A Virtude dos Idiotas

Virtude não se mostra. Virtude se demonstra.

Paulo Silveira
Nov 13, 2018 · 4 min read
Stańczyk por Jan Matejko

Certa vez, Nicholas Taleb, um líbano-americano e profissional do mercado financeiro, conversava com Susan Sontag, escritora e ativista americana. Ao tomar conhecimento da área profissional de Nicholas, ela prontamente virou as costas e o deixou falando sozinho, não sem antes proclamar:

“Sou contra o sistema de mercado!”

Alguns anos depois da morte da ativista, seu obituário foi encontrado por Nicholas. Nele, a imensa ganância de Susan era exposta. Conflitos com editores, por causa de adiantamentos. Sua casa, uma mansão em Nova York, vendida por 28 milhões de dólares. Ela poderia até ser contrária ao sistema de mercado. Porém, não vivia numa comuna rural, não cultivava a própria comida, muito menos fazia escambo. Na verdade, vivia muito bem no sistema de mercado. Contudo, um profissional do mercado financeiro não era digno sequer de sua presença. O ponto é:


Aquilo que você é na vida pública e na vida privada

Esse ponto está muito presente nos dias atuais. Você pode e deve acreditar nas coisas. Contudo, se você não se importa com as implicações daquilo que acredite para o outro porque participa de um “grupinho especial” que te faz virtuoso. Sinto muito, você é imoral. Se você “luta pela causa dos pobres”, mas, não trata as pessoas comuns com respeito, não passa de um imoral. Se fica “papagaiando” sobre o privilégio de ser rico, branco e hétero, por que não paga os estudos de alguém das minorias na sua escola?


Você não é melhor que ninguém só porque aperta o 1 e o 3 antes do “Confirma”. Fonte.
Não ser corrupto é obrigação. Panfletar isso como virtude é autopropaganda barata. Fonte.

Virtudes rentáveis

Num hotel, não é difícil encontrar uma placa no banheiro com os dizeres “proteja o meio ambiente”. O objetivo disso é fazer você gastar menos, sujar menos toalhas, assim, o hotel economiza um bom montante de dinheiro. Podem até se importar com o meio ambiente, mas, se importam mais com o próprio bolso. A suposta virtude não passa de autopropaganda. Essa reflexão é antiga, está na Bíblia:

Guardai-vos de fazer a vossa esmola diante dos homens, para serdes vistos por eles; aliás, não tereis galardão junto de vosso Pai, que está nos céus.
Quando, pois, deres esmola, não faças tocar trombeta diante de ti, como fazem os hipócritas nas sinagogas e nas ruas, para serem glorificados pelos homens. Em verdade vos digo que já receberam o seu galardão.
Mas, quando tu deres esmola, não saiba a tua mão esquerda o que faz a tua direita;
Para que a tua esmola seja dada em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, ele mesmo te recompensará publicamente.


Alguns acharão que a reflexão vinda da Bíblia enfraquece o argumento do trecho acima. Créditos na imagem.

As verdadeiras virtudes

Virtude é ser bom com aqueles negligenciados pelos outros, nos casos menos óbvios ou até mesmo impopulares.

É ajudar aqueles esquecidos pelas grandes instituições de caridade.

É abrir um negócio. Talvez ficar rico, gastar seu dinheiro sendo generoso com o outro.

Não fale, faça.

Não admita ganho sem esforço.

Assuma riscos, “coloque o seu na reta.”



Inspirado em The Merchandising of Virtue, texto de Nassim N. Taleb.

Vinte&Um

Política, economia, sociedade, cultura e sexo sob a ótica do século XXI. A contemporaneidade exige uma visão moderna sobre os tópicos que movem a sociedade.

Paulo Silveira

Written by

Terraço Econômico | Economics & Technology

Vinte&Um

Vinte&Um

Política, economia, sociedade, cultura e sexo sob a ótica do século XXI. A contemporaneidade exige uma visão moderna sobre os tópicos que movem a sociedade.

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade