MEL MASONI: Idealizadora do Projeto Pérolas

João Campos e Thiago Toney

Conversamos com Mel Masoni, 36 anos, fotógrafa e idealizadora do Projeto Pérolas, uma iniciativa de apoio às mulheres diagnosticadas com Câncer de Mama. Em entrevista, ela conta sobre o início do projeto, dos ensaios fotográficos realizados e a sua importância da autoestima para as mulheres.

· Como foi criado o Projeto Pérolas?

O Projeto Pérolas foi criado no final de 2013. Na época, eu tinha uma empresa de ensaios sensuais para pessoas comuns e foi através dela que conheci uma mulher que havia sido diagnosticada com câncer. Ela queria fazer um ensaio para se sentir bem novamente, em relação a sua autoimagem e, através do relato dela, me sensibilizei e quis conhecer mais sobre as mulheres que lutavam contra o câncer.
Nessa mesma época, eu fazia, por conta própria, um estudo sobre a autoestima nas mulheres. Tendo percebido que a autoestima feminina ainda é muito aquém do que deveria ser, quis entender como era essa questão para mulheres que haviam tido sua imagem modificada forçadamente. Então conversei com amigos fotógrafos e maquiadores a fim de fazermos ensaios com essas mulheres, para mostrar para elas que eram bonitas e que tudo está na forma como a gente se olha.
Acredito que a fotografia tem esse poder, de fazer com que a gente se veja com o olhar do outro, ou seja, de uma forma nova, diferente da forma que estamos acostumadas a nos ver no espelho de casa, diariamente. Por isso o meio para ajudá-las no resgate de sua autoestima foi a fotografia.
Eu sabia, baseado em estudos e na minha experiência profissional e pessoal com mulheres, que seria uma forma efetiva de contribuir para que elas se sentissem bem em seus corpos novamente, ou até mesmo pela primeira vez, mas não fazia ideia da profundidade que isso teria.
Hoje eu tenho certeza de que o Projeto Pérolas é incrível no sentido de resgate da autoestima e até mesmo de mudança efetiva na vida de muitas mulheres, de forma geral. Semanalmente recebemos depoimentos emocionantes sobre essas mudanças, através do Facebook, do e-mail, pessoalmente ou por whatsapp.
Então, pra mim, é uma honra muito grande poder contribuir para o empoderamento dessas mulheres porque sei que não é apenas um ensaio fotográfico que vai mexer com o ego delas, mas sim um ensaio fotográfico que vai mexer com o psicológico delas, trazendo alegria, bem estar e confiança nelas mesmas.

· Como funciona o Projeto Pérolas?

As mulheres diagnosticadas com câncer nos procuram. Elas vem através de amigas ou conhecidas que já participaram de ensaios, através de indicação de médicos ou de alguma publicação que viram nas redes sociais. Quando elas chegam até a gente, é porque realmente precisam de ajuda emocional, especificamente na parte da autoestima.
Eu conheço todas as moças através de e-mail e whatsapp e as coloco em um grupo, formado por moças que já participaram de ensaios anteriores. Há uma grande interação e, no dia do ensaio, elas já se conhecem e ficam muito à vontade.
Nós fazemos parcerias com locações — hotels, hostels, casas de eventos — para a realização desses encontros e, em cada encontro, há a participação de 9 voluntários (1 professora de expressão corporal, que é sempre a Jhiovana Durãn, 2 maquiadoras, 2 fotógrafas, 2 vídeo makers, a produtora e idealizadora do projeto, que sou eu, uma assistente de produção) e de 5 a 8 modelos.
Os ensaios começam com uma preparação de expressão corporal, depois elas são maquiadas, produzidas, fotografadas e seus depoimentos são gravados em vídeo. Com as fotos devidamente autorizadas pelas modelos, nós realizamos exposições fotográficas. É uma forma de divulgarmos o trabalho dos voluntários.

Veja os depoimentos em vídeos no canal do Youtube.

· Como foi a escolha do tema?

Eu não escolhi, mas fui escolhida por ele. Acredito que todos vibramos em determinada sintonia, e ela é mutável. Então atraímos coisas e pessoas que estão vibrando na mesma sintonia. Assim que as coisas acontecem, os encontros inesperados, os relacionamentos, bons e ruins, as coisas surpreendentes da vida. Tudo se encaixa e nós fazemos parte dessa dança.

· Como foram os processos das fotografias?

Quando começamos, fazíamos ensaios individuais. Em 2014 e até meados de 2015 foi feito dessa maneira, até que o número de mulheres querendo participar cresceu muito. Então percebi que o melhor seria promover encontros, com várias mulheres e uma equipe maior, num só dia.

· Como você acredita que esse trabalho ajuda as pessoas em relação a discussão sobre o Câncer de Mama?

Acredito que, por ser um trabalho maravilhoso, de troca de afetos, não só as mulheres são beneficiadas, mas todos os envolvidos. Todos aprendemos umas com as outras, através dessa troca de experiências. Não é apenas um dia de diva, que fará bem ao ego delas, mas sim uma mudança efetiva na vida delas. Elas passam a se enxergar de uma nova maneira, com carinho, com amor, e reconhecem sua beleza.
Quando comecei a pesquisar sobre o assunto, em 2013, notei que havia uma concentração muito grande de energia na questão do tratamento médico — remédios, quimioterapia, radioterapia, cirurgias — e pouco, muito pouco era feito em relação à ajuda emocional às mulheres que estavam passando por esse processo de tratamento. Claro que o corpo deve ser cuidado e tratado sim, mas não se pode negligenciar que o ser humano não é apenas corpo, que é um ser complexo, que sente, e sente muito.
A autoestima é importante para o ser humano e essencial para as mulheres em tratamento. É a autoestima que determina a maneira como elas irão se relacionar com si mesmas e com o mundo, com esse novo mundo que se apresenta, como encaram os desafios da rotina diária e se protegem ou se expõem em situações que exigem controle emocional. É necessário que sejam criados cada vez mais projetos e ações que proporcionem isso.

Para continuar a realizar os ensaios, foi criado uma campanha onde as pessoas podem contribuir mensalmente com a ideia. O Pérolas possui despesas com transporte e alimentação dos voluntários, para realizar os ensaios.

Tem interesse em ajudar o projeto?https://recorrente.benfeitoria.com/guerreiras-empoderadas

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Thiago Corrêa’s story.