Capítulo 1 de “Prisões são obsoletas?” de Angela Davis

Capítulo traduzido por Carol Correia, com o único intuito de trazer o debate acerca do sistema carcerário à tona.

CAPÍTULO 1:

Introdução — Reforma carcerária ou abolição da prisão?

Na maior parte do mundo, é dado como certo que quem for condenado por um crime grave será enviado para a prisão. Em alguns países — incluindo os Estados Unidos — onde a pena de morte ainda não foi abolida, um número pequeno mas significativo de pessoas é condenado à morte por crimes considerados especialmente graves. Muitas pessoas estão familiarizadas com a campanha para abolir a pena de morte. De fato, já foi abolida na maioria dos países. Mesmo os mais firmes defensores da pena de morte reconhecem o fato de que a pena de morte enfrenta sérios desafios. Poucas pessoas encontram a vida sem a pena de morte difícil de imaginar.

Por outro lado, a prisão é considerada uma característica inevitável e permanente de nossa vida social. A maioria das pessoas fica bastante surpresa ao saber que o movimento de abolição da prisão também tem uma longa história — uma que remonta à aparição histórica da prisão como a principal forma de punição. Na verdade, a reação mais natural é assumir que os ativistas da prisão — mesmo aqueles que conscientemente se referem a si mesmos como “ativistas anti-prisão” — estão simplesmente tentando melhorar as condições de prisão ou talvez reformar a prisão de maneiras mais fundamentais. Na maioria dos círculos, a abolição da prisão é simplesmente impensável e implausível. Os abolicionistas da prisão são rejeitados como utópicos e idealistas, cujas ideias são, na melhor das hipóteses, irrealistas e impraticáveis e, na pior das hipóteses, mitos e tolas. Isso é uma medida de quão difícil é imaginar uma ordem social que não se baseie na ameaça de sequestrar pessoas em lugares terríveis destinados a separá-los de suas comunidades e famílias. A prisão é considerada tão “natural” que é extremamente difícil imaginar a vida sem ela.

Espero que este livro encoraje os leitores a questionar suas próprias suposições sobre a prisão. Muitas pessoas já chegaram à conclusão de que a pena de morte é uma forma ultrapassada de punição que viola os princípios básicos dos direitos humanos. Acredito que é hora de encorajar conversas semelhantes sobre a prisão. Durante minha própria carreira como uma ativista anti-prisão, eu vi a população de americanos nas prisões aumentarem com tanta rapidez que muitas pessoas nas comunidades negra, latina e indígena agora têm uma chance muito maior de ir para a prisão do que de obter uma educação decente. Quando muitos jovens decidem juntar-se ao serviço militar a fim evitar a inevitabilidade de uma restrição na prisão, deve fazer-nos querer saber se nós não devemos tentar introduzir alternativas melhores.

A questão de saber se a prisão se tornou uma instituição obsoleta tornou-se especialmente urgente à luz do fato de que mais de dois milhões de pessoas (de um total mundial de nove milhões! agora habitam prisões, instalações juvenis e centros de detenção de imigrantes nos EUA. Estamos dispostos a relegar cada vez mais pessoas das comunidades racialmente oprimidas a uma existência isolada marcada por regimes autoritários, violência, doenças e tecnologias de reclusão que produzem uma grave instabilidade mental? Segundo um estudo recente, pode haver duas vezes mais pessoas que sofrem de doença mental que estão em prisões do que há em todos os hospitais psiquiátricos nos Estados Unidos combinados.[1]

Quando comecei a me envolver no ativismo anti-prisão durante o final da década de 1960, fiquei surpresa ao saber que havia então cerca de duzentas mil pessoas na prisão. Se alguém tivesse me dito que, em três décadas, dez vezes mais pessoas ficariam trancadas em gaiolas, eu teria ficado absolutamente incrédula. Eu imagino que eu teria respondido algo como: “Quão racista e antidemocrático, este país pode ser [lembre-se, durante esse período, as demandas do movimento dos direitos civis ainda não tinha sido consolidada]. Eu não acredito que o governo dos EUA será capaz de trancar tantas pessoas sem produzir resistência pública poderosa. Não, isso nunca acontecerá, a menos que este país mergulhe no fascismo.” Isso poderia ter sido minha reação há trinta anos. A realidade é que fomos chamados a inaugurar o século XXI, aceitando o fato de que dois milhões de grupos maiores do que a população de muitos países — estão vivendo suas vidas em lugares como Sing Sing, Leavenworth, San Quentin e Reformatório Federal Alderson para Mulheres. A gravidade desses números se torna ainda mais evidente quando consideramos que a população dos EUA é, em geral, menos de 5% do total mundial, enquanto mais de 20% da população prisional combinada do mundo pode ser reivindicada pelos Estados Unidos. Nas palavras de Elliott Currie: “a prisão tornou-se uma presença iminente em nossa sociedade até um ponto sem paralelo em nossa história ou de qualquer outra democracia industrial. A curto prazo das guerras principais, o encarceramento maciço foi o programa social governamental mais extensamente executado de nosso tempo.”[2]

Ao pensar sobre a possibilidade das prisões serem obsoletas, devemos perguntar como é que tantas pessoas poderiam acabar na prisão sem grandes debates sobre a eficácia do encarceramento. Quando a campanha para produzir mais prisões e encarcerar um número cada vez maior de pessoas ocorreu na década de 1980, durante a era de Reagan, os políticos argumentaram que as posições “duras contra o crime” — incluindo prisões e penas mais longas — manteriam as comunidades livres de crime. No entanto, o período de prisão em massa teve pouco ou nenhum efeito sobre as taxas oficiais de criminalidade. De fato, o padrão mais óbvio foi que populações carcerárias maiores não levaram paraa comunidades mais seguras, mas, sim, para populações carcerárias ainda maiores. Cada nova prisão gerou mais uma nova prisão. E à medida que o sistema prisional norte-americano se expandia, o envolvimento das empresas na construção, fornecimento de bens e serviços e uso de mão-de-obra também aumentava. Devido à medida em que a construção e a operação de prisões começaram a atrair vastas quantidades de capital — da indústria da construção para a provisão de alimentos e cuidados de saúde — de uma maneira que lembrou o surgimento do complexo industrial militar, começamos a nos referir a um “complexo industrial prisional.”[3]

Considere o caso da Califórnia, cuja panorama foi completamente prisioneira nos últimos vinte anos. A primeira prisão estadual na Califórnia foi San Quentin, que abriu em 1852.[4] Folsom, outra instituição bem conhecida, abriu em 1880. Entre 1880 e 1933, quando um estabelecimento para mulheres foi aberta em Tehachapi, não havia nenhuma prisão nova construída. Em 1952, a Instituição Califórnia para Mulheres abriu, Tehachapi tornou-se uma nova prisão para os homens. No total, entre 1852 e 1955, nove prisões foram construídas na Califórnia. Entre 1962 e 1965, dois campos foram estabelecidos, juntamente com o Centro de Reabilitação da Califórnia. Nem uma única prisão foi aberta durante a segunda metade dos anos 1960, nem durante toda a década de 1970.

No entanto, um projeto maciço de construção de prisões foi iniciado durante a década de 1980 — ou seja, durante os anos da presidência de Reagan. Nove prisões, incluindo o Estabelecimento para Mulheres do Norte da Califórnia, foram abertas entre 1984 e 1989. Lembre-se que levaram mais de cem anos para construir as primeiras nove prisões da Califórnia. Em menos de uma década, o número de prisões na Califórnia dobrou. E durante a década de 1990, doze novas prisões foram abertas, incluindo duas mais para as mulheres. Em 1995, foi inaugurada a prisão Valley State para mulheres. De acordo com sua declaração de missão, “fornece 1980 camas de mulheres para o superlotado sistema carcerário da Califórnia”. No entanto, em 2002, havia 3570 prisioneiros[5] e as outras duas prisões femininas estavam igualmente superlotadas.

Há agora trinta e três prisões, trinta e oito acampamentos, dezesseis estabelecimentos correcionais e cinco estabelecimentos minúsculos na Califórnia. Em 2002, havia 157.979 pessoas encarceradas nessas instituições, incluindo aproximadamente vinte mil pessoas que o estado detém por violações de imigração. A composição racial desta população carcerária é reveladora. Latinos, que agora estão na maioria, respondem por 35,2%; afro-americanos, 30%; e brancos, 29,2%.[6] Há agora mais mulheres na prisão no estado de Califórnia do que havia em todo o país no início da década de 1970. Na verdade, a Califórnia pode reivindicar a maior prisão feminina do mundo, a Prisão Estatal Valley para Mulheres, com seus mais de 3.500 habitantes. Localizado na mesma cidade que Valley Estatal e, literalmente do outro lado da rua, está a segunda maior prisão de mulheres do mundo, o Estabelecimento Feminino da Califórnia — cuja população em 2002 também pairava cerca de 3.500.[7]

Se você olhar para um mapa da Califórnia descrevendo a localização das 33 prisões estaduais, você verá que a única área que não é muito povoada por prisões é a área ao norte de Sacramento. Ainda assim, existem duas prisões na cidade de Susanville e Pelican Bay, uma das mais notórias prisões de segurança do estado, está perto da fronteira do Oregon. O artista da Califórnia Sandow Birle foi inspirado pela colonização da paisagem por prisões para produzir uma série de trinta e três pinturas de paisagens dessas instituições e seus arredores. Eles são coletados em seu livro Incarcerated: Visions of California in the 21st Century (Incarcerados: Visões acerca Califórnia do Século XXI).[8]

Apresento esta breve narrativa do panorama da prisão californiana para permitir aos leitores entender como foi fácil produzir um sistema maciço de encarceramento com o consentimento implícito do público. Por que as pessoas foram tão rápidas em assumir que o encarcerar uma proporção cada vez maior da população dos EUA ajudaria os que vivem no mundo livre a se sentirem mais seguros e protegidos? Esta questão pode ser formulada em termos mais gerais. Por que as prisões tendem a fazer as pessoas pensarem que seus próprios direitos e liberdades são mais seguros do que seriam se as prisões não existissem? Que outras razões poderiam ter havido para a rapidez com que as prisões começaram a colonizar a vista da Califórnia?

A geógrafa, Ruth Gilmore, descreve a expansão das prisões na Califórnia como “uma solução geográfica para problemas socioeconômicos”.[9] Sua análise do complexo industrial prisioneiro na Califórnia descreve esse desenvolvimento como uma resposta aos excedentes de capital, terra, trabalho e capacidade do Estado.

As novas prisões da Califórnia estão localizadas em terras rurais desvalorizadas, a maioria, de fato, em terras agrícolas irrigadas anteriormente… O Estado comprou terras vendidas por grandes proprietários. E o Estado assegurou às cidades pequenas e deprimidas, agora cercadas por prisões, que a nova indústria, à prova de recessão e não poluente, iria dar início ao redesenvolvimento local[10].

Mas, como observa Gilmore, nem os empregos nem a revitalização econômica mais genérica prometida pelas prisões ocorreu. Ao mesmo tempo, essa promessa de progresso nos ajuda a entender por que a legislatura e os eleitores da Califórnia decidiram aprovar a construção de todas essas novas prisões. As pessoas queriam acreditar que as prisões não só reduziriam o crime, mas também proporcionariam empregos e estimulariam o desenvolvimento econômico em lugares pouco frequentados.

No fundo, há uma pergunta fundamental: Por que nós desvalorizamos o valor das prisões? Embora uma proporção relativamente pequena da população tenha vivenciado diretamente a vida dentro da prisão, isso não é verdade em comunidades negras e latinas pobres. Nem é verdade para os nativos americanos ou para certas comunidades asiática-americanas. Mas mesmo entre aquelas pessoas que devem lamentar, aceitam sentenças de prisão — especialmente os jovens — como uma dimensão comum da vida comunitária, dificilmente é aceitável iniciar sérias discussões públicas sobre a vida na prisão ou alternativas radicais à prisão. É como se a prisão fosse um fato inevitável da vida, como nascimento e morte.

Em geral, as pessoas tendem a desvalorizar o valor das prisões. É difícil imaginar a vida sem elas. Ao mesmo tempo, há relutância em enfrentar a realidade escondida dentro delas, um medo de pensar sobre o que acontece dentro delas. Assim, a prisão está presente em nossas vidas e, ao mesmo tempo, está ausente de nossas vidas. Pensar sobre essa presença e ausência simultânea é começar a reconhecer o papel desempenhado pela ideologia na formação da maneira como interagimos com nosso ambiente social. Nós desvalorizamos o valor das prisões, mas estamos frequentemente receosos em enfrentar a realidade que produzem. Afinal, ninguém quer ir para a prisão. Porque seria muito agonizante lidar com a possibilidade de alguém, inclusive nós mesmos, poder se tornar um prisioneiro, tendemos a pensar que a prisão está desligada de nossas próprias vidas. Isto é mesmo verdadeiro para alguns de nós, mulheres assim como homens, que já experimentaram o aprisionamento.

Pensamos, portanto; na prisão como um destino reservado aos outros, um destino reservado aos “malfeitores”, para usar um termo recentemente popularizado por George W. Bush. Por causa do poder persistente do racismo, “criminosos” e “malfeitores” são, no imaginário coletivo, fantasiados como pessoas não-brancas. A prisão funciona, portanto, ideologicamente como um local abstrato em que os indesejáveis são depositados, aliviando-nos da responsabilidade de pensar sobre as verdadeiras questões que afligem as comunidades de que os presos são tirados em números tão desproporcionais. Este é o trabalho ideológico que a prisão realiza — nos livra da responsabilidade de nos engajarmos seriamente nos problemas da nossa sociedade, especialmente os produzidos pelo racismo e, cada vez mais, pelo capitalismo global.

O que, por exemplo, perdemos se tentamos pensar sobre a expansão das prisões sem abordar grandes desenvolvimentos econômicos? Vivemos em uma era de corporações migrantes. A fim de escapar do trabalho organizado neste país — e, portanto, salários mais altos, benefícios, e assim por diante — as corporações percorrem o mundo em busca de nações que oferecem piscinas de mão-de-obra barata. Esta migração empresarial deixa, assim, comunidades inteiras em ruínas. Um número enorme de pessoas perde empregos e perspectivas de futuros empregos. Como a base econômica dessas comunidades é destruída, a educação e outros serviços sociais sobreviventes são profundamente afetados. Este processo transforma os homens, mulheres e crianças que vivem nestas comunidades danificadas em candidatos perfeitos para a prisão.

Enquanto isso, as corporações associadas à indústria da punição obtêm lucros com o sistema que gerencia os prisioneiros e adquirem uma clara participação no crescimento contínuo das populações carcerárias. Simplificando, esta é a era do complexo industrial prisional. A prisão tornou-se um buraco negro no qual os detritos do capitalismo contemporâneo são depositados. A prisão em massa gera lucros à medida que devora a riqueza social; e, assim, tende a reproduzir as próprias condições que levam as pessoas à prisão. Há, portanto, conexões reais e muitas vezes bastante complicadas entre a desindustrialização da economia — um processo que atingiu seu auge durante a década de 80 — e o aumento da prisão em massa, que também começou a espiralar durante a era Reagan-Bush. No entanto, a demanda por mais prisões foi representada ao público em termos simplistas. Mais prisões eram necessárias porque havia mais crimes. No entanto, muitos estudiosos têm demonstrado que, quando o boom da construção da prisão começou, as estatísticas oficiais do crime já estavam caindo. Além disso, leis draconianas de drogas estavam sendo promulgadas e disposições “três foras e você está fora”[11] estavam nas agendas de muitos estados.

A fim de compreender a proliferação das prisões e a ascensão do complexo industrial prisional, pode ser útil pensar mais sobre as razões pelas quais desvalorizamos tão facilmente o valor das prisões. Na Califórnia, como vimos, quase dois terços das prisões existentes foram abertas durante os anos 1980 e 1990. Por que não houve grande clamor? Por que havia um nível de conforto tão óbvio com a perspectiva de muitas novas prisões? Uma resposta parcial a esta questão tem a ver com a forma como consumimos imagens da prisão, mesmo quando as realidades de prisão estão escondidas de quase todos os que não tiveram a desgraça de fazer o tempo. A crítica cultural, Gina Dent, ressaltou que nosso senso de familiaridade com a prisão vem em parte das representações das prisões no cinema e em outras mídias visuais.

A história da visualidade ligada à prisão é também um importante reforço da instituição da prisão como parte naturalizada da nossa paisagem social. A história do cinema sempre esteve ligada à representação do encarceramento. Os primeiros filmes de Thomas Edison (que datam da reedição de 1901, apresentada como noticiário, Execução de Czolgosz com panorama da Prisão Auburn), incluíam imagens dos mais escuros recessos da prisão. Assim, a prisão está ligada à nossa experiência de visualidade, criando também um sentido de sua permanência como instituição. Nós também temos um fluxo constante de filmes de prisão de Hollywood, na verdade um gênero[12].

Alguns dos filmes de prisão mais conhecidos são: I Want to Live, Papillon, Cool Hand Luke, e Escape from Alcatraz. Também se deve mencionar que a programação televisiva se tornou cada vez mais saturada com imagens de prisões. Alguns documentários recentes incluem a série A&E The Big House, que consiste de programas em San Quentin, Alcatraz, Leavenworth e o Reformatório Federal Alderson de Mulheres. O programa de longa duração da HBO, Oz, conseguiu persuadir muitos telespectadores que eles sabem exatamente o que se passa em prisões masculinas de segurança máxima.

Mas mesmo aqueles que não conscientemente decidem assistir a um documentário ou um programa com o tema das prisões, inevitavelmente consomem imagens de prisões, escolhendo ou não, pelo simples fato de assistir filmes ou TV. É praticamente impossível evitar consumir imagens da prisão. Em 1997, fiquei bastante surpreso ao descobrir, quando entrevistei mulheres em três prisões cubanas, que a maioria delas narrou sua consciência prévia das prisões — isto é, antes de serem realmente encarceradas — como proveniente dos muitos filmes de Hollywood que elas haviam visto. A prisão é uma das características mais importantes do nosso ambiente de imagem. Isso nos levou a ignorar o peso da existência das prisões. A prisão tornou-se um ingrediente chave de nosso senso comum. Está lá, ao nosso redor. Não questionamos se deveria existir. Tornou-se tanto uma parte de nossas vidas que exige um grande feito da imaginação para imaginar a vida além da prisão.

Isso não é para descartar as mudanças profundas que ocorreram na forma como as conversas públicas sobre a prisão são conduzidas. Dez anos atrás, mesmo quando o impulso para expandir o sistema prisional atingiu seu auge, havia pouquíssimas críticas a esse processo à disposição do público. Na verdade, a maioria das pessoas não tinha ideia da imensidão dessa expansão. Este foi o período durante o qual as mudanças internas — em parte pela aplicação de novas tecnologias — levaram o sistema prisional norte-americano em uma direção muito mais repressiva. Enquanto as classificações anteriores tinham sido confinadas à segurança mínima, média e máxima; uma nova categoria foi inventada — a da prisão de segurança super-máxima ou o supermax. A reviravolta em um sistema prisional, diferenciado do começo de sua história por seus regimes repressivos, fez com que alguns jornalistas, intelectuais públicos e agências progressistas se opusessem à crescente dependência das prisões para resolver problemas sociais que são exacerbados pelo encarceramento em massa.

Em 1990, o Projeto Sentencing, com sede em Washington, publicou um estudo sobre as populações americanas na prisão e em liberdade condicional, concluindo que um em cada quatro homens negros entre vinte e vinte e nove estavam entre esses números[13]. Cinco anos mais tarde, um segundo estudo revelou que este percentual subiu para quase um em cada três (32,2%). Além disso, mais de um em cada 10 homens latinos na mesma faixa etária estavam na prisão ou em liberdade condicional. O segundo estudo também revelou que o grupo com maior aumento foi o das mulheres negras, cuja prisão aumentou 78%.[14] De acordo com o Escritório Estatístico de Justiça, os afro-americanos como um todo agora representam a maioria dos prisioneiros estaduais e federais, com um total de 803.400 reclusos negros — 118.600 mais do que o número total de brancos presos.[15] Durante o final dos anos 90, grandes artigos sobre a expansão das prisões apareceram em Newsweek, Harper’s, Emerge e Atlantic Monthly. Até mesmo Colin Powell levantou a questão do crescente número de homens negros na prisão quando falou na Convenção Nacional Republicana de 2000, que declarou George W. Bush o candidato presidencial.

Nos últimos anos, a anterior ausência de posições críticas sobre a expansão das prisões na arena política deu lugar a propostas de reforma das prisões. Enquanto o discurso público se tornou mais flexível, a ênfase é quase inevitavelmente na geração de mudanças que produzirão um melhor sistema prisional. Em outras palavras, o aumento da flexibilidade que permitiu a discussão crítica dos problemas associados à expansão das prisões também restringe essa discussão à questão da reforma das prisões.

Por mais importante que sejam algumas reformas — a eliminação do abuso sexual e da negligência médica na prisão para mulheres, por exemplo -, os quadros que dependem exclusivamente das reformas ajudam a produzir a ideia estonteante de que nada se encontra além da prisão. Os debates sobre as estratégias de deportação, que devem ser o ponto central de nossas conversas sobre a crise carcerária, tendem a ser marginalizados quando a reforma ocupa um lugar central. A questão mais imediata hoje é como evitar a expansão das populações carcerárias e como levar o maior número possível de mulheres e homens presos de volta ao que os prisioneiros chamam de mundo livre. “Como podemos nos deslocar para descriminalizar o uso de drogas e o comércio sexual? Como podemos levar a sério estratégias de justiça reparadora e não exclusivamente punitiva? As alternativas eficazes envolvem tanto a transformação das técnicas de combate à “criminalidade” como das condições sociais e econômicas que rastreiam tantas crianças de comunidades pobres e especialmente comunidades não-brancas para o sistema juvenil e depois para a prisão. O desafio mais difícil e urgente de hoje é o de explorar criativamente novos terrenos de justiça, onde a prisão não serve mais como nossa principal âncora.

[1] Katherine Stapp, “Prisons Double as Mental Wards,” Asheville Global Report, no. 164 1 7–13 March 2002), www.agrnews.org. O artigo de Stapp descreve um estudo de Seena Fazel da Universidade de Oxford e John Danesh da Universidade de Cambridge, publicado na revista médica britânica The Lancet. De acordo com Stapp, os pesquisadores concluíram: “Um em cada sete presos sofre de uma doença mental que poderia ser um fator de risco para o suicídio, diz o estudo. Isso representa mais de um milhão de pessoas em países ocidentais. Sobre a saúde mental de 23.000 prisioneiros em 12 países ocidentais durante um período de três décadas. Elas descobriram que prisioneiros ‘eram várias vezes mais propensos a ter psicose e depressão e cerca de 10 vezes mais probabilidade de ter desordem de personalidade anti-social do que a população em geral’”.

[2] Elliot Currie, Crime and Punishment in America. New York: Henry Holt and Company, 1998), 21.

[3] Mike Davis, “Hell Factories in the Field: A Prison-Industrial Complex,” The Nation 260, no.7 120 February 1995).

[4] As informações neste parágrafo sobre as datas que as prisões da Califórnia abriram foram retiradas do site do Departamento de Correções da Califórnia. www.cdc.state.ca.us/facility/faciLhtm.

[5] www.cdc.state.ca.us/facility/instvspw.htm.

[6] www.cdc.state.ca.us/facility/factsht.htm.

[7] www.cdc.state.ca.us/facility/instccwf.htm.

[8] Sandow Birk, Incarcerated: Visions of California in the Twenty-First Century San Francisco: Last Gasp of San Francisco, 2001 ).

[9] Ruth Wilson Gilmore, “Globalisation and U.S. Prison Growth: From Military Keynesianism to Post-Keynesian Militarism”, Race and Class 40 no. 2/3 10ctober 1998-March 1999): 174.

[10] Gilmore, 184.

[11] NOTA DA TRADUTORA: A teoria do “three strikes and you are out” (três foras e você está fora) visa à prevenção da prática do crime, em que tendo o individuo cometendo um terceiro delito ele estaria não poderia usufruir de quaisquer benefícios da execução penal. Nos EUA, a punição varia entre 25 anos à prisão perpetua, sendo necessário o cumprimento de no mínimo 85 do total aplicado.

[12] Girul Dent, “Stranger Inside and Out: Black Subjectivity in the Women-in-Prison Film,” in Black Cultural Traffic: Crossroads in Black Performance and Black Popular Culture, edited by Harry Elam and Kennel Jackson {Ann Arbor: University of Michigan Press, forthcoming 2011':11.

[13] Marc Mauer, “Young Men and the Criminal Justice System: A Growing National Problem” (Washington, D.C.: The Sentencing Project, 1990).

[14] Marc Mauer and Tracy Huling, “Young Black Americans and the Criminal Justice System: Five Years Later” (Washington, D.C.: The Sentencing Project, 19951.

[15] Allen J. Beck, Jennifer C. Karberg, and Paige M. Harrison, “Prison and Jail Inmates at Midyear 2001” Bureau of Justice Statistics Bulletin (Washington, D.C.: U.S. Department of Justice, Office of Justice Programs, Apri1 2002, NCJ 1 9 1 702), 12.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Carol Correia’s story.