Dia 34: 7 anos

Hoje foi um dia comum. Não fiz quase nada. Passei a tarde revendo alguns filmes que eu tinha visto a muito tempo. No começo da noite, pedi um yakisoba e sentei em frente a TV enquanto comia.

Tenho muito medo de que meu futuro seja esse. Não fazer nada, assistir TV e comer. Alguns tios meus vivem a base disso e não reclamam. Eu acho desesperador.

Talvez seja por isso que eu sempre me pegue traçando planos a longo prazo — para eu nunca ficar sem um norte.

Há um tempo atrás eu decidi que daqui sete anos, eu vou embora. Para onde? Nem eu sei e mesmo se eu soubesse, não compartilharia aqui. Não quero que me encontrem.

(Risos)

Parece uma fuga adolescente, não? O filho que foge de casa, deixa todo mundo preocupado e depois volta com o rabo entre as pernas. Eu conheço filhos e filhas que fizeram isso. Mas sair de casa vai ser uma forma de me forçar a encarar as coisas sozinho, a me virar baseado apenas no que eu posso fazer por mim mesmo.

Não pretendo demorar sete anos para sair de casa. Pretendo ir morar sozinho daqui a dois ou três anos.

Essa fuga a longo prazo envolve trajetos que ninguém pode te resgatar de carro e nem a policia pode te escoltar pra casa. Daqui sete anos, eu provavelmente estarei fugindo do futuro acomodado, estagnado aqui no conforto da minha casa, na frente da minha TV, o lugar mais perigoso que a vida tem a me oferecer.

É tarde da noite já. Outra semana começou. É melhor eu ir dormir.

Volto a falar disso depois.


Até amanhã.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.