O Punho Solar e a Espada Congelada — Gustavo Erick (Review)

Por Danilo Pessôa

O capítulo inicial da história dos guerreiros Lyan e Meyrom promete muita ação e batalhas. Se gosta de livros movimentados, empunhe sua espada e confira o review de “O Punho Solar e a Espada Congelada”, do escritor Gustavo Erick.

“O Punho Solar e a Espada Congelada” é um livro de fantasia que já se apresenta com um enredo bastante movimentado. Ele conta a história de Lyan e Meyrom, aparentemente dois jovens e fortes guerreiros, que não negam uma batalha quando desafiados.

O clima viking está presente desde o início, se passando ele todo em uma taverna, com brigas, anões, goblins, magos e guerreiros no enredo. A inspiração em RPG de mesa é bem clara. Além disso, baseando-se pela sinopse, é possível verificar que, além das batalhas, o livro promete tratar também sobre uma disputa pelo trono do Reino de Meidror, de onde os personagens principais vieram.

O final do capítulo inicial amplia seus horizontes, com algo realmente diferente e fantástico acontecendo com a taberna.

Capa do livro O Punho Solar e a Espada Congelada

O que deve continuar

A temática do livro, com todo o clima e personagens clássicos da literatura fantástica, está seguindo de forma bastante fiel ao que os fãs do gênero esperam: batalhas, magia, criaturas mitológicas e muita ação. As lutas são bastante movimentadas e, ao mesmo tempo, leves. Os dois personagens principais parecem não se importar muito em criar um ambiente caótico, aproximando-se do que esperamos para uma história viking. O final do primeiro capítulo dá um gancho que atiça a curiosidade do leitor em continuar a leitura, uma grande qualidade num início de livro.

O que poderia mudar

Uma revisão no texto é importante. Além disso, cuidado com as longas sentenças sem ponto final. O uso excessivo de vírgulas no lugar do ponto final não dá ao leitor tempo para respirar. A leitura ficará mais fluida se a revisão for feita com esse olhar. As características físicas dos personagens podem ser mais diluídas ao longo do texto, ao invés de pausar a narrativa e apresentá-las todas ao leitor. A sinopse também precisa ser pensada com um cuidado maior: são muitos nomes, o que pode confundir o leitor.

Conclusão

Há um público bastante grande que se interessa em histórias fantásticas clássicas como essa, baseadas especialmente em RPG e mitologia nórdica. O livro tem um grande potencial, o escritor soube usar um gancho para atrair o leitor para o próximo capítulo. É uma obra que, com as devidas correções, e aliados a uma sinopse mais objetiva, será um belo cartão de visitas para que mais pessoas acompanhem a saga de Lyan e Meyrom.

Dica

A capa e o título parecem não dialogar com a sinopse. Para se colocar no título a respeito da “espada congelada”, espera-se que essa espada seja algo importante. Porém, ela ou o próprio “punho solar” não são citados na sinopse. Quando capa, título e sinopse conseguem dialogar entre si, o leitor tende a se interessar mais, já que as três coisas somadas são o cartão de visita da obra.

Este review, assim como todos os outros postados no WattReaders, se baseia na análise em primeira vista da história, que engloba: capa, sinopse, prefácio (quando disponível) e primeiro capítulo.