Casa Andrade Muricy

Foto: Liliane Jochelavicius

A Casa Andrade Muricy (CAM), administrada pelo Governo do Estado, é um espaço expositivo ligado ao Museu de Arte Contemporânea (MAC). Ela foi inaugurada em 1998, mas está situada em um prédio fundado em 1926. A construção eclética, tombada pelo Patrimônio Histórico e Artístico do Estado, é composta por dois pavimentos com salas de exposição. A casa está fechada para reformas desde 2014.

O nome do espaço é uma homenagem a José Cândido de Andrade Muricy (1895–1984), escritor e crítico literário e musical. O homenageado também foi presidente da Academia Brasileira de Música e membro do Conselho Federal de Cultura.

“American Graffiti”, foi a primeira exposição da Casa Andrade Muricy. O local é um espaço importante que realizava mostras de artes visuais contemporâneas nacionais e internacionais, e também exposições de relevância histórica. A CAM não possui acervo de obras de arte, pois é um espaço exclusivo para exposições.

Foto: Liliane Jochelavicius

Coletorias Estaduais, a Repartição de Água e Esgoto, a Junta Comercial, a Secretaria de Estado de Finanças e algumas Coordenadorias da Secretaria de Estado da Cultura já foram abrigadas no prédio onde se encontra a CAM. O subsolo sediou há algum tempo o escritório regional da Funarte e a bienal do Design.

A Casa desempenhava um papel importante no processo de ensino da arte, o contato com as obras originais tem um valor precioso para a aprendizagem. O principal objetivo da ação educativa da Casa Andrade Muricy era atender a comunidade escolar, oferecendo visitas orientadas às exposições, possibilitando o diálogo entre o artista e os visitantes.

Três fachadas compõem a edificação da CAM. A fachada principal fica voltada para a Alameda Doutor Muricy, uma das fachadas laterais fica voltada para a Rua Saldanha Marinho e a outra para a Rua Cruz Machado. Não se sabe a localização exata, mas na Rua Dr. Muricy, onde hoje está localizada a CAM, já esteve o Museu Paranaense.

Conheça também o Paço da Liberdade, espaço mantido pelo SESC.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.