Biografia de Poeta

Foto by Izabel da Rosa

A estranha que abrigo fala coisas sem sentido

e num monólogo infernal questiona as coisas que digo.

A mim só resta poetar.


Na muralha pétrea, intransponível

vaga um desejo, inquieta maresia

de liberar sílabas no espaço aberto

ou acobertar, na sombra, a dúbia poesia.


Sem nexo ou contorno

verso

s

o

l

t

o

jorrando no asfalto.

Jogo incoerente.

Palavras donas de si.


“A person reading a book with a magnifying glass and a pen in hand” by João Silas on Unsplash

Perdi um poema.

Que pena.

Que perda.

Perdão.

Se você gostou de um texto deixe seu aplauso clicando no ícone das mãozinhas em verde que estão no final do texto ou no lado esquerdo da página. Você pode aplaudir quantas vezes quiser. (eu vou adorar)

Para me seguir clique na palavra follow depois do meu nome na parte superior da página. Assim estaremos sempre perto.

Para ver todos os meus textos clique aqui