Aprenda o que é micro-learning e porque ela está mudando a dinâmica do ensino

Quer saber como o micro-learning pode ajudar em sua UI?

Você sabia que uma pessoa consegue se concentrar por apenas 8 segundos? É tempo suficiente para uma época onde as notícias são compartilhadas utilizando 140 caracteres e as conversas são feitas por meio de emojis.

E será que apenas 8 segundos são suficientes quando se quer aprender algo? É nesse contexto que surge o micro-learning, uma maneira eficiente de transmitir conteúdo, principalmente no cenário caótico que vivemos hoje, onde os smartphones nos acompanham em qualquer lugar e o tempo é um recurso escasso.

Concentração de uma pessoa é menor que a de um peixe dourado.

Afinal, o que é micro-learning?

Micro-learning lida com unidades de aprendizagem relativamente pequenas e de curto prazo, são micro-perspectivas que facilitam o processo de aprender algo novo respeitando nosso déficit de atenção.

É um termo recente e frequentemente utilizado para a área de e-learning. O micro-learning foge dos modelos tradicionais e diminui consideravelmente a carga cognitiva do aluno que se dispõe a aprender algo. Mas também pode ser utilizado em outros contextos como, por exemplo, na hora de ensinar o usuário a utilizar um aplicativo pela primeira vez. É comum encontrarmos aplicativos que nos recepcionam com cards contendo uma ilustração e uma frase pontual explicando algum recurso. Essa maneira de transmitir pequenas frações de informações instrucionais também faz parte do micro-learning.

Apesar de ser um método relativamente novo, existe alguns cases interessantes que utilizam esse processo de aprendizagem. O aplicativo Primer desenvolvido pela Google é um bom exemplo, conseguiu unir conceitos de micro-learning e boa interface para atingir o objetivo de ensinar lições de marketing.

Primer e seu processo de micro-learning

Imagem retirada deste artigo: https://goo.gl/Uh46Ah

O aplicativo surgiu com alguns propósitos definidos: ensinar marketing digital em 5 minutos ou menos, ser um aplicativo convidativo, intuitivo e garantir que as pessoas continuem estudando.

Para alcançá-los, o conceito de micro-learning foi amplamente explorado. O uso de interações já conhecidas, como o gesto swap, garantiu ao aplicativo um ótimo nível de interatividade. Os cards são agrupados em grupos de 3 a 7, sendo renovados a cada vez que o usuário chega ao último cartão, liberando um novo grupo.

Concluir uma pilha de cartão é uma micro-realização no processo de aprendizagem, porque o usuário não precisa finalizar todo o curso para ter a sensação de que aprendeu algo. O aprendizado acontece durante toda a interação.

Para reforçar o que foi aprendido, o usuário participa de jogos simples no formato puzzle, montando um quebra-cabeça ou selecionando opções ilustradas. Essas interações que vão além da leitura, tornam os usuários mais confiantes e hábeis na hora de construir conhecimento.

Essa confiança é fruto do processo de micro-learning, que respeita a carga cognitiva do usuário e propícia uma sensação de missão cumprida, para quem oferece e para quem absorve o conteúdo.

O futuro do micro-learning

Há razões para acreditar que o micro-learning vai ganhar proporções significativas nos próximos anos e substituir os modelos padrões de aprendizagem, que em sua grande maioria são ineficientes e demandam muito tempo para alcançar resultados.

1 — Micro-learning é ideal para qualquer dispositivo, hora e lugar.

Hoje 6 milhões de pessoas se conectam diariamente por dispositivos móveis. Nosso comportamento está sendo influenciado diretamente pelas novas tecnologias, modificando a maneira como vivemos e aprendemos as coisas. Por isso, lições em dispositivos móveis precisam ser curtas e pontuais.

A aplicação Duolingo é outro ótimo exemplo de utilização de micro-learning, e possui uma forma de ensinar semelhante ao Primer. A diferença está no propósito, mas o uso de micro-learning segue as mesmas características de textos pequenos e pontuais, divididos em módulos que precisam ser completados. A aprendizagem ocorre durante todo o processo, acertando ou errando a questão.

2 — As redes sociais abriram portas para o micro-learning

Redes sociais como o Twitter estimulam os usuários abstraírem o conteúdo. Transformar uma ideia ou conceito em uma frase com 140 caracteres não é uma tarefa fácil, mas pode ser mais eficaz que um texto longo.

O fato é que as redes sociais já criaram um ambiente propício para a aprendizagem em pequenas etapas, adaptando os usuários para receber conteúdos menores e sucintos.

3 — É mais rápido, fácil e barato de criar

Desenvolver um curso, ou qualquer outro material utilizando o método de micro-learning, proporciona economias significativas de tempo e dinheiro.
O formato elimina tempo em sala de aula, gastos com instrutores e locação de lugares para aulas, que são recursos finitos e caros.

4 — Envolvimento da Google

O envolvimento da Google com essa nova metodologia de ensino deve ser vista com bons olhos. Principalmente pelo fato da gigante ter produzido um aplicativo que aplica o conceito de micro-learning e por estar participando de rodadas de investimento do Duolingo.

Além disso, o fato de carregar uma "titularidade" de empresa inovadora assegura que o micro-learning é algo eficaz, que deve ser aperfeiçoado e aplicado cada vez mais.

Processo de micro-learning utilizado pelo Duolingo.

De um lado temos uma maneira eficiente de ensinar e transmitir conteúdo, de outro, encontramos interfaces cada vez menores, relógios inteligentes
e smartphones que nos acompanham diariamente. Blocos enormes de textos estão cedendo o lugar para micro-textos. Não estamos mais deficienentes
de interface como estávamos anos atrás, pelo contrário, nos deparamos
com interfaces interativas e com diversos meios de usá-las.

É um processo natural e veremos cada vez mais a utilização do micro-learning e de micro-interações. E não podemos ignorar o fato de que precisamos dessa mudança, afinal nossa concentração dura apenas
8 segundos.



Assine a newsletter do UI Lab e receba artigos exclusivos como esse em primeira mão.
Assinar.
One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.