Empréstimo ou Financiamento: qual a melhor opção para sua empresa?

Treasy
Treasy
Jan 16, 2018 · 8 min read

O sonho de qualquer empresa é conseguir sempre caminhar com as próprias pernas e, nesse sentido, utilizar recursos do seu caixa para resolver pendências e fazer investimentos pode ser o melhor caminho. Mas quem está no dia a dia da administração, como o controller, sabe que não é assim que acontece em muitos casos. Buscar recursos é um movimento comum e nem sempre indica um problema, mas pode ser um sinal vermelho para aquelas empresas que precisam recorrer a uma ajuda financeira porque não possuem um Orçamento Empresarial e extrapolaram o caixa. É aí, então, que surgem as opções de empréstimo ou financiamento para suprir as necessidades de cada negócio.

Porém, antes de buscar uma dessas opções, é necessário conhecê-las. Você sabe qual a diferença entre empréstimo e financiamento? Conhece as características e as vantagens de cada modalidade? Para ajudá-lo, preparamos este artigo, que explica os principais detalhes dessas duas alternativas de crédito, fala sobre prós e contras e dá algumas dicas importantes para o momento da tomada de decisão.

Diferença entre empréstimo e financiamento

Às vezes, a definição desses conceitos gera certa confusão, mas o fato é que, embora ambos sejam operações de crédito, eles têm algumas diferenças, principalmente na função que cumprem para o caixa da empresa. Além disso, também se distinguem na forma como são contratados, no tamanho dos juros e em outras particularidades.

O que é um empréstimo?

Basicamente, o empréstimo é um modelo de operação de crédito no qual a instituição financeira concede o valor sem exigir que a empresa justifique o destino do dinheiro. Quem contrata fica livre para utilizar o recurso tomado da maneira que achar melhor, precisando apenas devolver o montante dentro do prazo e dos juros acordados previamente.

No empréstimo para empresas, a instituição também não exige nenhum tipo de garantia em troca do dinheiro, como uma máquina ou um imóvel. O acordo, formalizado em um contrato, torna-se, então, a única forma de dar segurança ao processo de tomada de crédito. Dessa forma, esse modelo se tornou bastante utilizado por ter como característica a pouca burocracia.

No entanto, a ausência dessas exigências que citamos impactam diretamente nas condições com as quais os empréstimos são concedidos. A principal delas está na taxa de juros cobrada. Isso porque a garantia é a forma pela qual a instituição financeira assegura que, de alguma maneira, receberá de volta os recursos que emprestou, mesmo que eles retornem na forma de algum bem. Sem esse item no contrato aumentam os riscos de que a dívida não seja quitada. O modo utilizado para aumentar a proteção, portanto, é o aumento da taxa de juros.

Não é uma regra, mas é comum ainda que as fontes de empréstimos ofereçam prazos mais curtos para o pagamento. E isso também tem a ver com a insegurança gerada pela falta da exigência da garantia.

O que é um financiamento?

No financiamento para empresas, aquelas exigências ausentes no modelo de empréstimo aparecem como as principais características. A mais importante delas é a necessidade de dizer à instituição financeira onde o recurso será aplicado, além de explicar os motivos pelos quais se está recorrendo a uma operação de crédito. Então, se a empresa financiou uma determinada quantia para comprar duas máquinas, por exemplo, é esse valor que deverá ser gasto e esses os bens que devem ser adquiridos.

A outra condição que aparece na hora de as fontes de financiamento liberarem os valores é a garantia. Em grande parte dos casos, o próprio bem adquirido costuma ser colocado no contrato como garantia. Pelo nosso exemplo anterior, as duas máquinas seriam tomadas pela instituição financeira como compensação por uma eventual inadimplência.

Com a garantia como parte do contrato, os riscos do financiamento para a instituição diminuem. Com isso, caem também as taxas de juros e sobem os prazos para o pagamento dos valores financiados.

Por outro lado, a burocracia envolvida no processo de liberação de um financiamento também cresce consideravelmente e a empresa precisa apresentar documentos como orçamento, balanços e o Demonstrativo de Resultados do Exercício (DRE) — por isso que é importante manter esses documentos e relatórios sempre atualizados e disponíveis para utilização. Assim, a instituição analisa a situação do negócio e a capacidade de pagamento da dívida.

Como saber qual opção é a mais adequada

A opção a ser escolhida está diretamente ligada à necessidade da empresa no momento. E é por isso que os profissionais ligados ao planejamento e às finanças precisam fazer uma análise detalhada para identificar esse ponto com exatidão.

De modo geral, o empréstimo empresarial, por ter menos burocracia e um tempo de liberação mais curto, serve mais para questões pontuais do dia a dia da administração de um negócio, como ajuste no fluxo de caixa, pagamento de algum importante fornecedor ou quitação de uma dívida que pode atrapalhar a saúde da empresa.

Imagine que uma organização tenha conseguido um importante desconto em matéria-prima com fornecedores, mas não tenha dinheiro em caixa no momento. Se o negócio realmente for vantajoso, um empréstimo pode acabar sendo uma solução de momento.

o financiamento empresarial tem, em tese, caráter de longo prazo, estando mais ligado ao planejamento do negócio. As empresas costumam recorrer a esse modelo de operação de crédito para, por exemplo, comprar novos equipamentos e aplicar um Plano de Expansão.

Por falar em investimentos, eles exigem dos controllers uma a análise séria dos números do negócio. Para ajudá-lo com este assunto, temos um e-book que fala sobre os indicadores financeiros utilizados na análise de possíveis investimentos. Clique no banner abaixo e veja de forma fácil e prática como esses indicadores podem ser aplicados na avaliação de projetos.

Cuidados na hora tomar empréstimo ou financiamento

Como vimos, o empréstimo e o financiamento são importantes alternativas para suprir a necessidade de recursos. Mas também não é por isso que você pode recorrer a elas de maneira indiscriminada, sem antes fazer uma análise concreta. Até porque há a possibilidade, por exemplo, de resolver a situação com o que pode ser chamado de autofinanciamento. Na prática, isso significa adotar soluções internas.

Há a possibilidade de negociar prazos de pagamento maiores com os fornecedores, tentar prazos de recebimento mais curtos com os clientes e reinvestir o lucro do negócio em vez de retirá-lo do caixa da empresa. Tudo isso pode ajudar a aliviar o caixa e dar fôlego.

No entanto, se o autofinanciamento não funcionar e a busca por recursos externos realmente for necessária, alguns cuidados devem ser tomados pelas empresas, que, assim, evitarão dores de cabeça. Um deles é não pegar empréstimos com juros mais altos que a rentabilidade do negócio. Além disso, os valores sempre devem ser quitados em dia. Caso contrário, a situação pode ir se transformando em uma grande bola de neve.

Em relação aos financiamentos, a abertura ou a expansão de um negócio precisa ser planejada, pois desta forma é possível identificar e administrar os riscos e a capacidade de pagamento dos recursos.

Esse planejamento exige também uma previsão orçamentária exata e bem delimitada. Pensando nisso, disponibilizamos para você o Guia prático do Orçamento Empresarial, que apresenta os principais conceitos e auxilia nesse importante processo. Para fazer o download do material, basta clicar no banner abaixo.

Outra importante orientação é sempre procurar uma instituição autorizada pelo Banco Central, que disponibiliza a lista de todas as instituições cadastradas no Sistema Financeiro Nacional, e fazer a consulta na relação de instituições em funcionamento no país.

É fundamental ainda tomar cuidado com ofertas muito vantajosas, com condições que estejam fora da realidade do mercado ou que não façam uma avaliação da situação da empresa.

Opções de empréstimo e financiamento

No mercado, existem diversas opções de empréstimo e financiamento. Confira algumas delas:

BB Giro Empresa

O Banco do Brasil oferece essa opção para empresas que faturam entre R$ 1 milhão e R$ 45 milhões, disponibilizando crédito para compra de estoque, pagamento de fornecedores e também para aproveitar as oportunidades de negócios. O pagamento pode ser feito em até 24 meses, com possibilidade de reutilização dos valores pagos. Garantias ajudam a melhorar as condições de taxa do empréstimo e valorizam a análise de crédito.

BB Crédito Empresa

O BB Crédito Empresa é uma linha de crédito pré-aprovada para financiar a aquisição de equipamentos de informática, máquinas, material de construção e veículos. O prazo de pagamento é de até 60 meses e o valor do bem pode ser financiado em até 100%. As possibilidades de garantias são a alienação fiduciária do bem financiado e fiança dos sócios.

Microcrédito Produtivo Orientado Caixa

Essa linha da Caixa Econômica Federal pode ser utilizada para comprar materiais, equipamentos ou melhorar o ambiente. O tamanho dos recursos depende da análise do crédito e da capacidade de pagamento do empreendimento. O valor mínimo é de R$ 300,00 e, de acordo com a necessidade e o porte do negócio, pode chegar a até R$ 15 mil, conforme a evolução do empreendimento. O prazo de pagamento varia de quatro a 24 meses. Para primeira contratação, o prazo é de até 12 meses para pagar, dependendo da finalidade do crédito.

Crédito Direto ao Cliente

Uma das linhas de crédito do Itaú é o CDC. Com ela, as empresas podem financiar a aquisição de veículos (leves e pesados), máquinas e equipamentos (somente novos). Depois que o bem a ser adquirido for escolhido, o banco faz o pagamento à vista. O prazo de pagamento pode chegar a até 48 meses, dependendo da necessidade do negócio.

BNDES Finame — BK Aquisição e Comercialização

Este programa de crédito do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) possibilita o financiamento para aquisição e comercialização de máquinas, equipamentos, sistemas industriais, bens de informática e automação, ônibus, caminhões e aeronaves executivas. O prazo de pagamento dos recursos é de até 10 anos, com carência de até dois anos.

Esses são somente alguns exemplos de instituições e programas de crédito. Para conhecer mais, acesse os sites das instituições de fomento e dos bancos públicos e privados.

Concluindo

É natural que qualquer empresa, em algum momento da vida, necessite buscar recursos externos para sanar algum problema ou fazer um investimento. Mas isso deve ser feito sempre com muita inteligência e o máximo de cuidado. Qualquer desatenção em uma operação de crédito pode causar grandes prejuízos para o negócio.

Portanto, antes de contratar um empréstimo ou um financiamento, faça uma simples pergunta: preciso mesmo desse dinheiro? Pode ter certeza de que esse questionamento fará você refletir melhor sobre o passo que está dando nas finanças da empresa.

Depois, na hora de obter os recursos, é importante prestar muita atenção para não cair em nenhuma furada. Certifique-se da idoneidade da instituição que está contratando, analise bem o contrato, as condições estipuladas e as exigências. Cada detalhe pode fazer a diferença nesse momento.

Esperamos que você tenha gostado deste artigo. Ficou com alguma dúvida ou quer contar uma experiência? Fique à vontade. Estamos aqui para ouvi-lo e trocar ideias.


Originally published at Treasy | Planejamento e Controladoria.

Conteúdo relevante e atualizado para auxiliar no Planejamento, Orçamento e Acompanhamento econômico-financeiro de sua empresa.

Treasy

Written by

Treasy

Treasy

Treasy

More From Medium

Top on Medium

Ed Yong
Mar 25 · 22 min read

26K

Top on Medium

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade