Para que serve a escola

photo by NeONBRAND

Todo mundo sabe que a escola serve para educar, mas o que exatamente? Não importa, o importante é que as crianças estejam na escola. Essa já é uma máxima tão poderosa quanto colocar bandidos nas cadeias, ninguém pensa se é a melhor das ideias, só querem trancar todo mundo e perder a chave.

Comparar crianças a criminosos pode soar um absurdo despropositado, mas é exatamente o que estamos fazendo, afinal, quantas pessoas se importam com o que acontece dentro de uma cadeia? E dentro de uma escola? A sociedade está apenas aliviada por se livrar de adolescentes e criminosos, com a esperança de que o primeiro não se torne o segundo.

Todo mundo sabe que a cadeia transforma batedores de carteira em assassinos e sequestradores. É o resultado quase inevitável de um ambiente violento, onde para sobreviver é necessário perder a humanidade, viver em constante vigilância, e muitas vezes, se alistar como soldado de uma organização criminosa.

A escola pode ser uma versão menor deste modelo, com seus grupos de alunos violentos transformando a vida do restante em um drama parecido com o de uma prisão. Se você duvida, imagine por um minuto o que significa ser um adolescente gay em uma sociedade machista, onde de tempos em tempos alguém agride um professor ou põe fogo em uma sala de aula.

Nós tendemos a nos excluir dos problemas, mas escolas e prisões são apenas um reflexo da sociedade, com seus conflitos somados e multiplicados dentro de um contexto fechado por muros e grades. Não falo de assaltantes, assassinos e sequestradores, mas de famílias desestruturadas, jovens que são agredidos ou abusados pelos próprios familiares, mães solteiras que trabalham o dia todo e não tem tempo para os filhos. Na escola, tudo isso ainda é misturado com as frustrações comuns da juventude, seus hormônios e descobertas.

Por razões como essas que o objetivo da escola é, antes de mais nada, promover um ambiente adequado para que todos os jovens, de todas as origens e com os mais distintos históricos, se sintam seguros e respeitados. É um enorme desafio, já que justamente os alunos violentos são aqueles que mais precisam de ajuda e acompanhamento, pois eles provavelmente não estão recebendo isso em casa.

Toda a sociedade é responsável pela educação, e aos pais, a responsabilidade é dobrada. Não se trata apenas de frequentar as reuniões, mas de participar da educação, servir de exemplo e se envolver em atividades extra-curriculares.

Esperar boas notas em matemática ou literatura de alunos cujos próprios pais não controlam os gastos domésticos ou possuem livros, é depositar muita expectativa em crianças que terão de vencer um desafio maior do que o aprendizado: a falta de um modelo a seguir. A educação só é completa compartilhando o conhecimento.

Entender para que serve a escola é essencial para que a sociedade possa rejeitar propostas como o EAD (Educação a Distancia), que não desenvolve habilidades sociais e visa apenas reduzir os custos da Educação (apesar de ser um excelente complemento), ou a educação militar, que tira liberdades, até mesmo de pensamento. Não preciso dizer que ambas as propostas reduzem a socialização e o pensamento crítico, bases que fundamentam a educação moderna.

Eu já falei sobre a educação militar:

Detalhes fazem a diferença, como o documentário “Where to Invade Next”, de Michael Moore, demonstra. Nele são reveladas realidades distintas, como as escolas francesas.

Não faz sentido falar sobre os pratos gourmets servidos por chefs para alunos de países ricos, mas sobre outro ponto que chama muito a atenção: professores e alunos, de todas as classes sociais e origens, almoçando juntos.

A ideia é simples, transformando o momento da refeição, na lição mais importante. Sem pressa para voltar a sala de aula, crianças fortalecem valores de respeito mútuo, cooperação e diversidade, construindo vínculos com seus colegas e professores.

Ensinar as crianças a repartir a sobremesa, é para isso que serve a escola.