Da Periferia ao Centro: tempo e qualidade de vida

Caroline Musskopf
Oct 20, 2017 · 6 min read

Centro de Porto Alegre, manhã de uma sexta-feira chuvosa. Nosso objetivo de retratar o trajeto de um bairro periférico até o centro tomou forma ao encerrarmos o nosso percurso próprio que teve início em Canoas, região metropolitana. A pauta não seria possível em nosso local de origem por se tratar de uma cidade na qual mesmo bairros afastados possuem serviços públicos básicos. Por esse motivo, durante o horário de pico da manhã, realizamos o caminho em sentido inverso primeiro, para depois acompanharmos propriamente o que deu nome a esta reportagem.

Para quem chega ao Viaduto Otávio Rocha às 6 horas, há quatro opções de ônibus para se dirigir ao terminal da Restinga Nova: M10, 210, 209 e o Rápida 10. O último, descobrimos, é rápido porque faz um número menor de paradas e, por isso, nos possibilitaria uma ida à Restinga sem maiores transtornos e um ambiente melhor para as filmagem e entrevistas da volta. Ao todo, as linhas que fazem o trajeto Restinga/Centro e Centro/Restinga, (incluindo Restinga Nova e Restinga Velha) em dias úteis, são 12, e fazem um total de 622 viagens, sendo 318 do bairro para o centro, e 304 do centro para o bairro.

Rota da linha R10 — Aplicativo Moovit.

Nós escolhemos o bairro pelas características históricas da Restinga, criada para receber populações pobres que habitavam o antigo bairro Ilhota, hoje conhecido como Cidade Baixa. Eram pessoas que o poder público queria que ficassem o mais afastadas do centro da cidade quanto fosse possível. Segundo o último censo do IBGE, a região da Restinga tem 4,31% da população do Município, com mais de 60 mil habitantes. A taxa de analfabetismo é de 4,03% e o rendimento médio por domicílio era de 2,10 salários mínimos (2010). Ao mesmo tempo, 38,5% da população da Restinga se identifica como negra e a região é, historicamente, um importante território negro para a cidade.

Logo no início do trajeto, conhecemos Letícia Ferreira, de 40 anos. O ônibus estava lotado e ela cansada. Precisava pagar algumas contas de lojas que ficam localizadas no centro. “Quando eu saio do bairro ao centro, acho bem tranquilo. Mas do centro ao bairro é sempre horrível.” Ela explica que, por ser dona de casa, normalmente consegue evitar os horários de pico. Mesmo assim, diz que já precisou esperar um segundo ônibus para conseguir ir para casa. O primeiro chegou depois de 20 minutos, mas veio lotado e não parou. As histórias sobre violência dentro do ônibus são corriqueiras, conta ainda Letícia. Ela confessa que sente medo, mas que não é um sentimento exclusivo de dentro do transporte público.

“A gente sente medo em qualquer situação, tanto fora do ônibus quanto dentro”. Letícia Ferreira, 40 anos.

“Entrou um menino de moletom e boné. Infelizmente, tu vai se sentir ameaçada, entendeu?” Emily Borges, 22 anos.

Presenciamos a dificuldade da linha Rápida 10 quando, em determinado momento, tivemos que descer e nos perdemos no caminho. Com o número menor de paradas, não é tão simples saber, dentro da Restinga, onde é possível subir novamente no ônibus. Ao conseguirmos chegar até o terminal Restinga Nova, vimos as ruas do entorno com muitos buracos e, com a chuva forte, não foi difícil se molhar mesmo embaixo da cobertura do terminal. Apesar disso, a organização do terminal parecia funcionar e, às 8:30h, tudo ocorria normalmente, sem grandes aglomerações de filas.

As pessoas com quem conversamos não conseguiram nos apontar possíveis soluções ou propostas para a diminuição do tempo perdido com o trajeto e o consequente aumento da qualidade de vida de quem precisa de serviços básicos que, muitas vezes, só são encontrados no centro. O percurso do terminal da Restinga Nova até o centro leva em torno de 1 hora e meia (no Rápida 10) e várias ruas do bairro são irregulares, mas o processo já está naturalizado como necessário. Entretanto, passamos a compreender que a Restinga, pelas mesmas características que a fez ser o bairro escolhido para a reportagem, é bastante autônoma se comparada à outros bairros periféricos de Porto Alegre.


A infraestrutura da Restinga divide opiniões

“Tem camelódromo, tem lotérica. A gente nem precisa do centro pra fazer as coisas. Tem tudo lá”, comenta Bruno dos Santos, 27 anos, estudante de administração. Ele mora na Restinga Nova há 4 anos e está indo ao centro para trabalhar e estudar.

Cristiane Machado fala algo parecido: “Por mim eu não sairia da Restinga pra fazer nada, tanto que eu conheço bem pouco Porto Alegre. Morar na Restinga é algo tão complexo que te deixa apaixonada pela comunidade”. Ela comenta a importância de incentivar a criação de espaços culturais locais e como a educação e a cultura são pontos de escape para as dificuldades enfrentadas pela juventude moradora da Restinga.

Por outro lado, a Associação de Moradores da Vila Restinga (Amovir) vê a região como um bairro dormitório e explica que é preciso ser realista para que seja possível exigir melhorias do poder público. A presidente da Associação, Nidia de Albuquerque, argumenta também que os ônibus que fazem os trajetos para bairros nobres, como o Auxiliadora, estão em condições muito melhores, com estofamento e ar condicionado funcionando. “Parece que o nosso dinheiro tem diferença”, desabafa.

“Nós estamos à deriva, porque a gente não tem conforto nenhum para se transportar. Andamos igual lata de sardinha e os preços são muito altos.” Presidente da Amovir, Nidia de Albuquerque.

Quando perguntamos à Associação de Moradores sobre possibilidades de solução para os principais problemas no transporte, eles apontaram: “Mais ônibus, mais horários intermediários, e também uma boa educação dos motoristas e cobradores. Uns cursos de aperfeiçoamento, com acompanhamento. A gente já tem o disque 156 para fazer denúncia, mas aquilo ali é uma coisa tão automatizada, tu faz e fica por isso mesmo, ninguém vê resultado”. Também falamos sobre a relação da Associação com a Prefeitura, que, segundo Nidia, enfraqueceu nos últimos tempos. “Nós tínhamos aqui a Comissão de Transporte. Agora, com a nova gestão da Prefeitura, não existe mais, porque ele [Marchezan Jr] é uma pessoa muito imediatista e não quer se reunir para discutir. Antes, o conselho ia até a EPTC com as nossas críticas e sugestões de encaminhamento. Agora não tem nenhum caminho para recorrer. Se a gente vai como pessoa física, não somos atendidos”, Nidia explica.

*Até o encerramento da reportagem (20/10/17), nem a EPTC nem a Secretaria Municipal de Urbanismo haviam respondido nossas dúvidas sobre as críticas divulgadas aqui.



produção: Caroline Musskopf, Mônica Chaves e Liliane Pazzini