Dia 475: Meu estúdio

Eu estou sentado no meu estúdio nesse exato momento. Demorou um tempo considerável até que eu pudesse permanecer nele, trazer meu computador e escrever como eu estou fazendo agora. Gastei boa parte do meu dinheiro para construí-lo e não sei ainda se nas próximas semanas vou me arrepender de ter feito isso.

Acredito que ter um espaço próprio para que eu possa ficar longe de qualquer distrição na hora de produzir algo fará toda a diferença para mim. Eu sempre tive problema com silêncio e ser a pessoa mais distraída do mundo nunca ajudou também. Não consigo fazer nada com a TV ligada na minha frente, muito menos com outras pessoas passando de um lado ao outro e consequentemente falando comigo.

Sim, eu sou fresco, mas senti que eu precisava de espaço e aqui estou.

Além de toda essa necessidade técnica que eu inventei na minha cabeça, o estúdio é uma das minhas realizações em 2017 — como eu descrevi no texto de ontem. Poder construir algo com meu próprio dinheiro assumindo a responsabilidade não somente de contratar os profissionais para realizar as coisas da forma como eu tinha pensado, mas como também de ter correr atrás de preços e fazer planejamento do que era mais vantajoso e o que devia ficar de fora.

Muita coisa ficou de fora, inclusive. Meu novo computador e todos os seus apetrechos é um desses itens. Todo o dinheiro que me resta agora é budget para sobreviver e para pagar a faculdade.

De qualquer forma, lugar para trabalhar eu tenho. Meu macbook antigo renasceu das cinzas e até o momento está me tolerando e permitindo que eu escreva e edite textos nele, o que considero ser o suficiente.

A real é que eu sou uma pessoa de sorte. Tenho meus dramas pessoais, minhas dificuldades, mas não posso nem pensar em me comparar com pessoas que muitas das vezes não tem nem acesso à internet. Isso me entristece por um lado — aquele complexo de ter um privilégio que deveria ser de todos — , mas por outro me motiva — afinal, se essas são as ferramentas que eu tenho, por que não usa-las?

Projetos estão acontecendo, como eu falei ontem. Se eles verão o nascer do sol de uma nova fase além da concepção, eu não sei dizer. Mas tentar é algo que eu nunca deixo de fazer.


Até amanhã.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.