Viajar é preciso? Um blog sobre turismo e acessibilidade

Big Sur, Califórnia, 2018

Viajar, conhecer novos lugares e viver outras experiências é algo aberto e possível para todos. Tudo começa com uma mente aberta e um planejamento bem feito.

Todo mundo gosta de viajar, certo? Eu acho que não é bem assim. Qualquer coisa que começa com “todo mundo gosta” já fala de algo que não serve para todo mundo. As pessoas são diferentes e acredito não haver uma regra única existencial para nada. Tudo é possível.

Mas em relação à viajar, acredito haver três atitudes possíveis. Ou você gosta, ou não gosta ou, apesar de gostar, não o faz por algum complicador, como medo, preocupação ou outras dificuldades diversas.

Posso dizer que eu estava nessa terceira categoria. Não é que eu não gostava, mas sendo cadeirante, tendo distrofia muscular e algumas consideráveis limitações físicas, eu achei que não seria possível ou que seria tão complicado e desgastante que não valeria a pena.

Dai algo aconteceu. Tudo bem que motivação é uma coisa de dentro, individual, mas por vezes encontramos fora de nós a inspiração que precisávamos, aquele empurrão fundamental para colocar as coisas em movimento.

No meu caso, minha inspiração foi minha esposa, que se tornou minha companheira de viagem e mostrou que com boa vontade e disposição poderíamos enfrentar todas as eventuais dificuldades nas viagens. Sem o encorajamento dela e o apoio em todos os sentidos sei que não seria possível.

Desde nossa primeira viagem para longe, em 2012 para Punta Cana, aprendemos que a experiência de viajar sempre vale a pena, que as surpresas são geralmente agradáveis e que as dificuldades realmente aparecem, mas a gente sempre consegue resolver.

Muitas viagens depois, acho que a pergunta correta não é se viajar é preciso, mas se viajar vale a pena. Eu acho que sempre vale. A outra pergunta é se viajar é possível, mesmo que você tenha dificuldades e que o mundo apresente muitas barreiras.

Para mim a resposta é um sonoro sim, um grito a plenos pulmões. Viajar me fez uma pessoa melhor e com o planejamento certo pode ser uma experiência muito rica para todos e em especial para aqueles, que como eu, tem uma deficiência.

Por isso que comecei esse blog. O melhor jeito de fazer coisas é fazendo. A experiência ensina muito não só sobre o processo de planejar e efetivamente realizar uma viagem, mas até sobre que tipo de passeio tem mais a ver com você. Uma descoberta constante que eu gostaria de compartilhar com quem venha a ler esse blog.