Como é trabalhar como Front-End Developer, por Clara Battesini

Esse post é parte de uma série de entrevistas para o Training Center sobre o que um profissional pode dizer sobre sua área de atuação visando mostrar para outras pessoas como é trabalhar no que fazem, esclarecendo para algumas pessoas se elas se dariam bem trabalhando na área ou mesmo só para mostrar para outras pessoas como é trabalhar com isso.

Introdução

Meu nome é Clara Battesini sou de Salvador e atualmente trabalho na Cubos com desenvolvimento front end, comecei a trabalhar com isso em 2014 quando me candidatei para um estágio na área mas ainda não sabia nada XD.

Como você conheceu a área de Front-End?

Eu era estudante de engenharia de computação então já tinha algum contato com programação, mas o que eu manjava mesmo eram as ferramentas da Adobe (acho que foi isso que me garantiu o emprego).

Basicamente o trabalho era fazer sites em WordPress para os clientes dessa empresa, que fazia software de gestão para área hospitalar, então lá vai Clara estudar HTML e CSS, descobri um mundo, de repente sabia como dar vida a todos os meus layouts, logo aprendi bootstrap e a fazer sites responsivos, mas tinha uma pedra no meu sapato, um tal de JavaScript que não entrava na minha cabeça de jeito nenhum.

Procurava cursos pela internet para aprender, cheguei a pagar alguns, mas todos só ensinavam jQuery, uma desilusão atrás da outra.

Por que você escolheu ser Front-End?

Então desisti, passei 6 meses sem estudar muita coisa, e como usava PHP o trabalho não me exigia muito dessa parte.

Fiz poucos projetos, não tinha muita demanda, fazia mais trabalhos de design e como eu era a única na nessa área não tinha muito com quem conversar o que fazia eu me sentir isolada, mas ao mesmo tempo me ensinou a ter responsabilidade porque eu tinha que me organizar para entregar todas as demandas sozinha.

Então um dia navegando pela internet eu encontrei um curso que prometia ensinar JavaScript de verdade, nada de jQuery, tive um bom pressentimento, fui pra casa e comprei o curso, comecei logo e foi a melhor coisa que fiz, de repente me vi imersa na profissão, todas as coisas que eu tinha dificuldade de fazer no início eu fazia agora rapidamente.

Como foi o seu primeiro trampo?

Então eu decidi dar um novo passo, decidi que ia dar minha primeira palestra, ainda não sabia ao certo sobre o que, mudei de assunto algumas vezes e então nesse mesmo curso conheci regex e vi que todas as outras pessoas também deveriam saber.

Já conhecia o pessoal do JSDay de Feira de Santana e falei com eles sobre meu interesse em espalhar a palavra (descobri que haviam aceitado minha proposta quando um amigo veio falar comigo que vou minha foto no site kkk). Venci minha timidez e fui dar minha palestra, foi ótimo, um grande aprendizado. Passado algum tempo fui fazer uma entrevista de estágio na Cubos, a princípio não passei, mas duas semanas depois recebi uma mensagem perguntando se ainda tinha disponibilidade que eles estavam com muitos projetos.

Foi uma grande decisão, ia trabalhar o mesmo e ganhar menos, mas sem dúvida foi a melhor coisa que me aconteceu até então, tenho seis meses lá e só cresci desde o segundo que passei pela porta, como pessoa e como profissional. Eu estava sufocada com a pressão da necessidade de participar de projetos legais, de crescer profissionalmente e lá eu consegui respirar, agora sou mais leve, só tenho a agradecer a todos eles, por confiar em mim e me enxergar quando nem eu conseguia fazê-lo.

Fernando Daciuk meu mentor ninja, sem você​ e seu curso provavelmente nunca teria voltado para programação, muito obrigada!

Quais são as skills de quem trabalha nesta área?

Para trabalhar com front end é necessário ter uma base muito sólida de HTML, CSS e JS. Não se preocupe com frameworks, eventualmente você irá aprendê-los. Você deve se apegar a detalhes e saber segui-los bem para ter os resultados esquematizados pelo designer.

Quais são os principais desafios da área?

As dificuldade são variadas, cada projeto apresenta suas características e seus obstáculos a serem superados, isso é muito relativo. Acho que talvez a parte mais trabalhosa seja entregar o que as pessoas querem/esperam, querendo ou não nós mexemos com a área que lida diretamente com o usuário e se você trabalha em um projeto que tem um dono(cliente) isso pode piorar um pouco, a comunicação não pode ter ruídos, isso pode lhe custar algum tempo fazendo alterações.

Quais são as principais recompensas da área?

Sem dúvidas a melhor recompensa é aprender algo novo sempre, cada projeto traz um aprendizado sobre áreas diferentes e isso é gratificante. Pra mim uma grande vantagem é a possibilidade de trabalhar em times, você sempre estar em contato com outras pessoas faz o dia a dia ser melhor. A comunidade depende muito de onde você está, mas trabalhamos com internet não é mesmo? Estamos em todos os lugares!

Você pensa em mudar de área?

Hoje não tenho interesse em mudar de área, talvez um dia, mas hoje estou bem confortável onde estou.

Por que alguém deveria se tornar um(a) Front-End Developer?

Você deve se tornar front-end se você gosta de dar vida as coisas, é diferente de você fazer coisas do zero, eventualmente você também vai fazer, mas na maioria das vezes seu trabalho é dar vida a um projeto, fazer ele ser palpável e isso é maravilhoso, ver as pessoas usando algo que você construiu.


Este foi um post sobre como é trabalhar como Front-End Developer, porém também temos sobre como é trabalhar como Consultor de TI, por André Baltieri, Coordenador de Sistemas, por Jhonathan Souza Soares, Quality Analyst Engineer, por Úrsula Junque, Full-Stack Developer, por Ana Eliza, Líder Técnico, por Elton Minetto, Back-End Developer, por Giovanni Cruz ou mais ainda sobre Front-End Developer, por Matheus Lima. Confere lá!

Continue acompanhando nossos posts sobre como é trabalhar nas áreas relacionadas a desenvolvimento de software.

Siga o Training Center no Twitter para se manter atualizado(a) sobre nossas novidades: trainingcentr

Entre no nosso Slack para participar das decisões desse projeto e também para ver gifs engraçados!

Conheça nossas iniciativas.