Morning Sun, Edward Hopper

Um Sentimento #1 — Aquela solidão matinal

Quem te acompanha quando acorda sozinho

Abro os olhos assustado com o alarme estridente. Mal enxergo, mas já suspiro o fim do dia. Rolo pela cama, mas o lado frio me assusta. Me embolo na coberta e alcanço o telefone.

O brilho da tela machuca, mas guarda a esperança da presença. As poucas mensagens confortam, as fotos me trazem para a realidade, mas falta calor.

Não há motivos para fechar a porta do banheiro. Tampouco há motivos para deixá-la aberta.

Tudo meio tanto faz.

O copo toca a pia, o garfo bate no prato. O barulho interrompe a mente que busca conforto nos pensamentos.

A rotina segue meio apática, na marcha de quem faz porque tem que fazer. A vontade era voltar para cama, abraçar o travesseiro, respirar fundo e fechar os olhos.

Meu desejo agora era o abraço do sono.

Pego minhas chaves, guardo a carteira e saio pela porta. A solidão se despede, mas só até apagar as luzes no fim do dia.


Se gostou do texto, lembre-se de não economizar no Clap e apoiar meu trabalho. É rapidinho e me ajuda bastante. Se quiser continuar acompanhando meu trabalho, siga minha página e curta a publicação Um Sentimento.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Alberto Brandão’s story.