Como tornar suas Timelines mais acessíveis para pessoas cegas

Em primeiro lugar, preciso informar que sou cego. Pessoas cegas utilizam computadores e smartphones graças a softwares de acessibilidades chamados LEITORES DE TELA.

O que um leitor de tela faz é simples: ele reconhece o material textual na tela em que estou navegando e o transforma em fala, por meio de vozes sintetizadas, como aquelas do Google Tradutor e do Maps, por exemplo. Assim, tudo que é texto editável é reconhecido e retorna pra mim em forma de áudio, o que me permite usar editores de texto, planilhas de dados, acessar a internet, enfim, tudo que uma pessoa vidente faz, só que, ao invés dos olhos, usamos os ouvidos para isso.

No entanto, o leitor de telas também não enxerga. Então, quando a minha navegação cruza com uma imagem, ele apenas me avisa que aquilo é uma imagem, não podendo, obviamente, me descrever o contexto dela, mesmo que nela contenha um texto. Portanto, também Textos em imagens não são acessíveis.

Em sites da internet, a acessibilidade das imagens é mais facilmente aplicável, basta o programador alterar o atributo ALT da imagem que postar e nele escrever a descrição, de modo que, quando meu leitor de telas passar por ela, ele vai reconhecer o texto e ler pra mim aquilo que foi descrito no ALT. VAMOS COLABORAR, ENTÃO, NÉ WEBMASTERS??

Porém, em redes sociais, isso não é possível. E aí, como faz?

Uma maneira de viabilizar a acessibilidade de imagens, tirinhas, gifs ou qualquer conteúdo figurativo nas diversas redes sociais é descrevê-las na postagem em que são feitas. Desse modo, quem enxerga desfruta da imagem com os olhos, e quem não enxerga desfruta da imagem por meio das palavras, lendo-as com o leitor de telas.

Bolei algumas dicas básicas para fazer boas descrições de imagens de modo a torná-las acessíveis nas suas Timelines:

· Descreva o que você vê na imagem, não julgue nem opine sobre ela, seja objetivo na sua descrição.

· Quanto mais direto ao ponto, melhor, Diga o suficiente para que a ideia geral seja transmitida.

· Em caso de memes, cujo intuito é cômico, a descrição também pode ser cômica, contanto que não confunda o leitor. É importante que a ideia principal seja transmitida.

· Sinalize, antes da descrição, com alguma palavra ou expressão que mostre que a seguir a imagem será descrita. Assim, quem não entender ou achar estranho a descrição da imagem logo depois dela aparecer fica avisado de que pessoas cegas também usam a internet e precisam dessa descrição para consumir os conteúdos de imagens. Desse modo, além de ser acessível, sua atitude também será educativa para quem nunca pensou sobre o assunto. Exemplos de termos que podem informar: “descrição da imagem”, “Acessibilidade da imagem”, “Imagem Acessível”, enfim, qualquer expressão que mostre que aquilo não está ali a toa. Muita gente usa tags, variando de acordo com a rede social: #TimelineAcessivel, InstaAcessivel, enfim, o importante é sinalizar para que os desavisados também fiquem sabendo do que se trata.

O Ministério da Educação tem um guia de diretrizes para descrições em livros didáticos, aqui vai um resuminho dele, que se aplica à coisas de internet, como gifs e memes também.

A descrição de imagens é a tradução delas em palavras. Para isso, ela precisa conter o seguinte:

· Iniciar a descrição, identificando seu tipo: foto, gif, tirinha, etc.;

· Identificar os elementos: O QUÊ/QUEM, ONDE, QUANDO E COMO.

· Empregar verbos para descrever a ação (Descrever as circunstâncias da ação: Faz o que/como;

· Usar termos QUE ESTEJAM DE ACORDO COM O TOM E A intenção da imagem;

Essas instruções vêm da NOTA TÉCNICA Nº 21/2012: Orientações para descrição de imagens na geração de material digital acessível, elaborada pelo MEC em 2012, que você pode acessar na íntegra aqui.

Ainda a esse propósito, resolvi fazer um Instagram Pra brincar com vocês, videntes. Já que essa é uma rede social toda focada na imagem. No meu perfil, @descrevepramim, vou postar imagens com a tag #descrevepramim, pra que meus seguidores brinquem de descrever as imagens que eu postar por lá.

A intenção desse perfil é lúdica e visa tão somente dar visibilidade e mostrar para os usuários sem deficiência que existem muitos outros tipos de acesso à informação, porque existem infinitas condições que determinam como é que alguém consegue ou não ter acesso aos conteúdos. Quem quiser me seguir e brincar de acessibilidade comigo, vem, gente! Vai ter aprendizado e conscientização sobre a necessidade de termos atitudes mais acessíveis!

O link do perfil: https://www.instagram.com/descrevepramim/

Ufa, que textão, compartilha e espalha essa ideia, NUNCA TE PEDI NADA! Vamos tornar a internet um lugar cada vez mais confortável de se navegar pra todo mundo, seja com ou sem deficiência!

(Edit: DEPOIS DE UM TEMPO, ESSE TEXTO DEU ORIGEM A OUTRO, NO QUAL EXPLICO MAIS ASPECTOS SOBRE DESCRIÇÃO E ACESSIBILIDADE, CONTINUE LENDO AQUI.)