Caravaggio, The calling of Saint Matthew

Aquela reunião que nunca acaba — Um Sentimento #4

Quando todo mundo trabalha, mas nada acontece

Faz 23 minutos que estou sentado vendo o Carlos mexer no celular. Zerei minha timeline do Instagram, respondi mensagens no Whatsapp e li as manchetes do G1.

A mesma reunião acontece toda semana, mas até agora só chegamos os dois. Ah, chegou a Chris. Aposto que ela vai começar a falar do carro novo. Gasto grande parte da reunião me questionando se não poderíamos resolver esses assuntos por email.

Vocês sabiam que BMW não tem estepe? A Chris acabou de contar.

Agora somos sete, está todo mundo aqui. o Jorge, responsável pela reunião, já até ligou o computador na televisão, mas estão discutindo o aumento da gasolina.

Acho que alguém que entra sorrindo numa sala de reuniões, não pode ser uma boa pessoa. O pessoal gosta de reunião porque é um jeito de parecer produtivo sem trabalhar de verdade.

Conseguimos avançar por uns 15 minutos, mas o Mário interrompeu para mostrar um vídeo que recebeu num grupo do Whatsapp. Agora já era, certeza que vamos atropelar a hora do almoço.

Jorge vai pedir pizza. Sabia.

— A gente tem que sair do outro lado.

— É, vamos pra cima.

— Tem que pensar fora da caixa.

— Vocês viram? Tem promoção de cerveja no mercado.


Se gostou do texto, lembre-se de dar aqueles 50 claps clicando nas palminhas e apoiar meu trabalho. É rapidinho e me ajuda bastante. Se quiser continuar acompanhando meu trabalho, siga minha página e curta a publicação Um Sentimento.

Like what you read? Give Alberto Brandão a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.