Práná o que? :) A arte de respirar com plenitude!

Para entender o que é PRÁNÁYÁMA, primeiro é preciso conceituar PRANA.

É a energia que existe em todo o Universo. É o princípio da vida, a energia primordial que assume todas as formas. Tudo no mundo é Prana: o alimento, o ar, o fogo, a água e a terra. É a energia que coordena as moléculas, células e átomos físicos, e os reúne num organismo definido, único e complexo.

Sem prana não existiria nada que se movesse ou tivesse vida, porque tudo que conhecemos no mundo manifesto é expansão dessa energia.

Etimologicamente, a palavra sânscrita pránáyáma significa domínio sobre o prana. É a captação e expansão do prana através de exercícios respiratórios,
visando o controle, ritmo, pausas e retenções. É a parte do Yoga que trata das energias físicas e psíquicas mediante a regulação do movimento respiratório. É uma técnica que permite ao aparelho respiratório mover-se intencional e ritmicamente.

Para a ciência Yogui, a respiração é muito mais do que um fato fisiológico. É também psicológico e prânico. Em virtude de fazer parte dos três planos — fisiológico, psíquico e prânico — , a respiração é um dos atos mais importantes de nossa vida.

RESPIRAR INTEGRALMENTE É VIVER EM PLENITUDE!

Os benefícios de praticar as técnicas de pránáyáma são:

  1. Amplia a capacidade pulmonar e purifica os pulmões;
  2. Aumenta o fluxo sanguíneo;
  3. Tonifica o sistema nervoso e o cérebro;
  4. Fortifica os músculos abdominais, torácicos, respiratórios e cardíacos;
  5. Equilibra o sistema hormonal;
  6. Aumenta a concentração;
  7. Melhora o desempenho físico e intelectual;
  8. Gera atividade mental e psíquica controlada;
  9. Desenvolve a consciência superior.
  10. AND muito mais!!!

Para saber se sua respiração é realizada corretamente e consequentemente você absorve a energia necessária para seu organismo, verifique se o seu ato de respirar possui essas características:

  1. Profunda: é ampla. Utiliza toda a capacidade pulmonar;
  2. Completa: utiliza as três fases da respiração;
  3. Consciente: Está no PRESENTE, concentrado, observando sensações e efeitos;
  4. Ritmada: mantém um ritmo cadenciado;
  5. Uniforme: Gradual e constante, sem força excessiva;
  6. Lenta: deve ser o mais lenta e pausada o possível;
  7. Silenciosa: sem ruídos ou barulhos;
  8. Nasal: priorizar o nariz como órgão da respiração;
  9. Com o mínimo de projeção de ar: o ar deve ser imperceptível a dois palmos do nariz.

Vale ressaltar que a prática do Yoga trabalha profundamente as técnicas respiratórias para equilíbrio energético.

E então? :) Como está sua respiração?

No início de 2016, eu ministrei um workshop chamado “Respire — Equilíbrio emocional através de técnicas de respiração” e criei um material com 13 técnicas respiratórias. Para fazer o download só clicar AQUI.

Aqui embaixo vai um pedacinho do e-book!