Após o lançamento de Baco, ouça outros raps com sample de Arthur Verocai

O clássico álbum do maestro Arthur Verocai, de 1972, ficou nas sombras da cultura brasileira e ganhou o público só nos anos 2000 com forte influência do mercado estrangeiro e do hip hop

No dia 4 de setembro, o rapper baiano Diogo Moncorvo, mais conhecido pelo belo vulgo de Baco Exu do Blues, lançou seu tão esperado disco “Esú”. O álbum teve forte repercussão nas redes não só pelo nome do trabalho, pelas artes, pela lírica apresentada por Baco, mas também pela musicalidade elaborada ao longo das faixas.

Ouça o álbum de Baco:

A faixa quatro nomeia o álbum, chamada “Esú” traz o sample de “Mistério do Planeta”, uma clássica de Os Novos Baianos, um dos principais grupos da história da música brasileira. Outra delas é a faixa oito, chamada “A Pele Que Habito”, que traz um sample de um trabalho muito usado no rap gringo: Arthur Verocai (1972).

Ouça o álbum Arthur Verocai (1972):

Nascido em 1945, o arranjador, compositor, engenheiro mecânico e maestro Arthur Verocai trabalhou com grandíssimos nomes da música brasileira como Elizeth Cardoso, Erasmo Carlos, Gal Costa, Jorge Ben Jor, Luiz Melodia, Tim Maia, entre muitos outros.

Para mais informações clique aqui.

O maestro tem um álbum do ano de 1972, com 30 minutos de música em 10 faixas, conta com a participação de outros gigantes ícones da música brasileira. O álbum mistura a brasilidade com o groove, o erudito com o jazz acoplado a uma lírica sofisticada, carregada de metáforas, fenômeno muito presente na música popular brasileira naquela época. Artistas como Caetano Veloso e Gilberto Gil estavam exilados.

Para mais detalhes clique aqui.

Apesar de uma lírica repleta de mensagens ao regime ditatorial, a censura não barrou a obra, talvez pela complexidade nas letras, talvez pela incapacidade de compreensão dos censores. Verocai disse entender que não produziu algo muito popular em entrevista ao blog Quintessência.

Para mais informações clique aqui.

A primeira vez que Arthur Verocai subiu aos palcos para apresentar o repertório do seu primeiro álbum foi em 2009, no Los Angeles Theatre Center (EUA). Em solo nacional, a apresentação foi apenas dois anos depois, em 2011.

Leia também:

Devasto Prod lança álbum com tecnologia e resistência no discurso

— Largados na Mente Livre do Aloha Crew

O absoluto fracasso de vendas deixou o álbum praticamente morto durante muitos anos, o hip hop underground e rodas de colecionadores estrangeiros trouxeram à tona a qualidade musical e, hoje, se reconhece também a lírica do trabalho.

Capa do álbum “Esú” de Baco Exu do Blues

Assim como Baco Exu do Blues, vários outros artistas já rimaram em cima de canções deste disco. Abaixo, uma lista com 11 músicas.

Bom proveito:

1. Faixa “Dedicada a Ela”: Baco Exu do Blues — Pele Que Habito
2. Faixa “Dedicada a Ela”: Statik Selektah — “The Spark” feat. Action Bronson, Joey Bada$$ & Mike Posner
3. Faixa 1 “Caboclo”: Little Brother Ft. Chaundon — We Got Now
4. Faixa 2 “Pelas Sombras”: Dr. Who Dat? — Braziliant Thought
5. Faixa “Presente Grego”: Curren$y Ft. Young Roddy— Pick N Roll
6. Faixa “Seriado” — MF DOOM Ft. Stahhr — Still Dope
7. Faixa “Na Boca do Sol”: Sau — Intro Caminhos
8. Faixa “Na Boca do Sol”: Ludacris Ft. Common e Spike Lee — Do the Right Thang
9. Faixa “Na Boca do Sol”: Bow Wow Ft. Snoop Dogg — Come Smoke With Me Part 4
10. Faixa “O Mapa”: Ras G — Big Booty Ahtay
11. Faixa “Velho Parente”: GoldLink — Velho (Freestyle)