Como é trabalhar como JavaScript Developer, por Júlia Rizza

Esse post é parte de uma série de entrevistas para o Training Center sobre o que um profissional pode dizer sobre sua área de atuação visando mostrar para outras pessoas como é trabalhar no que fazem, esclarecendo para algumas pessoas se elas se dariam bem trabalhando na área ou mesmo só para mostrar para outras pessoas como é trabalhar com isso.

Introdução

Meu nome é Júlia Rizza, sou estudante de Engenharia de Computação pela Universidade Federal de Uberlândia e atualmente trabalho como Desenvolvedora JavaScript na Supercharge, uma empresa que fica em Budapeste, Hungria, como parte de um programa de intercâmbio promovido pela AIESEC.

Trabalho na área de desenvolvimento web há vários anos, antes mesmo de começar os estudos na faculdade, mas minha experiência profissional com JavaScript começou há aproximadamente um ano. Na empresa em que trabalho, estou há apenas 3 meses na área, mas já tive a experiência de vários projetos e mil e uma ferramentas diferentes.

Como você conheceu a área de desenvolvimento JavaScript?

Conheci a carreira enquanto ainda estudava sobre desenvolvimento web em casa, como hobbie. Meus estudos eram, basicamente, sobre desenvolvimento back-end usando Python, mas vez ou outra eu via a necessidade de fazer algo diferente no front-end de uma aplicação e precisava de uma ajudinha dos colegas que trabalhavam com JavaScript.

Cansada de pedir ajuda sempre, decidi me dedicar um pouco ao front-end e entender o que meus colegas faziam e como essa linguagem funcionava. Aos poucos entendi que a linguagem não só podia ser usada no front da aplicação, como também no back (quando Node estava começando a se popularizar aqui nas nossas terras) e que existem infinitos frameworks e bibliotecas JS para te ajudar em qualquer tarefa no desenvolvimento web.

O meu maior problema com a linguagem no início foi lidar com tarefas assíncronas. De repente, tudo acontecia de forma assíncrona e eu não havia trabalhado com isso o suficiente em outras linguagens para realmente entender o que estava acontecendo. Foi a maior mudança que percebi, mas também uma que fazia toda a diferença quando tratamos da web, e me deixou ainda mais interessada em aprender a linguagem.

Por que você escolheu ser JavaScript Developer?

Como eu sempre estive na área de desenvolvimento web, era fácil perceber como JavaScript estava dominando o mercado e como todas as comunidades de desenvolvimento estavam comentando sobre ferramentas, frameworks, possibilidades com JS. Juntando isto ao fato de eu ter tido colegas que trabalhavam com a linguagem e eram muito bons no que faziam me inspirando, seguir carreira com JavaScript foi uma decisão fácil.

Acredito que essa linguagem é hoje o maior símbolo de desenvolvimento web, onde as novidades chegam primeiro e os profissionais se desenvolvem de forma mais forte. Adentrar essa profissão, especificamente com essa linguagem, foi uma decisão não só pensando no que está no auge agora, mas onde terei mais chances de desenvolver ferramentas e aplicações inovadoras, onde o futuro do desenvolvimento web se concretizará.

Como foi o seu primeiro trampo?

Meu primeiro emprego como desenvolvedora JS foi em uma empresa pequena da minha cidade, um tipo de estágio. Para mim foi a oportunidade perfeita, porque embora eu entendesse de desenvolvimento web, eu ainda estava bastante insegura quanto às minhas capacidades com JavaScript. O emprego serviu não só como um novo desafio, mas uma chance de aprender mais.

Comecei aos poucos no front-end, usando AngularJS, e lembro de quebrar a cabeça com um conceito novo todo dia. Assim, quando eu precisava desenvolver algo novo no trabalho estudava um pouco mais em casa, online, onde fosse possível, e depois colocava em prática no projeto.

Por fim, minha maior dificuldade acabou sendo o tempo. Além do tempo que eu dedicava ao trabalho, precisei me desdobrar para me dedicar aos novos estudos e, por causa da velocidade com que tudo se desenvolve em JS, continuo com esse desafio até hoje.

Quais são as skills de quem trabalha nesta área?

Além da linguagem de programação, é claro, as skills vão variar de acordo com o trabalho que você está fazendo. Como JavaScript Developer, já tive experiência tanto no front-end quanto no back-end, o que faz com que as tecnologias usadas sejam um pouco diferentes, mesmo funcionando com a mesma linguagem.

No geral, recomendo sempre aprender TypeScript, que é um superset de JS, ou seja, uma linguagem que vai ser compilada em JavaScript mas é escrita com algumas diferenças. Dessa forma, você programa nas versões mais recentes de ECMAScript/JavaScript com algumas praticidades extras e de praxe mantém seu código robusto.

Aprender pelo menos o básico de ambos front e back-end também é interessante, porque mesmo que você termine trabalhando com apenas um dos lados, vai entender o que acontece do outro. Neste caso, comece pelas tecnologias mais famosas: Node, Express, Angular, React.

Por fim, é essencial entender como funcionam os gerenciadores de pacotes e dependências e como eles podem te ajudar. Aprenda sobre NPM, Yarn, Bower.

E é claro que a qualidade do projeto vai depender não só das tecnologias utilizadas, mas do desenvolvedor. Por isso, um JavaScript Developer deve ser também um estudante assíduo e estar sempre buscando as novidades do campo. Como novas ferramentas são lançadas rapidamente e a linguagem evolui a passos largos, devemos estar comprometidos a nos atualizar na mesma velocidade.

Aprender pelo menos o básico de ambos front e back-end também é interessante, porque mesmo que você termine trabalhando com apenas um dos lados, vai entender o que acontece do outro.

Quais são os principais desafios da área?

Apesar de ser um ponto positivo a linguagem estar frequentemente se atualizando e trazendo melhorias, é um verdadeiro desafio manter seus projetos dentro da versão mais recente e seu código limpo no processo. O código legado é um perigo que sempre queremos evitar.

Já no ponto de vista da profissão, esteja preparado para lidar com prazos apertados e muita pressão por parte da empresa ou cliente. O mundo está acostumado com a rapidez da tecnologia e espera que uma aplicação esteja completa em poucos dias, que as mudanças desejadas sejam aplicadas imediatamente e que tudo isso funcione em qualquer dispositivo. Dificilmente conseguimos fazer isso sem sacrificar um pouco da nossa vida pessoal vez ou outra, então é crítico saber equilibrar o seu trabalho.

Quais são as principais recompensas da área?

Um dos melhores pontos quando tratamos de profissões que envolvem tecnologia é que a carreira é tão flexível quanto a linguagem. Você consegue encontrar ofertas nos mais variados modelos de serviços, seja remoto, local ou você-faz-seu-horário-e-lugar, e nos mais diferentes lugares do mundo se você faz o estilo nomadev.

A comunidade JS também é excepcional e acessível. Temos sempre novos materiais sendo compartilhados e desenvolvedores abertos e dispostos a te ajudar, além de grandes conferências e eventos espalhados pelos quatro cantos do mapa.

E como o assunto é carreira, nada melhor do que saber que a recompensa é justa. Os salários de devs JS vão variar de acordo com a posição do desenvolvedor, é claro, mas no geral pagam muito bem e deixam seu saldo no banco bonito todo mês.

Você pensa em mudar de área?

Como eu sou uma pessoa que gosta de estudar e está sempre curiosa sobre novas linguagens e ferramentas, já cheguei a pensar de mudar de área algumas vezes. Descobri muitos caminhos interessantes no mundo da programação que me chamaram atenção, mas ainda não foram suficientes para me fazer sair de rota do campo da web.

Como desenvolvedora JS ainda recebo novidades o bastante da minha própria área para não ficar entediada e o trabalho não ficar maçante, e é o que me mantém feliz com o que eu faço. Acredito que mudar de área é sempre uma possibilidade no mundo dos devs, mas tenho certeza que será bem difícil eu ficar descontente com meu trabalho.

tenho certeza que será bem difícil eu ficar descontente com meu trabalho

Por que alguém deveria se tornar um(a) desenvolvedor(a) JavaScript?

Acredito que JavaScript tem aspectos ideais para ambos os desenvolvedores novos na área quanto para aqueles que já estão calejados, mas querem uma nova experiência.

Se você está começando agora, essa é a oportunidade perfeita para experimentar várias áreas diferentes do desenvolvimento web usando uma só linguagem. Você terá toda uma gama de ferramentas, campos de trabalho e situações para testar e escolher onde se encaixa melhor.

Se você já está na área, mas ainda não trabalha com JavaScript, é uma oportunidade para um mindblown.

mindblown

Vários aspectos da web podem ser profundamente explorados (e de forma simples) e você vai poder se sentir mais no controle sobre o que acontece no browser e na forma como o usuário usa sua aplicação.

Seja na posição que for, é recompensador trabalhar em uma área de desenvolvimento tão forte e com capacidade de modelar o futuro do desenvolvimento web. Eu acredito no potencial que essa carreira oferece e nas possibilidades que ela traz para um desenvolvedor.


Este foi um post sobre como é trabalhar como Full-Stack Developer, porém temos também sobre como é trabalhar como Consultor de TI, por André Baltieri, Coordenador de Sistemas, por Jhonathan Souza Soares, Analista de Qualidade, por Érik Patekoski, outro sobre Full-Stack Developer, por Ana Eliza, Front-End Developer, por Aline Bastos e muitos outros. Confere lá!

Siga o Training Center no Twitter para se manter atualizado(a) sobre nossas novidades: trainingcentr

Entre no nosso Slack para participar das decisões desse projeto e também para ver gifs engraçados!

Conheça nossas iniciativas.