Admito: estou apaixonado por Fernando Haddad

É isso ou estou maluco. Se bem que a paixão está bem pertinho da loucura, então dá na mesma.

O negócio é que nos últimos meses tenho elogiado bastante o prefeito de São Paulo e, por isso, venho sendo rotulado de tudo quanto é coisa. Há algumas horas mesmo um amigo disse que daqui a pouco estarei entregando santinho do Fernando Haddad, minha família me chama de petista, outros de esquerdista, mas não duvido que a ofensa clássica — “comunista” — perambule pela cabeça de uns e outros.

Não, meus amigos, só pode ser paixão. Pois, sabe… paixão cega, e só um cego pra gostar do que vem sendo feito pelo senhor Malddad com São Paulo.

  • Tentou a todo custo fazer bairros com mais estrutura pagarem imposto mais alto, enquanto os menos favorecidos desembolsariam menos.
  • Teve aquela história de humanizar o combate ao crack no centro de São Paulo ao invés de combater o usuário, que é a postura preferida do paulista(no). Lembra? Este relato aqui dá uma ideia de como andam as coisas pela temida Cracolândia:
Captura de Tela 2014-09-02 às 22.20.48
  • Também foram criados corredores e faixas exclusivas de ônibus e os táxis, que costumam carregar um, dois passageiros, foram proibidos de circular por ali.
  • Além disso veio a ideia mirabolante de instalar rotas de bicicleta por São Paulo. Enquanto escrevo são “115,99km de ciclovias, 3,3km de ciclofaixas em Moema, 4,5km de calçadas compartilhadas no centro da cidade e 67,5km de ciclorrotas” — não confie nesses dados, como os números sobem dia a dia, o melhor é acompanhar este mapa:
  • Aprovou o tal Plano Diretor que, entre um artigo e outro, impede que as construtoras coordenem o crescimento da cidade por pelo menos 16 anos, determina a desativação do Minhocão etc.
  • Recentemente foi anunciado ainda que o pessoal do Haddad quer criar um mecanismo de denúncia contra policiais, civis ou militares, que praticarem abusos contra a população. E olha que a PM é coisa do Governo do Estado, não da Prefeitura.
  • Outra? Começou a modernizar a frota de ônibus, aumentando os que circulam pelos corredores, instalando câmeras, ar-condicionado e internet via Wi-Fi nos veículos.

Entende? Só um apaixonado pode ver qualidades no que este senhor petralha vem aprontando na Locomotiva da Nação. As pessoas insistem em me considerar um cego apaixonado, então devo assumir isso de uma vez, ora. Porque não é possível elogiar ações isoladas sem sentir afeto por quem as tomou, certo? Gostei da ciclovia? Aquela ciclovia vermelho-PT? É óbvio que vou votar em todos os candidatos do partido sem pestanejar.

E mais: se o Fernandinho fizer alguma coisa errada eu sou capaz de apostar que alguém vai me mandar um “tá vendo seu prefeito?”. Isso também acontecerá quando o aumento na passagem de ônibus vier, porque ele virá: “Vai lá, defende ele agora…”

Provavelmente é isso que eu vou fazer, mesmo, vou defender o cara. Paixão é assim, não é? A gente não pensa, só faz.