Discoteca Básica Sentimental #8

Editor da Zumbido
Feb 22, 2019 · 4 min read

Leonardo Lichote apresenta Lugar Comum, de João Donato

Image for post
Image for post
Capa de Lugar Comum, de João Donato, lançado em 1975 | Foto: Reprodução

João Donato era menino quando ouviu, às margens do Rio Acre, uma melodia assobiada por um homem que seguia o leito numa canoa. Nunca esqueceu aquelas notas. A partir delas, anos depois, ele comporia “Índio perdido”, que posteriormente ganhou versos de Gilberto Gil, tratando exatamente da transcendência que inspira quem está à beira d’água. Era “Lugar comum”: “Beira do mar/ Lugar comum/ Começo do caminhar/ Pra beira de outro lugar/ Beira do mar/ Todo mar é um/ Começo do caminhar/ Pra dentro do fundo azul”.

A canção abre e batiza o disco de 1975 de Donato. O disco que escolhi para esta seção — não sem dificuldade, frente aos milhares de recortes possíveis, aos milhares de discos que se entrelaçam na minha história, do mais íntimo ao mais universal. Mas quando “Lugar comum” (que bateu em mim aos 20 e poucos e não saiu mais) brotou como possibilidade, ele se afirmou com a força da obviedade, a clareza de síntese que sustenta a própria música de Donato — alguém que pode ser reconhecido ao tocar apenas uma nota no piano, como certa vez me disse seu parceiro Moacyr Luz.

Vejam só “Lugar comum”, a canção, por exemplo. Saber da história do homem no Rio Acre me afetou não por ela ter revelado sentidos ocultos da canção — mas, ao contrário, por ela corresponder a tudo que a canção projeta, por ser reconhecível nela. Noutras palavras, não faz diferença sabermos do rio, do menino, da canoa, porque quando ouvimos “Lugar comum” estão lá, nas notas de Donato e nos versos de Gil, o rio, o menino, a canoa.

O mergulho no rio, no menino, na canoa, vai ainda mais fundo. Lançada no espaço, pra beira de outro lugar, “Lugar comum”, o disco, é capaz de explicar um bom tanto dessa bola azul povoada de 7 bilhões de pessoas a um extraterrestre. O sumo. As cinco notas de “Contatos imediatos do terceiro grau” na vida real são de Donato.

Falar de um disco é quase sempre menos do que ouvir um disco — e isso fica mais evidente neste esforço verborrágico frente à precisão (novamente) de síntese de Donato. E mesmo do Gil parceiro de Donato — no caso desse disco, em oito canções. Compositor e pensador famoso por não economizar palavras, frente às notas de Donato o baiano é tropical-minimalista. “Tem, tem, tem/ Sempre tem/ Tem, tem, tem/ Jeito tem”, escreve ele sucinto, monossilábico, sobre o suingue cubano de “Tudo tem”. A faixa prepara o terreno pra outra dos dois, a funk-lisérgica “A bruxa de mentira”, reafirmando aquele menino da beira do rio flutuando entre a inocência infantil e estados alterados de consciência, em meio a imagens como “neném rapadoçura” e “esdrúxula figura”.

Image for post
Image for post
Rio Acre na década de 50 | Foto: Reprodução/Taruacá Notícias

Nessa altura do disco, você só quer sorrir menino e sentir no rosto a umidade da margem do Rio Acre. “Ê menina”, “Xangô é de baê” e “Emoriô” são o rio Atlântico, esse que liga África e Brasil — da ancestralidade mais funda de tambor às conquistas mais fundas dos arranjos da bossa nova instrumental, as duas suspensas num não-tempo, sem hierarquia de passado e futuro. “Bananeira” eu não sei, sei lá, sei não, isso é lá com você. A árvore da iniciação sexual dos meninos do mato, o fruto do Éden tropicalista, o ícone caricato do Brasil de Carmen Miranda — amarrados sob o chamado do corpo e da mente pra se soltar no meio daquela conversa de sopros, suingue mãe e pai de tudo.

Image for post
Image for post
João Donato nas arcos da Lapa na década de 70 | Foto: Reprodução/Superfly Records

Mantra com sorriso e com quadril, “Lugar comum”.

“Deixei recado” é despedida: “Falei do tempo/ Falei do fogo/ Falei da dor/ Agora calo/ Calço o chinelo/ Reparo a flor/ (…) Deixei recado/ Voltei cansado/ Vou descansar”. A agulha para. O streaming impertinente chama a próxima no automático porque o corre é louco, o fluxo é intenso, 2019. Mas no vinil ou no shuffle, terráqueo ou ET, nenhum ser se banha duas vezes no mesmo Rio Acre de Donato, começo do caminhar pra dentro do fundo azul.

Leonardo Lichote é jornalista. Como repórter e crítico musical do jornal O Globo desde 2001, entrevistou e assinou reportagens com grandes nomes da música popular brasileira, como Caetano Veloso, Milton Nascimento, Gilberto Gil, Gal Costa, Maria Bethânia, Djavan, João Bosco e Dona Ivone Lara. Assina o texto final do livro “Minha fama de mau” (Objetiva), com memórias de Erasmo Carlos. É autor dos textos críticos que acompanham a caixa de Chico Buarque “De todas as maneiras” (Universal), que contém os 22 primeiros discos do artista. Trabalha numa biografia de Elke Maravilha. Integra o júri do Prêmio da Música Brasileira e do Prêmio Multishow.

Zumbido

Publicação digital do Selo Sesc

Medium is an open platform where 170 million readers come to find insightful and dynamic thinking. Here, expert and undiscovered voices alike dive into the heart of any topic and bring new ideas to the surface. Learn more

Follow the writers, publications, and topics that matter to you, and you’ll see them on your homepage and in your inbox. Explore

If you have a story to tell, knowledge to share, or a perspective to offer — welcome home. It’s easy and free to post your thinking on any topic. Write on Medium

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store