SE A VIDA TE DER LIMÕES… FAÇA UMA RETROSPECTIVA E, DEPOIS, UM BOLO

Na minha família, quando nos reunimos, sempre é em volta de uma mesa de comida. Os almoços de domingo que fecham com chave de ouro os fins de semana que passamos em São Paulo, por exemplo, costumam ser na casa da minha tia — que compartilha comigo um gosto por sobremesas exóticas, jazz e utensílios de cozinha em forma de bichos. Nós sempre caprichamos: quase todos se atrevem a colocar um dedinho na cozinha, o que resulta nos mais variados quitutes e um monte de coisas na pia pra lavar depois.

Em um destes fins de semana, chegamos na sexta à noite e sábado de manhã foi dia de passear no Mercadão para comprar a matéria-prima do almoço de domingo. Me divirto vendo meus pais e minha tia sorvendo ostras na banquinha que serve chopp gelado e petiscos. Enquanto isso, eu e a minha irmã comemos pão sírio e homus fresco, comprados na banca de produtos árabes. O cheirinho de conservas e de vários temperos misturados é como uma música instrumental que toca acompanhando o coro dos barulhos ao redor e das luzes que atravessam os vitrais. Peixe e legumes comprados, seguimos pra casa para planejar o menu do dia seguinte.

Se recebemos parentes ou amigos em casa para comer costumo usá-los de cobaias para testar receitas que coleciono nos favoritos da internet, mas que nunca tive coragem de fazer. Este fim de semana, quem veio nos visitar foi a tia de São Paulo. Me inspirei a fazer um bolo de limão-siciliano com sementes de papoula, as quais encontrei por acaso em um tour pela ala de temperos do mercado e que me trouxeram um flashback de quando eu era pequena. Era muito especial pra mim abrir a lancheira na escola e encontrar sanduíches feitos com pãezinhos fofos salpicados com estas sementinhas pequeninas e azuladas vindos de uma padaria famosa na cidade em que nasci. Eram mimos delicados do padeiro (e da minha mãe também).

Mas, voltando ao bolo.

Comprei três limões-sicilianos e, quando cheguei em casa, não consegui parar de cheirar sua casca deliciosamente aromática. Senti como se fosse um pequeno luxo ao qual eu tinha me permitido, já que aqui no Brasil eles são mais caros que os limões-tahiti que tanto usamos. Porém, sou da filosofia da qual a minha tia também é adepta: gastar com ingredientes bons sempre recompensa.

Usei a casca e um pouco do suco dos limões na massa e misturei as sementes de papoula no final. Finalmente, coloquei o bolo para assar e resolvi ir organizar um armário que estava precisando de uma boa arrumação. Grande erro, me empolguei tanto que esqueci do que estava assando.

Minha irmã desligou o forno e veio me avisar, mas o bolo já estava marrom-escuro. Tirei a casca dura e queimada e, no fim, o bolo até que ficou bom, o que rendeu uma classificação de “razoável” da minha tia.

Apesar de ficar triste porque meu bolo não ficou como a foto da receita, o fim de semana que passei na companhia da minha família me fez esquecer isso bem rápido.

E agora tenho só um limão-siciliano na geladeira… acho que vou usar em uns muffins que vou fazer pro café da tarde. Quem sabe? As possibilidades são infinitas!

E aqui vai a receita pra quem quiser se aventurar e tentar fazer esse bolo!

Bolo de limão-siciliano com sementes de papoula

(receita do blog Cupcakeando, adaptada)

Ingredientes

  • 1 xícara de açúcar
  • raspas de 2 limões sicilianos
  • 3 ovos (ou “ovos” de linhaça/chia)
  • 1/2 colher de chá de extrato de baunilha
  • 1/2 xícara de buttermilk* (ou leite de coco cremoso)
  • 3 colheres de sopa de suco de limão siciliano
  • 1 3/4 xícaras de farinha
  • 1 1/2 colheres de chá de fermento
  • 1/4 de colher de chá de bicarbonato de sódio
  • 1 pitada de sal
  • 1/2 xícara de manteiga, derretida (ou óleo de coco)
  • 2 colheres de sopa de sementes de papoula (opcional)
  • *Buttermilk, o leitelho, pode ser imitado colocando 1 colher de sopa de vinagre ou suco de limão tahiti em uma xícara (200ml) de leite integral. Se estiver fazendo uma versão vegana, substitua por leite de coco cremoso.

1 — Ligue seu forno em 180˚C e unte uma fôrma de 22 cm ou uma fôrma de cupcakes com manteiga e farinha. Coloque ela na geladeira enquanto prepara a massa.

2 — Em uma tigela, misture o açúcar e as raspas. Se puder, deixe para raspar o limão agora, em cima do açúcar, para manter o máximo dos óleos da casca. Também não raspe a parte branca, apenas a amarela. Misture bastante até que o açúcar pareça areia molhada.

3 — Adicione os ovos levemente batidos e o extrato de baunilha e mexa com uma espátula. Reserve.

4 — Em uma tigela, misture o buttermilk e o suco de limão. Em outra tigela, peneire a farinha, o fermento, o bicarbonato e o sal, juntos.

5 — Alterne a adição dos ingredientes secos e líquidos ao açúcar e ovos, mexendo com uma espátula somente até incorporar tudo. Por último, acrescente as sementes de papoula e a manteiga derretida. Misture bem, mas sem exagerar, ou seu bolo vai solar.

6 — Coloque a massa na fôrma recém-removida da geladeira. Dê umas batidinhas na mesa para remover algumas bolhas de ar e leve para assar por cerca de 40 minutos, ou até que um palito inserido no centro do bolo saia limpo. Cheque constantemente e gire a fôrma depois de passar da metade do tempo, para assar tudo por igual, e não deixe de tirar do forno na hora certa pra não comer bolo queimado como eu.

Isabella tem 19 anos de idade e conta muitos de aventuras na cozinha de casa com a família. Ela escreve ocasionalmente quando consegue aquietar a cabeça e se concentrar, inspirada por Debussy, figuras de faróis no mar e muitas xícaras de chá Earl Grey. Quando não está lendo livros para a faculdade de Direito, passa o tempo lendo mais livros, assistindo documentários e praticando clarinete.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.