacionado com o passivo real ou passivo exigível (obrigações da empresa com terceiros) e representa todos os investimentos feitos por meio de recursos de entidades externas. Um dos exemplos mais comuns nesse caso são os financiamentos e empréstimos, sejam de curto, médio ou longo prazo. O fluxo de caixa neste caso é contratual, representado pela obrigatoriedade do pagamento de encargos contratuais.

Para que você possa ter uma visão mais ampla do assunto, sugerimos a leitura do artigo Custo de Capital: o guia completo para decidir entre Capital Próprio e Capital de Terceiros.

Hot Money ou outra alternativa de injeção de capital?

Existem várias maneiras de a empresa conseguir injeção de capital. No caso do Hot Money, ele é uma alternativa emergencial, ou seja, somente deve ser usado para cobrir necessidades imediatas de recursos de curtíssimo prazo. Caso a empresa comece a fazer uso frequente desta opção de crédito, é porque algo pode estar errado e sua empresa vai pagar caro por isso.

O controller é o profissional indicado para fazer esta avaliação. Quando a empresa precisa constantemente injetar capital de forma emergencial é porque, talvez, esteja na hora de pensar em um investimento que traga maior retorno financeiro e evite que o Hot Money seja utilizado para apagar incêndios.

Além disso, é necessário também investigar a raiz do problema, analisando as divergência do orçamento. Convenhamos que, se a empresa não possui métricas suficientes para identificar o que está acontecendo com suas vendas e despesas, fica quase impossível resolver os problemas, certo?

No entanto, antes mesmo de pensar em quem poderá ajudar a injetar capital na empresa (ou como isso será feito) é preciso fazer uma análise bem completa sobre a viabilidade do investimento. Para essa tarefa, profissionais da área de finanças fazem uso de um arsenal de ferramentas conhecidas como Indicadores Financeiros para Análise de Investimentos.

Justamente por entender que esses indicadores são essenciais é que temos um e-book que explica sobre VPL, VPLa, ROI, Payback, TIR e por aí vai. Caso interesse, clique na imagem abaixo para acessá-lo:

Ok, você entendeu isso e, como profissional de controladoria de uma equipe de alto desempenho, decidiu que Hot Money é a melhor alternativa. Agora a dúvida é: como contratar?

Contratando Hot Money

O crédito de curto prazo Hot Money é contratado via banco ou qualquer outra instituição financeira. Geralmente, a agência bancária recebe a proposta do cliente, avalia e, se aprovada, cria um contrato de Hot.

No contrato são estabelecidas regras, prazos de pagamento (até 29 dias) e taxas de juros. Como cada banco possui suas tarifas, a recomendação é que a empresa procure a instituição financeira que possui conta bancária. Mas para você ter uma ideia, a taxa do hot money é definida pela taxa do CDI do dia da operação acrescida do custo do PIS e da Cofins sobre o faturamento da operação.

Simulação Hot Money: como calcular?

Quando a operação de Hot Money é efetuada, o banco cobrará o IOF. No momento da contratação, a instituição financeira cobrará, então, os juros. Para exemplificar, analise a situação abaixo:

Vamos imaginar um operação de Hot Money efetuada junto ao banco X no valor de R$ 150.000,00 com um prazo de 12 dias. O Banco irá reter o IOF creditando o líquido em Conta Corrente.

Como primeiro passo, temos o cálculo da taxa de IOF de 0,0041% ao dia. Fazendo o cálculo para 12 dias temos:

0,0041 x 12 = 0,0492%

Sendo assim, entendemos que a taxa para o período de 12 dias de empréstimo é de 0,0492%. Continuando, temos que:

Valor do IOF = R$ 150.000,00 x Taxa do Período (0,0492%)
 IOF = R$ 73,80

Contabilizando os valores, chegamos à conclusão que:

Empréstimos: R$ 150.000,00
 (-) IOF: R$ 74,00
 Líquido em Conta Corrente: R$ 149.926,00

Entendendo melhor: no caso do nosso exemplo a empresa efetuou uma operação de R$ 150.000,00 e recebeu, líquido na conta corrente, o valor de R$ 149.926,00.

Aproveitando o gancho: a Necessidade de Capital de Giro

Empréstimos são feitos para injetar capital na empresa. Seja para realizar um pagamento emergencial ou para ampliar as operações da organização, ter capital significa possuir uma reserva de recursos para ser utilizada conforme as necessidades financeiras da empresa ao longo do tempo. A essa reserva damos o nome de Capital de Giro, ou Capital Circulante.

Falar sobre a Necessidade de Capital de Giro (NCG) é abordar o valor mínimo que a empresa precisa ter de dinheiro em seu caixa para garantir que a operação (de compra, produção e venda de produtos ou serviços) não pare por falta de recursos para pagar fornecedores e funcionários. Além disso, ao ter capital de giro a empresa não precisa partir para alternativas como Hot Money e pode utilizar esse valor para investir em suas operações ou até em sua estrutura.

Ao analisar a NCG, o controller pode chegar à conclusão de que a empresa tem um déficit em seu capital de giro. Isso significa que parte de seu capital de giro vem de recursos de terceiros (como operações de Hot Money), o que pode levar a despesas com pagamento de juros por este capital e, em alguns casos, demonstrar um quadro de risco associado ao negócio.

Por isso, calcular a NCG é fundamental para que decisões estratégicas sejam tomadas. No artigo Necessidade de Capital de Giro (NCG): dando fôlego para seu negócio! nos alongamos mais sobre o tema e mostramos como o cálculo deve ser feito.

Conclusão

O Hot Money é um tipo de empréstimo de curto prazo, sendo uma alternativa para empresas que precisam realizar um pagamento e não têm Capital de Giro. Dizemos ainda que seu objetivo é o de resolver problemas pontuais da tesouraria. Por isso, operações de Hot Money são consideradas como um crédito de curto prazo.

Ressaltamos que assim como qualquer empréstimo, é preciso ter cautela ao optar pelo Hot Money e avaliar todas as alternativas da empresa. Os Indicadores Financeiros para Análise de Investimentos permitem ao controller fazer uma análise mais completa das opções que possui para injetar capital.

Além disso, é necessário verificar a Necessidade de Capital de Giro e, como falamos no início deste post, avaliar os prazos médios de pagamento e recebimento. Esperamos que este artigo tenha sido útil a você (e à empresa que citamos lá na introdução, que precisava conhecer melhor sobre Hot Money).

Deixe um comentário contando o que achou do post e compartilhe conosco qualquer outro conhecimento que possa contribuir com o tema. Fique à vontade também para compartilhar este artigo com seus colegas.


Originally published at Treasy | Planejamento e Controladoria.