Como é trabalhar como Front-End Developer, por Aline Bastos

Home-office :)

Esse post é parte de uma série de entrevistas para o Training Center sobre o que um profissional pode dizer sobre sua área de atuação visando mostrar para outras pessoas como é trabalhar no que fazem, esclarecendo para algumas pessoas se elas se dariam bem trabalhando na área ou mesmo só para mostrar para outras pessoas como é trabalhar com isso.

Introdução

Oi, pessoal! Meu nome é Aline Bastos, tenho 42 anos, moro em Porto Alegre/RS, tenho uma filha linda de 9 anos, 7 filhos felinos e estou cuidando do meu pai, que agora é meu filho também! :)

Atualmente trabalho como desenvolvedora front-end freelancer. Resolvi tirar um tempo da correria e trabalhar como freelancer, fazendo meu horário, para me dedicar mais aos estudos, me aperfeiçoar, e ir em busca de novos desafios em breve.

Trabalho oficialmente como front-end desde 2010, mas já desenvolvia websites para família, amigos e alguns clientes desde 2002.

Gosto muito de ensinar, de passar adiante meu conhecimento. Participei como coach do último Django Girls aqui em Porto Alegre, e amei! Estou atuando agora também como mentora para novos front-enders no Training Center.

Como você conheceu a área de Front-End?

Em 2001 me tornei vegetariana e resolvi sair atrás de informações pela web. Tinha pouquíssima coisa, menos ainda em português, então resolvi que iria criar um website para divulgar infos em português.

Fui tentar fazer naquele tal de Geocities, mas não estava satisfeita, queria mexer em tudo, modificar o layout, as cores, as fontes. Então resolvi sair atrás de tutoriais e comecei a devorar tudo o que eu achava sobre HTML.

Em algumas horas eu já estava trabalhando no meu novo site, e nunca mais parei. Fiz sites pra família, amigos, namorado. Ensinei HTML pra minha mãe e pra minha tia, que depois fizeram sites lindos! Comecei a arrumar alguns pequenos clientes aqui e ali.

Mas não acreditava que seguiria isso como profissão, eu achava naquela época que para conseguir emprego eu deveria saber criar o design, codificar e programar o back-end, então fiquei só nos freelas.

Até que, quando minha filha tinha 3 anos, em 2010, eu estava numa situação econômica bastante complicada e tive que sair atrás de um emprego pra valer, pra poder nos sustentar. Ainda acreditava que não conseguiria trabalho sabendo só HTML, CSS e o básico de Javascript. Mas, mesmo assim, saí enviando currículos feito doida!

Com um restinho de dinheiro que eu tinha de um freela eu paguei um curso de Javascript, mas rezando para surgir trabalho logo, senão eu estaria lascada!

Depois de alguns meses de procura consegui um emprego como Codificadora de Interfaces. \o/

Só fui conhecer o termo “front-end” bem depois.

Por que você escolheu ser Front-End Developer?

Ser desenvolvedora front-end, pra mim, é ganhar dinheiro fazendo o que eu mais amo. Quando eu quero relaxar eu codifico, quando eu quero esquecer dos problemas eu codifico. Eu me empolgo quando estou aprendendo algo novo na área, e meu dia, minha semana, já melhora por causa disso.

Não me vejo fazendo outra coisa :)

Como foi o primeiro trampo?

Como eu falei acima, eu precisava desesperadamente trabalhar em 2010, então paguei um curso de Javascript e mandei currículos até cansar!

Recebi uma resposta de uma empresa para onde mandei currículo. Com o restinho de grana que eu tinha comprei uma calça e um sapato pra entrevista.

Era longe, precisei pegar dois ônibus pra ir, mas fui bem animada!

Resumindo bem: o dono da empresa tinha visto no meu currículo que eu tinha uma filha, e começou a falar que eu não seria uma boa funcionária, pois ficaria pensando nela, preocupada com ela, faltaria ao trabalho e não renderia!

Deve ter uma bola de cristal ele, né?

Perguntei por que ele tinha me chamado para a entrevista, então, já que já sabia que não me contrataria por ser mãe. E ele respondeu que me chamou porque tinha ficado curioso (???).

Bom, saí de lá completamente arrasada, desnorteada, chorando e pensando em desistir de tudo! Pois, fora essa entrevista horrível, ninguém mais havia me chamado. Achei que eu não serviria pra essa área. Pensei em ver vagas de secretária, recepcionista, ou, sei lá, de repente fazer faxinas. Inclusive cheguei a mandar vários currículos pra esses tipos de vagas no dia seguinte.

Até que uns dias depois recebi uma resposta de outra empresa. Fui fazer a entrevista, que foi muito boa! Saí de lá bem esperançosa!

E não é que eu fui chamada??? :D

Fui contratada como Codificadora de Interfaces.

Eu achava que eu sabia muito, mas, nossa, eu não sabia nada! Eu ainda usava bloco de notas pra fazer o código. Sim, BLOCO DE NOTAS! Eu não identava o código. E por aí vai.

Lembro da primeira “cagada” que eu fiz na empresa, na primeira semana. Tínhamos reunião de pauta diariamente às 17hs. Nesse dia, eu parei tudo o que eu estava fazendo, larguei o código no meio, participei da reunião e, depois, quando terminou a reunião, subi pro FTP o que eu havia feito.

Começou a chover telefonemas pra agência, era um site grande, muito visitado, de festas de Porto Alegre. Cada ligação era uma coisa que estava quebrada no site, aí lá ia eu tentar arrumar aquela coisa, e depois mais outra, e mais outra, até que o meu colega, back-end, veio tentar ver comigo o que estava errado. Depois de olhar por muito tempo tudo comigo achamos o problema: eu tinha esquecido de fechar as chaves de um código CSS. A louca esqueceu o que estava fazendo antes da reunião, não conferiu, e subiu tudo para produção!!!

Bom, nunca mais cometi esse erro, né :P

Esse primeiro emprego foi o maior aprendizado que eu tive! Meu chefe, que era também o designer, é um profissional maravilhoso, e muito exigente! Aprendi com ele muito do que eu sei hoje! Eu guardo na minha memória todo o aprendizado que eu tive, toda a base do que eu sou hoje. Foram dois anos de puro aprendizado.

Quais são as skills de quem trabalha nesta área?

As principais skills pra quem quer trabalhar como front-end são HTML, CSS e Javascript. Tendo essa base, fica mais fácil aprender e trabalhar com as diversas ferramentas que já existem e as que ainda estão surgindo.

Existem diversos cursos pagos e gratuitos ótimos na web. O que ajuda muito também é participar de fóruns, meetups, eventos da área, ler muito, ser muito curioso para pesquisar o que vai surgindo. E o principal: Praticar! Entre erros, acertos e bugs a gente aprende muito!

Quais são os principais desafios da área?

Acredito que o principal desafio é a enxurrada de novas ferramentas, novidades no Javascript e no CSS, novidades quase que diariamente.

É preciso estar sempre atualizado, ler muito, seguir blogs e sites da área, e de pessoas da área.

Quais são as principais recompensas da área?

É uma área muito boa de trabalhar, principalmente por causa da comunidade! Ouço de outras pessoas que não existe comunidade assim nas outras áreas. Aqui todos se ajudam, todos colaboram uns com os outros, criam eventos, meetups, cursos online, para compartilhar o que sabem, na maioria das vezes gratuitamente!

Além disso é uma área que paga, geralmente, muito bem. Também tem várias oportunidades para se trabalhar de casa, algumas empresas já trabalham com a opção de home-office, além de poder se trabalhar como freelancer, fazendo seu próprio horário.

Você pensa em mudar de área?

Já pensei diversas vezes, mas não por não querer mais trabalhar na área, mas em ocasiões onde fui prejudicada ou sofri preconceito por ser mulher ou mãe. Já pensei diversas vezes em desistir por esse motivo.

E nessas horas agradeço à nossa comunidade maravilhosa, agradeço a certos grupos, certas pessoas, colegas de profissão, que conseguiram me fazer levantar novamente e não desistir!

Por que alguém deveria se tornar um(a) Front-End Developer?

Sou suspeita pra falar, mas eu acho uma área linda pra se trabalhar! Tem muitas oportunidades, muitas empresas boas, muito conteúdo bom na web para aprender, oportunidades de sair do Brasil e trabalhar no exterior, inclusive!

Tem pessoas maravilhosas na área, que valem a pena ter como colegas de profissão.

Só tenho coisas boas a falar sobre a área de front-end :)

E fico à disposição para quem quiser bater um papo sobre a profissão!

Vocês me acham como @alinebastos no Twitter, GitHub e Linkedin ;)


Este foi um post sobre como é trabalhar como Front-End Developer, porém também temos sobre como é trabalhar como Consultor de TI, por André Baltieri, Coordenador de Sistemas, por Jhonathan Souza Soares, Quality Analyst Engineer, por Úrsula Junque, Full-Stack Developer, por Ana Eliza, Líder Técnico, por Elton Minetto, Back-End Developer, por Giovanni Cruz ou mais ainda sobre Front-End Developer, por Fernando Daciuk. Confere lá!

Continue acompanhando nossos posts sobre como é trabalhar nas áreas relacionadas a desenvolvimento de software.

Siga o Training Center no Twitter para se manter atualizado(a) sobre nossas novidades: trainingcentr

Entre no nosso Slack para participar das decisões desse projeto e também para ver gifs engraçados!

Conheça nossas iniciativas.