A anatomia de um recorde: Queermuseu no Parque Lage

Há exatamente um ano se consolidava um novo recorde no financiamento coletivo no Brasil. Queermuseu no Parque Lage arrecadou R$ 1.081.176 com o apoio de 1.678 pessoas na plataforma da Benfeitoria, se tornando a maior campanha em plataformas de financiamento coletivo de recompensa no país.

Depois de fechada em Porto Alegre, a exposição Queermuseu foi censurada pelo prefeito do Rio sob a alegação de que “o carioca não quer ver a exposição”. Mas o carioca não foi perguntado.

Mais que arrecadar o dinheiro necessário para montar a exposição, o financiamento coletivo era uma forma de fazer a pergunta que ficou no ar: Quem quer queer?

Uma campanha cheia de aprendizados, na qual tivemos a oportunidade de colocar à prova tudo aquilo que conhecemos sobre o crowdfunding. Um ano depois, com o recorde estabelecido, a exposição realizada, a resposta dada ao prefeito e algum distanciamento, podemos olhar para os números e entender a cara dessa campanha.

Narrativa

O primeiro grande aprendizado foi sobre a importância da narrativa. Queermuseu no Parque Lage não era apenas uma campanha pela reabertura de uma exposição. Era um posicionamento pela liberdade de expressão e contra a censura.

O parágrafo de abertura do texto dava o tom.

Em poucas frases, já há várias informações importantes. Além da história da exposição, que era importante por ser confusa para muita gente àquela altura, o texto falava dos objetivos da curadoria e destacava um ponto crucial: as acusações eram baseadas em mentiras e suposições falsas.

A grande sacada foi posicionar, a partir daí, a campanha como uma pergunta. Se as pessoas não quisessem ver Queermuseu, não apoiariam a campanha, que não bateria a meta e todo o dinheiro seria devolvido inteiramente para os apoiadores.

A multidão deveria decidir.

Estratégias

Uma lição que muita gente insiste em não aprender: crowdfunding é nicho.

Muita gente acha que o objetivo é tentar uma divulgação no Maracanã lotado… Se o seu projeto for sobre futebol, ótimo. Se não for, não vale a pena.

Divulgar não é atirar para todos os lados, gritar sobre a campanha aos quatro ventos. É preciso saber com quem a campanha quer falar, onde e como.

As estratégias traçadas desde o início deram certo. Sabíamos com quem queríamos falar, planejamos como e definimos com muito cuidado onde. Com um acompanhamento dia a dia e alguns ajustes de rota, fomos capazes de extrair o máximo potencial da arrecadação.

Apoios por dia

Um dos princípios mais importantes do financiamento coletivo é a largada forte. O início da campanha é fundamental para garantir o sucesso em atingir a meta.

No caso de Queermuseu no Parque Lage, o primeiro dia concentrou 15% dos apoios totais da campanha. Somando os três dias úteis subsequentes, temos mais 15% dos apoios. Ou seja, mais de 30% dos apoios vieram nos primeiros dias.

Podemos ver no gráfico abaixo claramente o comportamento em U, que é o esperado no financiamento coletivo: largada forte, chegada forte e um período fraco no meio, que chamamos de vale da morte.

A campanha durou 58 dias. Os 30 dias do meio da campanha, o vale da morte, representaram 391 apoios, apenas 22% do total.

É justamente por isso que campanhas mais longas não significam necessariamente arrecadação maior. Em vez de aproveitar ao máximo o potencial da largada e da chegada, esticar o tempo de campanha apenas alonga o vale da morte.

Dois meses já costuma ser uma campanha longa, mas no caso de Queermuseu no Parque Lage foi importante porque a ideia era organizar um leilão de obras de arte perto do fim da campanha — e essa organização demandava tempo.

O leilão fazia parte das estratégias de grandes apoiadores. Sabíamos que esse diferencial seria importante para bater a meta e, desde o início, foi um foco importante do planejamento.

Uma campanha de Tubarões

Alcançar a meta mínima já colocaria a campanha entre as maiores do Brasil. Sabíamos que era ousado

Dividimos o financiamento coletivo em dois tipos de apoiadores: Microapoiadores (apoiam com menos de R$1.000) e Tubarões (apoiam com R$1.000 ou mais).

Não se deve subestimar os Tubarões. Eles são cerca de 1% dos apoiadores no financiamento coletivo, mas contribuem com 20% do valor que gira nas plataformas. O apoio médio de Queermuseu foi, sim, bastante alto. Como planejado. Várias recompensas eram obras de arte que custavam, no mínimo, R$ 1.500 dentro da campanha.

Quando colocamos o valor junto com os apoios, vemos três picos importantes de alto valor arrecadado com poucos apoios. Isso mostra que os grandes apoios não chegaram de maneira aleatória.

O primeiro pico foi um jantar de arrecadação focado em grandes apoiadores e os outros dois são associados ao leilão das obras e ao show que Caetano Veloso ofereceu para a campanha.

O apoio médio dos Microapoiadores ficou próximo da média das plataformas, que é em torno de R$ 100. O apoio médio dos Tubarões foi alto, mas nada absurdo. O que fez a diferença foi a quantidade deles.

Os valores de apoio mais escolhidos foram R$ 50 (409 vezes - 24% de todos os apoios), que dava direito a uma visita antecipada; R$ 20 (406 vezes - 24%), que colocaria o nome do apoiador nos créditos; e R$180 (251 vezes - 15%), que era o catálogo da exposição no Parque Lage.

Distribuição geográfica

O Rio de Janeiro aparece disparado na frente, com quase dois terços dos apoios. Um resultado natural, considerando-se que a exposição aconteceria no Rio. Mesmo assim, considerando que o tema da campanha não era apenas a exposição, mas a censura, esperávamos um engajamento maior a partir de outros estados também.

O que esse resultado mostra é a importância da ativação de redes.

Em segundo lugar vem o Rio Grande do Sul, graças principalmente a um enorme esforço de divulgação do curador da exposição, Gaudêncio Fidélis.

Perfil dos apoiadores

A distribuição por idades é bem interessante. Os mais jovens tiveram pouca participação, mas há uma distribuição bastante homogênea a partir dos 30 anos. Isso mostra que a campanha teve apelo com públicos bastantes distintos.

A campanha conseguiu alcançar um público que não é tão ligado ao financiamento coletivo. Na pesquisa realizada com os apoiadores depois do término, 15% disseram estar apoiando uma campanha pela primeira vez e 46% tinham apoiado menos de cinco campanhas.

Esse é também um dos papéis das campanhas grandes: popularizar o financiamento coletivo.

Muitas vezes há a crítica de que projetos maiores, que poderiam buscar outras fontes de financiamento, “tiram a atenção” dos projetos menores nas plataformas. Na verdade, eles atraem um novo público que passa a conhecer melhor e se relacionar com o crowdfunding.

Quando perguntamos se a pessoa apoiaria outras campanhas depois, o resultado fala por si só.

Conclusões

O caso de sucesso mostra que o financiamento coletivo no Brasil pode mais.

Nos últimos três ou quatro anos, o ecossistema caminhou por caminhos tortuosos, com muita ansiedade para encontrar grandes campanhas que chamariam a atenção de todos. Em vez de trabalhar pela construção de uma cultura sólida, o mercado acabou entrando, muitas vezes,na armadilha da pressa.

Com isso, várias experiências frustradas afastaram grandes instituições e grandes projetos que poderiam aproveitar a dinâmica do crowdfunding não apenas para arrecadar dinheiro, mas para mudar a forma de engajamento com seus públicos.

Queermuseu no Parque Lage vem para mostrar que a porta está aberta.

Crowdfunding Brasil

Discussões sobre Financiamento Coletivo no Brasil

Thanks to Felipe Caruso

Téo Ferraz Benjamin

Written by

Crowdfunding Brasil

Discussões sobre Financiamento Coletivo no Brasil

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade