Guideline de Acessibilidade baseada na WCAG 2.0

Elaborando uma lista de 33 "heurísticas" para desenvolvimento e avaliação das interfaces e sistemas do portal VivaReal

Diana Fournier
· 4 min read

Quando o time de Research & Usability do VivaReal começou o Estudo de Acessibilidade, tínhamos outras pesquisas sendo realizadas em paralelo. Entretanto, tal estudo tomou maior proporção e importância quando alguns projetos de re-design estavam em andamento e precisavam ter o mínimo de acessibilidade para web.

Como base do estudo, consideramos a WCAG 2.o (Web Content Acessibility Guidelines) de 2008. A WCAG é uma série de recomendações desenvolvidas pela W3C (World Wide Web Consortium — principal organização de padronização da World Wide Web) com a finalidade de tornar o conteúdo web mais acessível. Seguindo essa guideline, o site/app/sistema se torna mais acessível para um amplo grupo de pessoas com deficiências, incluindo aqueles com cegueira e baixa visão, surdez e baixa audição, dificuldades de aprendizagem, limitações cognitivas, limitações de movimentos, incapacidade de fala, fotossensibilidade e suas combinações.

Os princípios de acessibilidade + recomendações WCAG 2.0

A WCAG 2.0 é composta por quatro princípios:

PERCEPTÍVEL: A informação e os componentes da interface devem ser apresentados aos usuários de forma que eles possam percebê-los;

OPERÁVEL: os componentes da interface e a navegação devem permitir que seus usuários as operem;

COMPREENSÍVEL: a informação e a interface devem ser compreendidas pelos usuários;

ROBUSTO: o conteúdo precisa ser robusto o suficiente para ser interpretado de maneira concisa por diversos agentes do usuário, incluindo tecnologias assistivas.

Cada princípio possui algumas recomendações, totalizando 12 principais, como mostra a TABELA 1 abaixo:

TABELA 1: Os quatro princípios da acessibilidade e suas recomendações, conforme a WCAG 2.0.

Para cada recomendação, há uma série de recomendações secundárias que apontam como atender a principal e qual nível de conformidade você atinge ao atendê-la (se é A, AA ou AAA). No total são 61 normas compõe a parte normativa do documento WCAG.

Algumas dessas normas fogem do contexto de portal imobiliário e, ao iniciar a avaliação de acessibilidade do VivaReal, percebi que separar a avaliação pelos níveis de conformidade seria bem complicado.

Ao me deparar com isso, conversei com o mestre Jedi em Acessibilidade Web no Brasil, o Clécio Bachini — Cientista da Computação e que trabalha com desenvolvimento web desde 1997. Ele me passou os macetes de como fazer a avaliação e separar por tópicos a lista de recomendações que surgiria a partir desse levantamento.

Ao invés de separar por uma lista de recomendações nível A, depois uma lista de nível AA e assim por diante, o Clécio sugeriu dividir as recomendações em pilares palpáveis. Os pilares sugeridos foram:

EXPERIÊNCIA: Seria tudo aquilo referente a experiência do usuário, o UX de fato. Se encaixariam nesse tópico toda recomendação referente à interface, forma de uso e a otimização do mesmo.

CONTEÚDO: Tudo o que se refere ao conteúdo textual e visual que tem por objetivo passar uma informação.

TÉCNICO: Seriam todas as recomendações que afetam o código da página, HTML, etc.

Ao fazer essa "separação" por pilares, foi possível olhar novamente para a TABELA 1 e classificar as recomendações dentro de cada item, conforme a TABELA 2 abaixo:

TABELA 2: Classificando as recomendações WCAG 2.0 dentro dos pilares palpáveis da Acessibilidade.

A nova classificação das recomendações de acessibilidade

Após essa classificação, modificamos a forma como as recomendações eram enxergadas por nós. Voltamos para a lista da WCAG 2.0 e analisamos todas as 61 normas abaixo de cada item principal. Pudemos separar estes itens conforme nosso contexto — de portal imobiliário e serviço digital — e montar uma outra lista de heurísticas conforme os pilares de experiência, conteúdo e técnico. Com essa reformulação, conseguimos estruturar uma lista de 33 heurísticas de UX (TABELA 3) que será base para tornar o VivaReal um portal de conteúdo web acessível.

TABELA 3: A lista de 33 recomendações que devem ser seguidas para tornar o conteúdo web do portal VivaReal acessível.

Nesse primeiro momento, utilizamos essa lista para realizar a Avaliação de Acessibilidade no portal. Para isso, transformamos as afirmações em perguntas e respondemos o que atendemos ou não. Nesse processo, algumas heurísticas foram retiradas por não se encaixarem em nosso contexto. Por exemplo, atualmente não temos seções de vídeo, mas como recomendação futura a heurística "Deve ter legendas ou opção para isso em vídeos" permanece, caso um dia o portal venha a ter esse tipo de conteúdo.

Conforme a análise, constatamos que atendemos apenas 31% das recomendações de acessibilidade, sendo que:

  • De 16 heurísticas do pilar "Experiência", atendemos apenas 6;
  • De 7 heurísticas do pilar "Conteúdo", atendemos apenas 1;
  • De 6 heurísticas do pilar "Técnico", atendemos apenas 3.

Com a lista de recomendações em mãos, teremos base para tornar as interfaces de nosso portal mais acessíveis, além de utilizarmos como base para os "Design Principles" que o time de UX Specialist está elaborando e que será assunto para um próximo post. :)

Design Team Zap Viva Real

Canal do time de Design do Grupo Zap VivaReal www.vivareal.com.br

Diana Fournier

Written by

lead design researcher @escale, catlover, tattoed girl

Design Team Zap Viva Real

Canal do time de Design do Grupo Zap VivaReal www.vivareal.com.br

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade