“Vem cá fazer pra gente o que você faz de melhor, só que de graça, tá?”

(BlogSpot)

Afinal, pra quê remunerar algo como a arte?

Não nos leve a mal. É que, convenhamos, é incerto você trazer “valor” pra gente ou não. Então, não podemos gastar um montante contigo sem saber bem o que você vai nos dar em troca.

Mas, pense bem, olha a projeção que você pode ganhar com isso! Nesse contrato, diz que poderemos comercializar o que você faz de melhor mesmo que não seja em seu nome e mesmo que você não queira, mas que coisa hoje em dia pertence ao artista, não é mesmo?

Ignore esses vocábulos jurídicos. Aqui, diz que você não poderá acionar a gente e, bem, fica até parecendo que você está vendendo sua alma para nós e que iremos lucrar com isso, mas não seja assim tão paranoico!

Nós temos essa MISSÃO SOCIAL de levar o que é bom para o público! Se ganharmos um dinheirinho com isso, consequência da bondade das pessoas, né? Você só não pode fazer parte dos lucros, porque, como dissemos, você não é um ativo financeiro muito seguro.

Afinal, quem que consegue se manter com a arte hoje em dia, não é mesmo? Pode olhar por aí, tanto cantor que tem que fazer bico de caixa de supermercado. Tanto escritor que tem que fazer roteiro de comercial de margarina. Por acaso, você é tão especial assim para se destacar dos demais?

Convenhamos, você não é nenhuma Clarice Lispector. Olha essa carinha que nem “comercial” é. Não atrai clientela alguma. Acho que seria bom até você usar um pseudônimo. Por que ganhar com isso? Sua escrita fica até mais verdadeira se você não pensar em lucro.

E daí que pagavam, digamos, 5 sicles para Shakespeare escrever seus teatros? Ninguém daquela época está vivo pra confirmar, né mesmo?

Então, deixa disso! Deixa de marra! Venha dar o que tem de melhor pra gente e, prometemos, você não verá um centavo do que iremos ganhar com isso, mas que tal a gente dizer que você faz parte desse grande time de pessoas que querem mudar o mundo? É lindo; é poético. É tudo que você sempre quis.


☛ Curtiu? Clica no abaixo!

☛ Quer dar seu pitaco? Deixe seu comentário na parte “Write a Response”!

☛ Você também pode ler:

Quer ficar sabendo quando surgir meus próximos textos? Curta a minha página no Facebook Poucas Palavras Agridoces e inscreva seu e-mail na minha Newsletter: