“A man staring at office notes on lockers.” by Philipp Mandler on Unsplash

3 habilidades cruciais para você se tornar um designer melhor

As 3 habilidades cruciais para você se tornar um designer melhor foram o tema do último episódio do nosso Aelacast. Se você ainda não ouviu, primeiramente saiba que está ficando de fora, pois preparamos um conteúdo incrível. Então trate de se inscrever no nosso Podbean, no iTunes ou no YouTube para não perder mais nada.

Nessa última edição, eu, Felipe Melo e o Jônatas Vieira convidamos o Rodrigo Lemes, lead designer da Samsung Campinas e youtuber, e o Guilherme Gonzalez, Sênior UX Designer na Ornito, para um bate-papo sobre as habilidades mais importantes que nós designers devemos possuir.

Se você já é um designer de nível sênior, mas quer dar um passo a mais na sua carreira, se é um profissional freelancer, ou se está em busca do primeiro emprego, pode ter certeza de que muitas das dicas que passamos serão bem úteis. Nós compartilhamos várias opiniões e aprendizados sobre habilidades cruciais para a sua carreira, principalmente quando se trata de trabalhar em equipe e em projetos maiores.

Primeiramente, não entre em pânico

Se você é júnior na carreira ou está em busca do seu primeiro emprego, com certeza sempre ouve alguém dizendo que para se ter sucesso na área de design é preciso aprender tal e tal software e ferramenta ou tais e tais processos. E eu entendo que você se sinta desesperado, porque realmente são muitas coisas. Porém, tanto aqui nesse artigo quanto no podcast nós focamos em algumas habilidades cruciais que você precisa ter ou desenvolver, e você vai ver que não são tantas assim e, principalmente, elas são simples de ser adquirir ou desenvolver, mas farão uma grande diferença em sua carreira.

Tanto as habilidades comportamentais quanto as técnicas são importantes, e quanto mais você possuir, melhor. Porém adquiri-las não é um processo imediato, é preciso muito estudo e tempo de experiência. As habilidades que focamos em tratar aqui realmente podem fazer a diferença na sua carreira a curto prazo. É o que pode fazer você ser escolhido em um processo mesmo não tendo tanta experiência quanto seus concorrentes, ou até mesmo de crescer dentro de uma grande empresa ou ser promovido a lead em uma equipe.

Mesmo quando você já chegou em um nível sênior na carreira, esta sobrecarga de informações pode se tornar algo desestimulante, pois pode passar a sensação de que a qualquer momento você ficará para trás. Apenas lembre-se que, de fato, é impossível acompanhar TUDO o que acontece, e mesmo os grandes nomes do mercado não conseguem seguir atualizados com todas as tendências. Portanto, respire fundo, foque em crescer um pouco a cada dia, um passo de cada vez e foque em desenvolver suas habilidades comportamentais.

Vamos, então, para essas habilidades:

1ª Habilidade: Colaboração

Em qualquer projeto ou empresa, nenhum profissional trabalha sozinho, nem mesmo quando se é um freelancer alocado em sua própria casa ou escritório. Uma habilidade muito rara e extremamente valiosa para qualquer situação é o profissional ser colaborativo e proativo. Um designer que tem a capacidade de dialogar com outros setores e stakeholders (e esse diálogo nem sempre é sobre falar, mas sim ouvir e absorver) é um fator de sucesso para qualquer projeto.

E essa colaboração com outros profissionais e equipes não tem a ver com ser extrovertido, dar várias sugestões ou ouvir “pitacos” de todo mundo no seu trabalho, mas sim com entender todas as partes do projeto e vê-lo como um todo, e não apenas como uma peça de design. Dialogar é entender as equipes de programação, marketing, conteúdo e stakeholders como igualmente (ou até mais) importantes dentro do projeto.

Na maioria das vezes, você vai encontrar colegas teimosos, apegados excessivamente ao próprio trabalho e sem abertura para o diálogo, e é justamente por isso que essa habilidade comportamental é rara e valiosa. Isso também envolve ter a humildade de aceitar que nem sempre o trabalho final será a peça mais bela de design (até porque design não é apenas criar o belo, e sim resolver problemas), mas você fez a sua parte e colaborou para o todo ser entregue, e principalmente para o resultado final, que é tornar a vida das pessoas melhor.

Photo by Lacie Slezak on Unsplash

2ª habilidade: Storytelling e o que isso tem a ver com sua carreira

Storytelling é a capacidade de contar histórias de forma relevante, uma habilidade que pode ser sim desenvolvida com estudo e pesquisa, e pode ajudar muito no seu portfolio. Sim, um portfolio de design pode contar uma história, quando você sintetiza as etapas ao longo de um projeto, quando conta os objetivos que foram atingidos e como se chegou ao resultado final.

Aliás, seu portfolio precisa contar uma história! Os recrutadores não têm tempo de olhar todos os trabalhos, então o seu precisa chamar a atenção e se conectar de tal forma com a pessoa que ela não tenha outra alternativa, senão chamar você para uma conversa pessoal. Quando isso ocorrer, seja pessoalmente, por telefone ou Skype, sua habilidade de contar histórias também será útil, pois você precisará explicar seus projetos de forma clara, mas que chame a atenção e engaje o entrevistador.

De forma geral, sua capacidade de storytelling pode impactar diretamente na qualidade dos seus projetos, na forma como você os apresenta e vende para sua equipe ou para o cliente, e até mesmo na maneira como extravasa a sua criatividade. Essa habilidade é um músculo, que pode e precisa ser exercitado. Aliás, eu dei uma dica bem interessante no Aelacast, de um curso de valor razoavelmente acessível em inglês, que é o Storytelling for Influence da Ideou, não deixe de dar uma olhada.

3ª habilidade: Visão e conhecimento na área de negócios

Essa é uma habilidade muito interessante, que mesmo com a atualização constante das tecnologias e ferramentas, nunca será obsoleta. Ter uma visão ampla na área de negócios é algo incrível para a carreira de qualquer designer. Vale para qualquer etapa da carreira e para qualquer foco profissional que você tenha.

Se você for um profissional freelancer, essa visão vai te ajudar a conseguir bons clientes, ajudá-los a crescer e também ter sucesso como empreendedor, gerenciando sua própria empresa, que no caso é você. Se você for um profissional em busca de crescimento em sua carreira, essa visão será um diferencial no seu trabalho dentro de grandes empresas, pois elas estão em busca de profissionais que conseguem enxergar soluções que abrangem diversas áreas do negócio. Se o seu foco é no mercado de startups então, nem se fala: isso pode ser a diferença entre o sucesso e o fracasso do seu negócio.

Um bônus muito importante: Não seja mala!

Pode parecer batido ou redundante, mas não ser um profissional mala é algo bem crucial no crescimento da sua carreira. Seja para lidar com chefias, colegas de equipe, fornecedores, clientes, stakeholders, parceiros. Você pode ter todas as habilidades técnicas para uma vaga, ter um portfólio incrível, saber lidar com as melhores ferramentas do momento, ter conhecimento sólido sobre negócios… Mas se você agir de forma babaca, ninguém vai querer trabalhar com você.

E não ser mala tem a ver com possuir habilidades que já falamos aqui: ser aberto ao diálogo, ser humilde, ter empatia, ser colaborativo e proativo. Quanto mais o mercado de trabalho e a indústria evoluem tecnologicamente e em termos de produtividade e novas tarefas, mais importantes se tornam essas habilidades comportamentais. Portanto, desenvolva sim suas habilidades técnicas, mas nunca deixe de cuidar das suas habilidades humanas.

Dicas para começar hoje

Se você já ouviu o podcast e não conseguiu anotar, veja as dicas que nós demos no final, para você já começar hoje mesmo a desenvolver suas habilidades.

Você quer saber mais dicas sobre esse assunto? Ouça nosso Aelacast e saiba o conteúdo completo! Aproveite para inscrever no nosso Podbean, no iTunes ou no YouTube para você não perder mais nada.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.