Meu amigo refugiado

O Brasil tem de mais de oito mil refugiados reconhecidos e outros 28 mil que ainda estão aguardando reconhecimento. E uma das principais dificuldades que esses estrangeiros enfrentam é a de integração na sociedade, sem mencionar o preconceito.

“Eu preciso sempre explicar mais sobre muçulmanos, sobre o Islã. Eu não sou como o Estado Islâmico, eu sou diferente, somos diferentes” — explica Muna Darweesh, que fugiu de Damasco, na Síria, junto com o marido e quatro filhos, e atualmente mora em São Paulo.

Opinião semelhante à de Anjila, que tem apenas 17 anos e também precisou fugir da guerra na Síria.

“Sinto que algumas pessoas têm medo da gente porque só sabem o que veem na televisão. Não conhecem a gente de verdade” — diz a jovem, que está se acostumando com a nova escola e já fala bem o português.

Olhando para isso, a plataforma Migrafix convidou ambas para o projeto. Através do site, as famílias brasileiras poderão convidar um refugiado para participar do Natal na sua casa e vai mostrar os rostos e as histórias dessas pessoas.

A ideia é mostras quem são essas pessoas e conhecer um pouco mais sobre uma cultura diferente da nossa.


Originally published at Update or Die!.

Like what you read? Give Gustavo Giglio a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.