Desventuras de uma planner

Depois da nossa primeira publicação aqui no metaWriMo, eu e o Paulo combinamos que ele escreveria sobre ser um pantser e eu, sobre ser uma planner. Mas eu vou fazer melhor: vou contar para vocês como é ser uma planner ruim.

Eu tenho precisamente 23 historias inacabadas no meu computador. Isso sem contar aquelas que foram fatalmente exterminadas pelo sentimento de “nossa, que merda eu escrevi?”. Todas elas começaram com um ápice de animação em que eu escrevi milhares de palavras por dias a fio e de repente: BAM! As ideias acabavam e todas aquelas páginas eram abandonadas para sempre.

O meu objetivo com o NaNo, muito mais do que escrever 50 mil palavras, era escrever uma história até o fim, por isso eu fiz questão de não começar o mês sem um planejamento e passei as últimas semanas de outubro pensando minha história, mesmo não tendo nenhuma noção de outline (mas se você está começando agora, pode ser legal pesquisar um pouquinho sobre isso). Minha história se passa em 18 dias, portanto fiz um planejamento diário dos acontecimentos e reviravoltas, então quando novembro chegou, eu não fui pega de surpresa pelo desespero de não saber como conduzir a história. Eu só não estava preparada para uma coisa:

Em menos de 11 mil palavras, eu praticamente já acabei o primeiro rascunho da minha história.

Eu não tenho nenhuma ideia de como vou resolver isso e não estou aqui para te ensinar o que fazer se tiverem um problema como o meu (mas se você tiver uma solução, por favor, me conte). A moral da história é que não importa se você é um planner, se programou durante um ano e tem um plano infalível.

Imprevistos acontecem.

Não faz isso, não, amigo, volta para sua história!

E está tudo bem, assim é a vida e assim é também o processo de escrita, mas isso não é desculpa para você jogar tudo para o alto. Para, respira um minutinho e volta ao trabalho. Tudo bem se você precisar de um momentinho para chorar e se desesperar, mas não esquece que o mês não vai parar para esperar por você.

E se esse imprevisto fizer você precisar começar do zero, dá uma olhadinha no post do Paulo sobre essa vida louca de pantser.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.