EM ALTO MAR

Por que lançar um barco ao mar?

Segundo Saussure, "a língua não é um barco no estaleiro, mas um barco lançado ao mar."

Não lembro muito bem quando comecei a escrever poesias. Só sei que, quando eu vi, já estava escrevendo. Lembro de me pegar perguntando se estava realmente escrevendo poesia; se, para ser poesia, precisa rimar; ou se, por serem versos livres, não havia nenhuma regra que limitasse a minha criação. Eu me sentia muito confuso e inseguro.

Acho que teria me desenvolvido mais rápido se tivesse com quem conversar. O poeta acaba criando seu próprio mundo, se isola, afinal é cada um por si nessa jornada em busca de seu próprio estilo. Poesia é muito individual, faz parte do processo de autoconhecimento, da percepção de si e do mundo.

Cada poeta — ou poetiza — precisa encontrar seu próprio caminho. É como um barco ao mar: toda direção é válida, escolher uma delas dependerá de onde se quer chegar.

Logo, não existe essa de ensinar poesia. Não. Mas é possível compartilhar descobertas, entender outros poetas, observar como os outros faziam ou fazem, trocar figurinhas a fim de completar o álbum — cada um o seu, evidentemente.

Ler, ler, ler e ler mais e mais poesia. O contato com a poesia é fundamental para a criação poética. Esse contato, julgo hoje, teria ajudado a amadurecer minha poesia mais rapidamente. Vale lembrar que a poesia nunca fica madura e estagnada, pois a língua é um barco ao mar. O processo de maturação é contínuo.

Eu criei o canal no YouTube para isto, desenvolver a mim e a quem mais comprar a ideia. E essa publication aqui no Medium, vai ter links, transcrições e materiais tão ricos quanto os vídeos.

Se inscreva no canal, siga esta publication, e utilize os comentários, tanto YouTube quanto do Medium para interagir!

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Gustavo Dutra’s story.