Caravaggio, The Betrayal of Christ

Aquele amigo tóxico — Um Sentimento #10

Quando a amizade tem seus efeitos colaterais

Faz um tempo que ando meio mal, meio pessimista e sem vontade de tentar coisas novas.

É tão estranho, eu não era assim.

Semana passada a Talita até comentou, disse que eu costumava ser mais animada. Você tinha mais vida nos olhos. Foi como ela disse.

Na hora achei que estava exagerando.

Sempre fui de sonhar, passar o tempo bolando planos para minha vida. Pensar no lado bom das coisas nunca foi uma dificuldade, mas agora parece que nada de bom nunca mais vai acontecer. Não sei onde foi que mudou. Me sinto fracassada.

Às vezes até tenho vontade de fazer algo de novo, mas depois parece que é perda de tempo.

Sei que é estranho ficar falando disso pra você, Pedro, mas não tenho muita gente para conversar. Você me entende?

— Claro, entendo sim.

Por exemplo, eu estava pensando em fazer gastronomia, talvez me desse um ânimo. Gosto de cozinhar, seria uma boa oportunidade.

— Mas você sabe que gostar de cozinhar não é suficiente, né? E acho que você não leva jeito. Pensa em qualquer outra coisa, mas gastronomia não.

Ah, eu poderia fazer algo que eu faço bem, igual fotografia.

— Você acha mesmo? Até eu tiro foto melhor que você, não viaja. Além do mais, como você vai pagar uma faculdade a essa altura do campeonato? Você sabe né, nunca passaria numa pública sem cursinho.

É, tem razão. Talvez essa seja minha vida mesmo, melhor aceitar. Ainda bem que tenho você pra conversar.

— Não esquenta, amigos são pra essas coisas. As suas amigas é que ficam enchendo sua cabeça com bobagem. Amigo mesmo é aquele que fala a verdade, doa a quem doer.

Obrigada, amigo. O que seria de mim sem você?


Se gostou do texto, lembre-se de dar aqueles 50 claps clicando nas palminhas e apoiar meu trabalho. É rapidinho e me ajuda bastante. Se quiser continuar acompanhando meu trabalho, siga minha página e curta a publicação Um Sentimento.